Pergunte ao Arquiteto

A casa ou o edifício como terceira pele

“Terceira Pele” para identificar a moradia do ser humano. Ou seja: nós teríamos, na verdade, segundo aquela matéria, 3 (três) “camadas de pele” :

a) Primeira Pele: aquela, de nascença ou “de fábrica”, distinguindo as raças branca, amarela, negra, etc.
b) Segunda Pele: roupas ou vestimentas, que ocultam a nudez animal e nos protegem de temperaturas estranhas à do nosso corpo ;
c) Terceira Pele: o abrigo, a moradia .

A abordagem é extremamente interessante e oportuna, permitindo fazer algumas considerações sobre características e desempenhos das “cascas” que nos envolvem:

1 – “PRIMEIRA PELE”
O exame, ao microscópio, permite ver que a pele humana é muito mais porosa, fissurada ou “esburacada” do que pode parecer ao olho nu. Pelas mesmas fendas que expulsam o suor (expelindo toxinas e contribuindo para o equilíbrio térmico do corpo), podem penetrar cremes hidratantes, pomadas medicinais, variadas impurezas, bactérias, fungos, ácaros e diversos produtos tóxicos. Para se ter uma ideia da vulnerabilidade dessa “casca”, basta a terrível informação sobre o gás dos nervos “VX”, sintetizado por inglese e norte-americanos a partir de 1952, que age sobre os neurotransmissores do nosso sistema nervoso central: basta 1/3 de um miligrama, absorvido pela pele, para matar um ser humano (se a vítima “tiver sorte”, a agonia durará apenas poucos minutos, passando por suor abundante, tonteiras, vômitos, perturbações da visão, fezes e urina expelidas descontroladamente, rigidez muscular e asfixia final). Se é apavorante imaginar centenas de toneladas de tal substância armazenadas em depósitos militares, deveríamos atentar, também, para os perigos menores que rondam a nossa “embalagem” corporal e que podem, no longo prazo, provocar sérios danos a nossa saúde: não costumamos dar a devida importância às composições de pomadas, cremes, sabonetes, shampoos, desodorantes, tinturas capilares, detergentes e sabões; nem nos lembramos de que já é comum a “injeção”, de hormônios e vitaminas, através da pele, por meio de discos adesivos ou gelatinas. Tampouco damos a devida atenção ao correto manuseio de desinfetantes, limpantes e inseticidas (o gás “Tabun”, de Hitler, foi desenvolvido, em 1936,a partir de um simples defensivo agrícola!..).Assim, preferimos achar que não existem riscos e que “apenas os alérgicos” são sensíveis aos eventuais efeitos tóxicos desses produtos; nós, os chamados “normais”, temos corpos saudáveis e “somos imunes”. Ledo e ivo engano, como diria Carlos Heitor Cony …

2 – “SEGUNDA PELE”
As roupas, de um modo geral, formam nossa “Segunda Pele”. Incluem-se, aqui, tanto calçados e roupas diurnas como as chamadas roupas de cama (pijamas, camisolas, lençóis e cobertores); sem esquecer as toalhas e lenços, que esfregamos no corpo e no rosto. Resíduos químicos de sabões, amaciantes e limpantes (tecidos mal enxaguados), assim como fungos e ácaros (colchões, interiores de sapatos ou tênis, armários mal ventilados, vazios prediais em geral e divisórias ocas são perfeitos refúgios e meios de reprodução), acabam depositados e alojados nas fendas da pele e podem provocar, no longo prazo, importantes danos à saúde. Assim, todas essas “coberturas provisórias” do corpo deveriam merecer atenção e cuidado muito especiais. Cá entre nós: existe coisa mais “besta” do que secar os pés, após um caprichado banho, e enfiá-los no sapato de véspera (de couro, ou lona, escuro e umedecido pelo suor), em cujo interior colônias de fungos cresceram, explosivamente, durante a noite ? ?…

3- “TERCEIRA PELE”
Nossa casa (ou apartamento) acaba desempenhando a função de “Terceira Pele”. De fato, com a finalidade de “deixar lá fora” a chuva, o vento, as temperaturas extremas e a insolação excessiva, a moradia será a nossa “terceira casca”. Mas estará ela cumprindo, integralmente, essas funções ?

Experimente reunir a família e ler em voz alta:
a) O projeto considerou, na implantação do prédio, a captação de radiações solares benéficas (germicidas e fungicidas) ?
b) As paredes externas são realmente estanques, não encharcando, com chuva, através de trincas nos revestimentos ou por fissuras em rejuntes de lajotas “nobres” (cerâmicas, pastilhas, pedras naturais, etc ) ?
c) As faces internas das paredes externas são secas (sem fungos ou pulgões) e os armários, nelas encostados, são isentos de bolores ?
d) As janelas possuem bandeiras superiores móveis que permitam arejar os ambientes mesmo na ausência dos moradores ?
e) Nosso apartamento possui inacessíveis forros falsos ou divisórias ocas, capazes de alojar insetos e aranhas ?
f) Alguém, da nossa família, vem sofrendo de coriza, rinite, bronquite, crises de asma ou de distúrbios semelhantes ?
g) Caso afirmativo, o médico foi informado das reais condições físicas e bolores de nossa moradia ?
h) E nós, leitores deste artigo, ainda preferimos acreditar que o clima da nossa cidade é o “único culpado” por todos esses problemas ?…
i) E quanto ao Papai Noel ? .. E, quem sabe, o Saci Pererê ? …

4- NOSSA MENSAGEM
As presentes reflexões, paralelos e ironias, talvez possam servir para que proprietários e administradores (principalmente em edifícios altos) adotem uma postura mais cuidadosa e prudente, pois estamos abordando algo que vai muito além da simples conservação do patrimônio físico. Caso contrário, as “broncas indignadas”, por infiltrações pluviais, continuarão esquecendo os seres humanos e concentrando-se, apenas, em eventuais pingos que caem, dos tetos de garagens, sobre reluzentes e indefesos capôs de automóveis …

Notícias relacionadas

Comente

Close