Agricultor ajuda a cultivar novas variedades de bananas em Palmital

Banana prata hondurenha, considerada bem doce, é uma das novidades. Boa produtividade e resistência a doenças estão entre as principais vantagens.

A banana chega verde na fábrica em Palmital (SP) e leva dois dias até ficar madura (Foto: Reprodução/TVTEM)

A banana chega verde na fábrica em Palmital (SP) e leva dois dias até ficar madura. Só depois segue para a linha de produção.

Ela é cozida por duas horas e, após esfriar, a massa é cortada e o doce fica pronto. Algumas receitas levam açúcar e outras não. Isso depende da qualidade da fruta, como conta o empresário Edvandro Bernardes. Há 3 meses, ele passou a usar como matéria-prima a banana prata hondurenha.

A novidade está vindo do bananal de Edmar Bernardes. O agricultor tem 50 hectares plantados e participa de uma pesquisa feita pela Apta, a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, em parceria com a Embrapa.

O que se estuda é a adaptação de diferentes espécies da fruta na região e os primeiros resultados foram animadores.

Ao todo estão sendo testadas na propriedade do seo Edmar 10 variedades de bananas. São subtipos das bananas nanica, prata e maçã.

Além da prata hondurenha, que já está sendo vendida para a indústria, mais duas já estão despontando. Os pontos fortes são a boa produtividade e a resistência a doenças.

Adriana Novais Martins coordena a pesquisa. Ela sempre visita o sítio de Edmar para checar os resultados.

De acordo com Adriana, duas das novas variedades testadas são tolerantes às principais doenças registradas na região.

Edvandro diz que espera que outros produtores passem a investir nessa variedade, o que, segundo ele, seria bom para o mercado.

Uma coisa é certa: quanto mais bananas saborosas e produtivas, melhor pra o agricultor, para a indústria e para quem consome.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA