Pergunte ao Arquiteto

O que é Drywall, como funciona e se faz?

Modelo de Drywall

Como fazer
O termo drywall é cada vez mais usado por construtoras, arquitetos, consumidores e pessoal da mão de obra. A despeito de seus críticos contumazes, tem seguidores fiéis e sua aplicação cresce paulatinamente na construção civil brasileira. Mas enfim, o que é o drywall?

Drywall quer dizer, literalmente, “parede seca”. Ou seja, um drywall nada mais é do que uma parede erguida sem a utilização de argamassa de cimento e areia como são as paredes convencionais de blocos cerâmicos ou de concreto, o que resulta em um trabalho mais limpo e seco porque dispensa a mistura daqueles materiais com água.

Como é?
Apesar de relativamente novo no Brasil, o sistema de paredes secas utilizando-se placas de gesso acartonado – o mais conhecido – tem quase cem anos de existência. Muito usado nos países desenvolvidos, principalmente nos Estados Unidos, no Brasil esse sistema começou a ser usado em ambientes corporativos na forma de divisórias entre salas e, só no final do século passado, passou a ser utilizado em maior escala para outros fins, como as paredes internas de edifícios de apartamentos.

As paredes de drywall são constituídas basicamente por perfis metálicos na forma de U, que são chamados de montantes horizontais e verticais, os quais sustentam as placas de gesso. Sobre o contrapiso e sob a laje de cobertura são fixados os perfis horizontais na posição em que se deseja construir uma parede. Logo após a colocação desses perfis, os montantes verticais são fixados nos montantes horizontais a cada 60 cm em média. Esse conjunto rígido forma o esqueleto da parede e é nele que serão fixadas as placas de gesso acartonado (uma placa de gesso revestida com papel especial em ambas as faces).

Como funciona?
Em cada montante são parafusadas duas placas, uma frente à outra, formando uma parede oca. É devido à pequena espessura das placas e à camada de ar – único elemento que permanece entre elas – o tradicional som oco que ouvimos ao nessas paredes.

As grandes vantagens desse sistema construtivo são a limpeza da obra, a grande velocidade de construção das paredes e a ótima flexibilidade, além da quase inexistência de entulho pós-obra. É um sistema industrializado em que o construtor deixa de ser um pedreiro e passa a ser um montador. Pelas grandes dimensões dos montantes e das placas, a velocidade para a montagem das paredes ou divisórias é extremamente maior do que o sistema convencional de empilhar tijolinhos e – até por isso – é praticamente unanimidade nos escritórios e lojas, obras que demandam grande rapidez.

Reforma
A possibilidade de se construir paredes desse tipo em obras prontas e inclusive sobre pisos já acabados ou ainda a possibilidade de rapidamente e quase sem transtorno algum se eliminar uma parede de gesso de sua casa é incrível. Para reformas de casas ou apartamentos o drywall pode ser sempre uma boa alternativa devido à enorme flexibilidade do sistema e limpeza de execução.

Essa flexibilidade e a velocidade de montagem são ainda potencializadas quando trabalhadas juntamente com os sistemas elétrico e hidráulico. Todas as instalações podem ser montadas enquanto apenas os montantes e um lado das placas estiverem montados. Após a montagem dos dutos e tubulações, a outra placa é fixada, a parede é fechada e todas as instalações estão prontas. Ou seja, evita-se o tradicional e irracional quebra-quebra de paredes recém construídas para a passagem de canos e conduítes.

Tira e põe
No caso de uma reforma, se você pensa em eventualmente construir uma parede para dividir determinado cômodo da sua casa, mas não sabe se vai querer conviver eternamente com essa parede, faça-a de drywall. Quando precisar abrir novamente o ambiente, basta desmontá-la. Uma tarefa limpa e possível de ser realizada em apenas um dia.

Se a ideia é abrir um dos quartos do seu apartamento para aumentar o tamanho da sala, mas existe o medo de com isso desvalorizar o seu imóvel, não se aflija. Abra o quarto e, na hora de vender o apartamento, construa uma parede de drywall. Você viverá de forma mais confortável e em apenas um dia conseguirá preparar o seu imóvel para a venda.

Mitos
Entretanto, ao longo de sua curta existência no Brasil, foram criados alguns mitos em torno do drywall. Serão eles verdadeiros?

1. O drywall é caro: o metro quadrado do material é certamente mais caro do que o de blocos cerâmicos e sacos de cimento para construir a mesma parede. Mas o cálculo deve ser mais abrangente. Como a velocidade de construção e a facilidade para a montagem das instalações é muito maior, a mão de obra tende a ser mais barata. Além disso, paredes mais leves carregam menos a estrutura e as fundações, podendo barateá-las. Logo, a comparação deve levar todos esses fatores em consideração;

2. A resistência é baixa: as placas e os montantes seguem normas da ABNT que garantem a segurança deste sistema;

3. O isolamento acústico é fraco : falso. Uma parede de gesso acartonado comum, apenas com o colchão de ar entre as placas, possui desempenho acústico muito próximo do de uma parede normal de blocos. Esse isolamento pode ser melhorado utilizando-se mantas de lã de rocha ou lã de vidro entre as placas ou ainda utilizando-se mais de uma placa de cada lado dos montantes. Para se ter uma idéia, os principais cinemas do país têm suas salas separadas por drywall justamente pelo desempenho acústico superior ao das alvenarias convencionais, considerando-se espessura e peso;

4. O drywall não agüenta peso: falso também. Objetos de pouco peso como quadros ou armários leves podem tranquilamente ser parafusados diretamente nas placas. Para as coisas mais pesadas, deve-se prever um reforço dentro da parede realizado com os próprios montantes na posição em que se deseja fixar esses elementos. Logo o que o drywall exige é um maior planejamento e o uso de parafusos e buchas especiais;

5. O drywall não aguenta umidade: por ser uma parede constituída de gesso e papel, esta pode ser uma fragilidade do sistema. Entretanto, os fabricantes dispõem de placas de gesso que resistem muito melhor à umidade do que as placas convencionais. Para locais submetidos à umidade, recomenda-se a substituição das placas de gesso por placas cimentícias, essas, sim, totalmente resistentes à água.

Num momento de escassez de mão de obra como o que presenciamos no Brasil hoje, o drywall, desde que bem utilizado, pode ser uma ótima alternativa. Na hora de escolher o método de construção das paredes da sua casa ou apartamento, analise as alternativas de maneira sistêmica e o drywall será certamente um sistema competitivo.

Notícias relacionadas

Comente

Close