Ronda Programada: credibilidade na ação preventiva para evitar furtos em residências

Adilson Luís Franco Nassaro

Ronda Programada: credibilidade na ação preventiva para evitar furtos em residências

A “Ronda Programada” é um serviço que órgãos policiais de prevenção oferecem às pessoas que pretendem viajar e manterão suas residências fechadas durante o período das férias escolares, ou mesmo em outras ocasiões (especialmente feriados prolongados). Como ocorre no Centro-Oeste paulista, o programa possibilita à Polícia Militar um planejamento de rondas pelos endereços indicados, após orientações sobre segurança passadas ao interessado.

Um mês antes do período de férias escolares, o policiamento local divulga na imprensa a notícia de que as pessoas interessadas podem ligar ou comparecer às sedes do batalhão ou companhia e agendar o período de interesse, ocasião em que se preenche um cadastro com informações necessárias tais como: endereço, período de ausência, telefones de contato, pessoa (preferencialmente um vizinho) de confiança ou quem possua cópia das chaves, quais os dispositivos de segurança existentes e outros dados relevantes.

Durante esse contato de agendamento, o policial atendente passa recomendações ao interessado, que deverá: suspender entrega de jornais e revistas durante o período (o criminoso percebe acúmulo de jornais, por exemplo, na porta da casa e tem a certeza de que os moradores estão ausentes); combinar com um vizinho amigo ou pessoa de confiança que passe pelo local periodicamente e não deixe a aparência de “abandono” (folhas de árvores caídas na entrada principal, por exemplo); se possível, providenciar para que alguém acenda luzes no interior da residência em dias e horários alternados. A partir desse contato, o gestor de policiamento preventivo vai programar rondas nesse endereço e as patrulhas terão  facilidade em se comunicar com o responsável (ou por alguém que ele designe) no caso de constatação de alguma situação extraordinária (por exemplo, um alarme disparado) durante as rondas realizadas.

Em julho de 2009, o programa foi iniciado no ano de 2000 na cidade de Bauru (sede de Comando Regional da Polícia Militar, CPI-4) e, desde 2005, se expandiu para as 89 cidades que integram os seis batalhões da região (entre eles o 32º BPM/I, em Assis), com grande sucesso: “Em Bauru, a350 Kmde São Paulo, o furto em residências aumentava substancialmente nos feriados e férias escolares. Dois fatores contribuíram para isso. A maioria dos 360 mil habitantes mora em casas e 28 mil universitários vivem na cidade, atraídos pelas quatro universidades e nove instituições de ensino superior, mas viajam periodicamente. Em2000, acidade adotou o projeto Ronda Programada para reforçar a segurança dada às residências. Trata-se de um serviço de vigilância específica e redobrada, com visitas diárias às casas dos moradores que se cadastraram no programa. (…). A ideia deu tão certo que há cinco anos o projeto foi estendido para todo o Comando de Policiamento do Interior-4, responsável pela região centro-oeste, que abrange 89 municípios, inclusive Marília, Assis, Jaú, Lins e Ourinhos. Funciona durante todo o ano, mas a procura aumenta nas folgas prolongadas” (“O Estado de São Paulo”. Caderno Cidades/Metrópole, p. C3, 04/07/09).

Os patrulheiros em deslocamento com a viatura não são capazes, naturalmente, de observar tudo e a todos ao mesmo tempo; no entanto, a partir das informações recebidas e programação das rondas, a atenção será bem maior quanto aos pontos predeterminado. No aspecto de vulnerabilidade, de fato, a residência que se encontra temporariamente vazia é mais suscetível a ser objeto da ação criminosa, no caso, o furto normalmente qualificado pelo arrombamento e por isso merece maior atenção. Não se pode, a título de crítica a essa estratégia, dizer que o policiamento preventivo privilegiará determinado grupo de endereços em detrimento aos demais porque a rotina dos serviços prestados continuará sem alteração, o patrulhamento e o atendimento de ocorrências não serão interrompidos e a possibilidade de agendamento é aberta para qualquer pessoa, criando-se um vínculo forte entre comunidade e polícia. Também a iniciativa fortalece a relação de confiança da comunidade e o serviço público prestado.

Quanto à imagem institucional, a Ronda Programada tem um poder fantástico em revelar e difundir o comprometimento do órgão policial com a comunidade a que defende exatamente no momento de maior vulnerabilidade em relação ao bem material mais precioso do morador, em virtude do seu temporário afastamento da residência.

A experiência positiva de vários anos de funcionamento do programa no Centro-Oeste paulista justifica a grande aceitação da comunidade diante da estratégica iniciativa: nenhuma das residências cadastradas na ronda foi furtada.

Autor: Adilson Luís Franco Nassaro, Tenente-Coronel PM Comandante do 32º BPM/I
(Região de Assis).

#MAIS LIDAS DA SEMANA