Quando a ciência e a espiritualidade precisam caminhar juntas

Nessa virada de século a filosofia de vida das pessoas muda-se os valores e o pensamento também.

Selma Domingos, enfermeira do Hospital Regional de Assis
Selma Domingos, enfermeira do Hospital Regional de Assis

RESUMO
Nessa virada de século caminhando para mudanças de conceitos, referenciais, valores, cultura, definições, e necessário os educadores professores prepararem melhor os futuros profissionais de saúde os residentes os futuros médico para uma nova filosofia de vida da compreensão da espiritualidade na vida das pessoas principalmente dos doentes no fim d vida, acreditarem que a espiritualidade junto com a ciência é a essência do cuidado humano, da valorização do conhecimento científico, do acompanhamento da tecnologia, mas da espiritualidade como um marco na vida do ser humano, por que tem uma hora que o limite aparece, e a fragilidade juntamente com a impotência também, nada funciona, nada da certo, esse é o momento de Parar e deixar a natureza humana existencial divina agir.

INTRODUÇÃO
Diante da necessidade de mudança no paradigma do cuidado do paciente terminal hospitalizado é necessário um excelente atendimento para o paciente e familiar, e a prioridade do cuidado do paciente vai centralizar no atendimento espiritual na transcendência da fé e na solicitude no momento intimo de conversa, de entrega de alma, desabafo e choro, PORÉM entendemos que o lado humano prevalece, mas o conhecimento científico, a ciência, a tecnologia, a droga, a habilidade a capacitação técnica do profissional é fundamental também na assistência do doente terminal, pois é do conhecimento e da técnica que aparece a ação, a atitude e o resultado para uma finitude mais digna e com menos sofrimento. Vivemos uma época tumultuada caminhando para o Século XXI onde os profissionais querem fugir do sofrimento do doente terminal, do idoso, do familiar, alguns desacreditam na importância da espiritualidade no fim da vida e de sua essência na vida do ser humano, principalmente alguns profissionais de saúde, desacreditam na importância da fé, para amenizar a angústia, o sofrimento da alma e da depressão do paciente. Partindo desse contexto o momento de transcendência é único, (paciente e fé) momento de orar, de reconciliar e falar com Deus.

Nessa virada de século a filosofia de vida das pessoas muda-se os valores e o pensamento também, e os profissionais que estão vindo no mercado não entendem a metamorfose da espiritualidade na vida das pessoas, do paciente, onde ocorre discrepância, divergência, incoerência entre paciente, familiar e profissional, situação essa percebível na prática de cuidados que vai acabar refletindo na desumanização do mesmo. Bendito seja o conhecimento cientifico a capacidade técnica intelectual do homem para exercer sua prática tão essência na cura, recuperação e que salva vida de muitas pessoas, agora imagine “FÉ e Ciência caminhando juntas no cuidado do paciente terminal que Assistência EXCELENTE e DIGNA para qualquer ser humano racional”. Baseado nesse contexto o “Doutor o Médico” e sua importância na vida das pessoas principalmente do doente com sua referência, capacidade intelectual para pensar, agir, portador de uma INTELIGÊNCIA técnica e uma imensa capacidade para entender, aplicar e intervir na prática de cuidado através da mais ousada TECNOLOGIA, Métodos dos mais complexos para salvar vidas e vidas, GRAÇAS A DEUS Que existe o Doutor…

A faculdade de medicina deve mudar/alterar a grade curricular, o método de ensino, alterar disciplinas e cargas horárias, estágios mudar o histórico transformando a mente, o pensamento do aluno e posteriormente Doutor, voltando este para o lado “humano ampliado”, no subjetivo, desconhecido, no que não se vê na parte educacional, aprendizagem, social onde ele comece entender que o CUIDAR está baseado num contexto de ciência e fé junta, amor e tecnologia, drogas POTENTES e sentimentos, limite e bom senso, acreditar E desacreditar sem desrespeitar, sem imposição, afinal a autonomia do doente independente se sua cultura é a característica ideal da integridade da identidade do doente.

Entendemos que os alunos de medicina devem sair da faculdade preparado educadamente, emocionalmente, intelectualmente, para lidar com casos diversos e interessantes como cuidar de um DOENTE em fase Terminal caminhando para a sua FINITUDE embora muitas vezes para o aluno ou residente de medicina um paciente terminal pode não ser muito bom para aprender, visando à questão de conhecimentos teóricos ou aprendizado, técnica, por que podem pensar “Não há nada que se fazer” Triste engano vão aprender muito, vão se preparar para a FACULDADE DA VIDA, será os profissionais do futuro, já que entendemos que o perfil dos doentes internados muda a cada dia, a grande maioria dos pacientes é terminal idoso, sem prognóstico, com doença crônica degenerativa, irreversível aonde vão morrendo aos poucos…

E essas doenças são consideradas interessantes para o aprendizado, afinal baseado na questão ética, técnica a conduta médica, a interrupção de tratamento, prolongar a vida e o sofrimento do paciente terminal, o custo e benefício de um tratamento complexo, a opção por um tratamento ordinário ou extraordinário na decisão segura e consciente de um profissional juntamente com a família de manter um paciente em morte cerebral com apenas um suporte clínico ou avançado, são questões de viver ou morrer nessa virada de Século.

Ou será que só as patologias interessantes e diferentes são importantes na faculdade, o paciente terminal não é interessante em nível de aprendizado, conhecimento teórico e técnico, afinal compreendemos que cuidados com paciente terminal, é interessantíssimo nesta virada de século, pois é visível que a humanidade caminha para essa triste realidade. Baseado nesse contexto ocorre uma incoerência e discrepância no cuidado humaniza entre cuidado/cuidador. Partindo desse contexto fica visível a necessidade de mudança de mente, postura, de entender o outro e respeitar seu pensamento, modo de ser, principalmente sua crença e espiritualidade, fé, afinal eticamente, bioeticamente, na índole de cada ser humano partindo da educação individual, não é necessário estudar 30, 40 ou 50 anos para respeitar o outro, pois a espiritualidade é fundamental no fim da vida, todo mundo independente de classe social.

No fim da vida a espiritualidade supera qualquer ciência, técnica, tratamento, DROGA de última geração, porque tem hora que nada funciona, pois o fim está próximo, como o próprio nome já diz término, missão cumprida. A FACULDADE prepara o aluno tecnicamente com uma boa bagagem de conhecimento teórico, um computador teórico com excelente técnica, só esqueceu de preparar o aluno para a faculdade da vida da à alma enfim PARA O MUNDO que não se conhece.

Se existe um momento que é exatamente igual na vida é quando morremos…

Só existem duas formas de viver a vida. A primeira é pensando que o milagre não existe; a outra é pensando que tudo é milagre.

Albert Einstein

OBJETIVO
Analisar a necessidade da mudança de perfil, pensamento, postura e conduta dos futuros profissionais de saúde residentes e posteriormente médicos no cuidado com o paciente terminal.

“O Senhor Deus disse assim”:

Ponha as suas coisas em ordem,

Porque você não vai sarar.

“Apronte-se para morrer”.

Profeta Isaíasdisse quando foi visitar o rei Ezequias

JUSTIFICATIVA
QUANDO SE FALA EM ESPIRITUALIDADE DO PACIENTE TERMINAL, DO FAMILIAR e momento de IRREVERSIBILIDADE, DE IMPOSSIBILIDADE DE CURA, IMPOSSIBILIDADE DE SALVAR A VIDA estamos falando de momento único PARA O DOENTE, momento de MORRER EM PAZ com menor sofrimento, menos dor, momento de serenidade e tranqüilidade.

É Difícil morrer em paz?

Afinal chega uma hora na doença QUE A MORFINA não faz mais EFEITO, o anti-emético não melhora o vômito, e necessário ir aumentando a dose da morfina para fazer um efeito digamos somente de alivio, afinal não se pode aumentar mais a dose, pois sua super-dosagem pode ser letal. E qual a DROGA POTENTE PARA amenizar a ANGÚSTIA DE ALMA, esse pode demorar e às vezes nem chega.

A Droga para amenizar a dor da alma o remédio é a espiritualidade. Baseado nesse contexto pensando na alta taxa de doente sem prognóstico, irreversível, onde a essência do tratamento está na transcendência, na solicitação do capelão, do padre, pastor, no entendimento do médico saber a necessidade da assistência espiritual para o doente. No reconhecimento do limite, na tentativa de não prolongar o sofrimento, na decisão segura de PARAR quando necessário, refletindo na atitude certa na intervenção segura inteligente, conscientes, sem deixar de tentar, porém fazer com cautela e bom senso, sem angústias de deixar de fazer ou porque não tentou.

Afinal vamos imaginar um paciente internado sem prognóstico, qualidade de vida, numa clínica ou UTI entubado, usando drogas para funcionar o coração, antibióticos potentes para tratar a infecção, aumentando taxa, custos e permanência hospitalar, para o sistema o gasto é altíssimo, além do estresse de família-paciente-profissional, pois quando o paciente se encontra no fim é um sofrimento intenso e o seu desejo somente a PAZ, já que a cura é impossível só e só resta tratar e aliviar…

REFLEXÃO

Há tempo para todas as coisas

O tempo de nascer e morrer

O tempo é de Deus ou nosso?

REFLEXÃO
Um paciente internado na CTI entubado dois anos no respirador

Consciente? Mantém abertura ocular recebe dieta pos sonda enteral. Ele espera pela sua hora ou

O tratamento que recebe é para prolongar seu sofrimento? Ou não é chegada a sua hora independente de respirar com ajuda de um respirador mecânico e receber alimentação por uma sonda?

Perguntas
Qual é o custo de um paciente sem prognóstico dentro de uma UTI?

No final da vida de um paciente terminal a ciência é necessária com bom senso, mas a espiritualidade é extrema, pode ultrapassar todos os limites? Qual a importância da espiritualidade no final da vida?

Qual é a diferença em custos de um paciente terminal recebendo terapêutica no hospital e no domicilio?

Quais são os profissionais do futuro?

BIBLIOGRÁFIA
O uso de terapias agressivas altas tecnologia sem limites, porém entendemos que temos que TENTAR SEMPRE, mas com BOM SENSO SABEDORIA, ENTENDENDO QUE PARA TENTAR O DOENTE TEM QUE QUERE R e o Doutor sabe quando ele quer e quando ele não quer, sua vontade deve se respeitada acima de todas as coisas,

Por amor nos hospitais
Nesse contexto temos entendimento que antigamente os doentes morriam em casa já que os hospitais eram para curar, soldados e feridos que participavam das guerras, permaneciam pouco tempo nos hospitais controvérsias nos dias de hoje os pacientes graves tem alta taxa de permanência no hospital, muitas das vezes fazendo tratamento sem critérios, talvez pela falta de protocolos específicos, somente fazendo uso de tratamento extraordinário aumentando a taxa de permanência hospitalar, aumentando custos de um paciente sem prognóstico, ou seja, caso irreversível estagia terminal.

Quanto custa um paciente terminal recebendo terapêutica no hospital e no domicilio?

O uso de terapias agressiva alta tecnologia sem limites, porém entendemos que temos que TENTAR SEMPRE, mas com BOM SENSO SABEDORIA, ENTENDENDO QUE PARA TENTAR O DOENTE TEM QUE QUERE R e o Doutor sabe quando ele quer e quando ele não quer, sua vontade deve se respeitada acima de todas as coisas.

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA