Simplesmente mulher…

Neste Dia Internacional da Mulher, eu espero que tenham uma manhã ensolarada, uma tarde agradável e uma noite enluarada e romântica.  E que obtenham um lugarzinho de destaque nos corações dos homens. Assim, as mulheres de nossas vidas, não sofreriam tantas injustiças, assédios, preconceitos, desamor, violência, indiferença e desvalorização.  E que os homens, de um modo geral, as tratassem com mais delicadeza e amor.

Que o machismo, que tomou conta dos homens ao longo do tempo, não tenha conseguido desaparecer com aquele “garoto travesso”, que todos nós fomos um dia.  Que atendia ao pedido das meninas para ajudá-las a subirem na goiabeira, que tinha no quintal; para ensiná-las a soltar pipa, nas tardes ensolaradas; para deixá-las em vantagem, nas brincadeiras de esconde-esconde; para levá-las na garupa, nos rachas de carrinho de rolimã e que não se importavam em repartir o lanche, com a loirinha de pintinhas no rosto e trancinhas no cabelo.

Aquele garoto tímido, que escrevia versinhos para a menina de “franjinha”, e no recreio com vergonha, pedia para um colega entregar a ela. Que ainda hoje, se lembra dos tempos de namoro, em que passeava de mãos dadas com a namorada, olhando as vitrines das lojas; que comprava pipoca, para saborear no banco da praça; que freqüentava o Cine Peduti, para ver um filme romântico e discretamente roubar um beijo, na expectativa de um final feliz.

A mulher de um modo geral, independente da sua condição social, levanta cedo, prepara o café da manhã, adianta o que vai servir no almoço, acordam os filhos, não deixam sair sem escovar os dentes, consola a menina caçula, que amanheceu resfriada e deixa para o marido apenas a tarefa de levá-los à escola. Mesmo tendo uma jornada dupla de trabalho, arruma um tempinho para passar no salão de beleza, busca as crianças na escola, passa no supermercado e prepara o jantar.  E uma vez por semana, contam com uma diarista, para lavar as roupas e arrumar a bagunça que o marido e o casal de filhos deixaram a casa.

Sem discriminá-las pela sua nacionalidade, credo, cor ou ideologia. A mulher é a fonte da vida, do amor, do carinho e da ternura que transmitem através do olhar, do gesto e do sorriso. A experiência em ser mãe, é o sonho que toda mulher acalenta. Elas são guerreiras, e se engana quem pensa que é o “sexo frágil” da humanidade.  Elas têm o sexto sentido, ou seja, a percepção do que ainda está por vir ou acontecer. Está sempre atenta, com o bem estar da família, vivem sonhando com dias melhores, demonstram interesse pelos problemas do marido e se preocupam com o futuro dos filhos.

Sinceramente eu espero, que elas recebam um bonito arranjo de flores, inúmeras mensagens pelo WhatsApp, um convite para jantar a dois e um passeio no shopping com direito ao uso do cartão de crédito, sem restrições.  E no dia a dia, que os filhos não aprontem muito, no playground do condomínio, que o mundo se transforme em um gostoso bolo de chocolate, que só a mamãe sabe fazer e que a vovó, continue fazendo crochê em sua cadeira de balanço, na sacada do apartamento.  Particularmente falando, vou continuar debruçado na janela do meu coração, esperando você passar!…

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA