Acidente no Paraná mata quatro pessoas de Cândido Mota

Enquanto fazia uma ultrapassagem, um caminhão bitrem bateu de frente com um Gol e depois foi atingido na lateral por um Space Fox, informou a PRE

Da Gazeta Maringá

Pessoas que morreram estavam no Gol, que foi arrastado por alguns metros após bater no caminhão (Foto: Divulgação / PRE)

Quatro pessoas morreram e outras quatro ficaram feridas em um acidente que envolveu dois carros e um caminhão bitrem, por volta das 22h20 de terça-feira (16), no trecho da PR-323 que passa na altura de Cianorte, no Noroeste do Paraná. As informações são da Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

A PRE informou que o acidente aconteceu quando o bitrem, com placas de Jambeiro (SP), fez uma ultrapassagem e bateu de frente com um Gol com placas de Candido Mota (SP). Um terceiro veículo, um Space Fox, com placas de Califórnia (PR), bateu em seguida na lateral do bitrem.

“O caminhoneiro foi fazer ultrapassagem e estava retornando para a pista dele, mas, como um bitrem não volta facilmente, não deu tempo de evitar a colisão com o Gol”, relatou o sargento Marcos Antonio da Silva, da PRE. “O motorista não deveria ter feito a ultrapassagem.” No trecho onde aconteceu o acidente, porém, a ultrapassagem não é proibida.

As pessoas que morreram estavam no Gol, que ficou preso às ferragens do bitrem e acabou sendo arrastado por alguns metros logo após a batida. O motorista Ariomar de Jesus Lisboa, 38 anos, Maria Aparecida de Oliveira, 26 anos, Fernando Morais de Oliveira, 31 anos, e Sandro José Gomes, 41 anos, morreram na hora. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Campo Mourão.

O motorista do Space Fox, João Rodrigo Miquelão Godoy, 27 anos, e os três passageiros, Nilza Miquelão Godoy, 51 anos, Mariana Mattiuzzi Estrope, 25 anos, e José Eduardo Miquelão Godoy, 15 anos, ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Santa Casa de Cianorte. Nenhum deles corre risco de morrer, segundo a PRE.

Três das quatro vítimas fatais: Ariomar de Jesus, Maria Aparecida e seu esposo Fernando Morais


Deixe seu comentário