Artigo – Os pais também são gente!

A maioria das mulheres, viram mães e vivem em função dos filhos o tempo todo.

Valmir Dionizio – Voluntario Amor-Exigente – Fevereiro 2015

Quando um homem e uma mulher se relaciona, e desse relacionamento nascem filhos, o casal se torna pais, mas nem por isso são convertidos em super pessoas: continuam a ser apenas gente. Gente que erra que acerta e segue assim pela vida. Casam ou não casam, são jovens pais, cheios de sonhos e esperança. Os filhos são bênçãos! Pequenos, indefesos, precisam de muitos cuidados, de bastante amor. Para recebê-los, os pais se preparam, leem tudo que cai nas mãos e acreditam que sabem das coisas.

A maioria das mulheres, viram mães e vivem em função dos filhos o tempo todo. Num misto de deslumbramento e exaustão, vão se adaptando as novas condições. Por vezes perdem o controle, mas seguem em frente.  Entretanto, sem pensar, fazem e dão coisas de mais, de tal forma que chega uma hora em que, desanimadas e tristes, percebem que foram além de suas forças e passam a negar os pedidos.

Os homens também se vêem perdidos. Todos nós perdemos a consciência de nossa humanidade. Nossas crianças aprendem que damos um jeito em tudo, e esperam tudo de nós, cada dia exigem mais.

Muitas vezes nos sentimos frustrados com o tipo de vida que levamos. As instituições que nos apoiam tornaram-se insuficientes, e as que deveriam complementá-las não estão prontas. Também nos sentimos despreparados e sozinhos.

Os homens, pais cansados, estressados, muitas vezes estão prontos para abrir mão do papel de provedor ou protetor da família, as mulheres, desvalorizados e sobrecarregas, cansam-se da desconsideração, do desrespeito por sua vida de trabalho pesado e sem reconhecimento. Ambos sentem vontade de sumir e tirar o time de campo.

Precisamos ter algum tempo para nós. Tempo para parar, conversar e até deixar que saiba quem somos. (Se ganharmos presentes que não usamos, é porque nossos filhos, marido ou esposas não sabem do que gostamos). Não nos conhecem e não conseguem perceber, (muito menos adivinhar nossos desejos). Se isso esta acontecendo, é porque não nos damos espaços, e esta na hora de rever algumas de nossas atitudes.

Na Prevenção, pai, mãe, avós, micro ou macro família, precisam “ser um só” em relação à orientação e “a educação dos filhos. SEM ESQUECER DE NOSSA CONDIÇÃO DE SERES HUMANOS , pois é falsa a expectativa de que, para sermos bons pais, precisamos ser capazes de tudo o que nós acreditamos. Impossível resolver todos os problemas, controlar ou, salvar nossos filhos, pois, na realidade eles não nos pertencem e, mais cedo ou mais tarde, de um jeito ou de outro, eles vão embora.

Somos apenas pais, somos humanos, não podemos resolver todos os problemas, não temos controle sobre a vida dos outros, não nos tornamos perfeitos quando nos tornamos pais. Somos gente. Não somos Deuses, podemos errar, errar é humano.

O progresso da tecnologia em ritmo veloz, a rapidez da informática e dos recursos audiovisuais, às vezes criam obstáculos para nós, em nossa comunicação corriqueira, e para os nossos filhos na luta pela inserção profissional no mercado de trabalho. Essas coisas produzem dificuldade que geram medo e insegurança em relação ao futuro, tanto para os pais como para os filhos. Precisamos aprender a ouvir os questionamentos e aflições dos jovens em relação ao futuro, tanto para os pais como para os filhos. (O que é ser adulto? É estar seguro, sem medo, sem problema?).

Veja sempre o outro como gente, como alguém que você quer realmente ajudar e não como aquele que lhe deve alguma coisa. Participe do grupo do Amor-exigente e escolha no grupo uma meta semanal que faça o outro sentir respeito por si mesmo. Não podemos esquecer de que vivemos um eterno drama: queremos ser super-heróis, queremos ser deuses, sem perceber, que podemos passar de pais-heróis a pais-otários. Ser um bom pai, uma boa mãe, é buscar  errar menos.

Ser gente é ser filho, sucessor do verdadeiro amor. Ser gente é não ser perfeito, mas ansiar ser santo, aprendendo, errando, querendo acertar. Ser gente é ter consciência de nossa humanidade, é entregar-se a Deus, para que Ele comande sua vida!

Numa frase: “Este é o Principio que resgata nossa condição humana”.

Valmir Dionizio – Voluntario Amor-Exigente – Fevereiro 2015
Reuniões toda quinta-feira as 20 horas, Rua Barão do Rio Branco, 250, centro, Assis/SP.

#MAIS LIDAS DA SEMANA