Artigo – ADEUS MÃE

“Disse-lhe Jesus: “Eu sou a Ressurreição e a vida, aquele que crê em mim, ainda que morra viverá” (Jo 11, 25). (Neusa Aparecida Dal Poço da Silva – 23 de janeiro de 1956 a 06 de abril de 2016).

Despedir-se de quem se ama é difícil, isto se torna mais dificultoso quando essa pessoa é sua MÃE.

Carlos Drummond de Andrade, em seu poema “Para Sempre”, questiona. “Por que Deus permite que as mães vão-se embora?”.

Na música “Brigar com Deus”, padre Zezinho sintetiza a saga de quem perde um ente querido: “Admito que eu briguei com Deus / porque não respondeu. Quando eu Lhe perguntei por quê; Ele, que tudo sabe, tudo pode, tudo vê, Parece que não viu, nem me escutou lá no hospital”.

Prossegue a canção em desabafo: “Doeu demais e, quando dói do jeito que doeu, A gente chora, grita e urra e põe pra fora aquela dor. E desafia o Criador e quem se mete a defendê-lo. Comigo não foi diferente do que foi com tanta gente, Que perdeu algum amor”.

Ainda no poema de Drummond o poeta declara: “Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho”.

Acrescento que deveria haver o décimo primeiro mandamento. “As nossas mães nunca deveriam morrer”.

Como não existe essa lei proposta por Drummond e nem esse mandamento sugerido por mim, quero dizer bem alto: “Minha mãe/ Valeu pelo carinho e atenção/ Minha mãe/ Valeu do fundo do meu coração/ Pra você o seu maior presente fui eu/ Então saiba que pra mim nós somos iguais/ Pois você é o melhor dos presentes que Deus me deu/ Mãe eu te amo demais” (Balão Mágico – Minha Mãe).

Obrigado Mãe!

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA