Fique conectado

Artigos

Oito dicas para construir uma marca de sucesso

Por DSOP Educação Financeira

Publicado em

185

Você já parou para pensar na importância da marca para um negócio? Hoje, são diversos fatores que proporcionam o crescimento de uma empresa, independentemente de sua área de atuação, como qualidade dos produtos oferecidos, atendimento adequado e preços. Porém, não se pode negar que a imagem de sua marca também é fundamental para conquistar a clientela e garantir bons resultados.

Dessa diretriz, se percebe que é fundamental estabelecer a marca, sendo essa o DNA de uma empresa, criando uma conexão com o cliente e uma relação de confiança e fidelização.

A marca vai muito além de uma imagem; é necessário que se demonstre a capacidade do negócio para atender às necessidades do consumidor, garantindo satisfação e melhor experiência de quem escolhe o empreendimento. Com isso, há a representação do conjunto de valores pensados pela gestão do negócio para dar identidade ao serviço prestado.

Como mudar?

Mesmo com todos esse benefícios, mudar uma marca não é um processo simples como muitas empresas pensam e fazem. O caminho parte de um planejamento prévio, realizando pesquisa com o público que pretende atingir, parceiros e funcionários. Tudo isso ajuda o empresário a reconhecer qual a imagem que o seu negócio transmite e verificar se condiz com o que se espera.

Para Ângelo Vieira, diretor operacional da Farmarcas, administradora de redes farmacêuticas, o cuidado deve ser minucioso. “Quando vamos realizar alguma alteração em uma de nossas marcas, nos preparamos para uma verdadeira operação de guerra, pois temos que estar atentos para que nenhuma falha ocorra nesse processo”, detalha.

A Farmarcas foi responsável pela alteração e criação de todas as marcas participantes das redes, para tanto, uma equipe foi destacada apenas para o acompanhamento dessa área. “A criação da marca é só o primeiro passo desse trabalho, temos profissionais que ficam constantemente conectados com as redes para observar se o uso da marca está se dando de maneira correta. Quando aparecem inconsistências, ações corretivas são tomadas imediatamente”, explica Ângelo.

Em relação à marca, qualquer descuido ou brecha pode ser catastrófico e a recuperação em relação a esta questão se torna muito difícil. “Sempre agimos de forma preventiva, demonstrando o valor da marca e como ela bem trabalhada resultará em lucros para os associados”, finaliza.

Veja algumas dicas na hora de construir uma marca:

  1. O desenvolvimento da marca deve partir da estratégia da empresa. Para isso, é necessário ter como base a missão, a visão e os valores da empresa, tendo também alinhamento com estratégia e posicionamento;
  2. Antes de mais nada, é preciso o comprometimento dos gestores da empresa com esse movimento de mudança, pois, sem a confiança deles, não será possível que os demais participantes da empresa “comprem” essa mudança;
  3. Não se deve esquecer projeções futuras do negócio, pois isso poderá trazer dificuldade futura para a marca, levando em conta as atividades e o público do empreendimento;
  4. O desenvolvimento da arte da marca tem que passar uma comunicação adequada. Deve-se perceber nela a mensagem que se objetiva, sendo atraente e original;
  5. A marca deve ser uma mescla de harmonia e identidade verbal e visual, isto é, a justificativa deve ir ao encontro do que está escrito, falado ou em imagem, estando bem especificado na utilização de todos os materiais;
  6. O início do uso da marca também deve ser planejado minuciosamente, não basta ter todo um trabalho e simplesmente mudar, deve-se pensar em como e onde vai iniciar a divulgação da marca, o público e o alcance;
  7. É preciso desenvolver um manual de uso de marca, no qual devem estar detalhados todos os cuidados e limites na utilização, contemplando impressos e digitais, arquitetura e decoração, fazendo com que tudo se comunique;
  8. A manutenção da marca e possíveis revisões também devem estar em foco, especificando como se dará a manutenção. A gestão da marca deve alinhar todo o universo da empresa, desde o produto até o ambiente, de forma a valorizar a imagem do negócio e garantir consistência e continuidade no uso da marca.

Artigos

Como abrir uma empresa – 8 pontos fundamentais

Por Richard Domingos.

Publicado em

Quer ter um negócio próprio? A abrir uma empresa é uma decisão de grande responsabilidade, sendo necessários diversos processos, que necessitam de atenção, principalmente, nos detalhes mais técnicos. Alguns pontos de destaque são elaboração do contrato social, a escolha do tipo de tributação da empresa, a escolha do imóvel, obtenção de alvará.

Veja alguns pontos que o diretor executivo da Confirp Contabilidade, Richard Domingos, selecionou para ser levado em conta antes de abrir uma empresa.

Planejamento do negócio – O grande problema na maioria das empresas abertas é que isso ocorre impulsivamente, e em função disso não há um plano de negócio estabelecido, público alvo e estrutura necessária, assim, antes de qualquer coisa é necessário sentar e ver o que se pretende e como se objetiva atingir.

Muitas vezes após essa primeira análise se percebe a necessidade de uma capacitação e hoje se encontra um grande número de cursos de capacitação para empreendedores, muito desses gratuitos. Também é importante pesquisar como está o mercado em que pretende atuar, para ver em qual nicho de público se encaixará.

Cálculo de custos para começar a funcionar – É preciso que se tenha em mente que para colocar uma empresa para funcionar haverá custos que vão além dos que já se conhece no dia a dia de uma empresa com infraestrutura e pessoal. Dentre esses os principais são as taxas da junta comercial e da emissão do alvará, dentre outras que variam de acordo com a localidade e o ramo de atuação.

Para facilitar esse processo existem profissionais especializado em resolver a burocracia, para se ter ideia, a Confirp tem uma área que apenas se responsabiliza por isso, tirando do cliente qualquer ‘dor de cabeça’ relacionada ao tema.

Elaboração do contrato social – Para toda empresa funcionar é imprescindível que se elabora um contrato social, é nesse documento que estão relacionados os pontos práticos do funcionamento da empresa. Pontos primordiais que devem englobar são informações como nome, endereço e atividade, capital social (valor ou bens investidos), qual a relação entre os sócios e como se dá a divisão dos lucros.

Importante frisar que quaisquer alterações contratuais, faz com que se tenha que refazer as inscrições federal, estadual e municipal e as licenças. As sociedades limitadas só podem alteradas se 75% do capital estiver de acordo. Geralmente o registro de um contrato social pode ser agilizado procurando o sindicato da categoria da empresa, sendo que o mesmo pode possuir um posto avançado da junta comercial. Com isso, todo esse processo pode ser finalizado em até 24 horas.

Opção pelo regime tributário que a empresa seguirá – Hoje três são basicamente três os regimes de tributação existentes, Simples, Presumido ou Real. A opção pelo tipo de tributação que a empresa utilizará deve ser feita até o início do próximo ano, mas, as análises devem ser realizadas com antecedência para que se tenha certeza da opção, diminuindo as chances de erros.

Outro ponto é que cada caso deve ser analisado individualmente, evidenciando que não existe um modelo exato para a realização de um planejamento. Apesar de muitos pensarem que melhor tipo de tributação é o Simples, existem até mesmo casos que esse tipo de tributação não é o mais interessante, mesmo que a companhia se enquadre em todas as especificações.

Definição da estrutura física – Além de definir o local onde será o empreendimento é necessário também que se adquira toda uma estrutura para o funcionamento da empresa, e isso dependerá de cada ramo de atuação, podendo ir desde maquinário até material de escritório.

Sobre o local em que será é importante que se observe também se esse se adéqua ao público que pretende atingir e, principalmente, diretrizes estabelecidas pelo município referente ao local.

Obtenção de registros e licenças – hoje a burocracia é tanta para empresas que grande maioria não possuem todos os registros e licenças necessários para o funcionamento, no que se configura em um risco jurídicos para essas, dentre os registro necessários estão o habite-se do imóvel (autorização da prefeitura para que ele possa ser habitado) e as regras de ocupação de solo (cada cidade define regras específicas em leis de zoneamento), alvará de funcionamento, pagamento de taxas de funcionamento, dentre outras licenças necessárias dependendo da atividade da empresa.

Veja todos os documentos necessários e em quais órgão buscar:

  • Junta Comercial: registros dos atos sociais (contrato social, atas de reuniões, deliberações etc.).
  • Receita Federal: para obtenção de registro do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica).
  • Prefeitura: para obtenção do Alvará de Funcionamento e nota fiscal, caso a empresa seja contribuinte do ISS (Imposto Sobre Serviços).
  • Secretaria Estadual da Fazenda: para obtenção de inscrição Estadual.

Contratação de uma contabilidade – Toda empresa necessita de uma contabilidade par funcionar. Essa que será responsável por estar gerando as informações imprescindíveis para a empresa esteja em dia com os órgãos públicos.

Também são responsáveis pelo cálculo de impostos e tributos que a empresa deverá pagar, bem como análise da situação contábil da empresa e geração de informações imprescindíveis para a gestão empresarial

Processo de contratação de profissionais – Sua empresa terá necessidade de funcionários? Se sim é necessário abrir processos seletivos para contratação, hoje esse ponto é um dos mais problemáticos para as empresas em função de um crescente apagão de mão de obra que passa o país. Após a contratação é necessário elaborar o contrato de trabalho, definir salários benefícios ver qual o melhor regime de trabalho e regularizar o mesmo junto ao INSS.

Continue lendo

Artigos

O tal do buraco negro..

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

Finalmente foi confirmado através de fotos, um buraco negro denominado de M87, no aglomerado de galáxias de Virgem. O M87 acomoda o buraco negro mais sólido existente, com uma massa em torno de 6,5 bilhões, maior que a massa solar. Seu tamanho é semelhante do nosso sistema solar, distante 50 milhões de ano luz do planeta Terra.

A aparência é de um círculo brilhante, emoldurando o buraco negro. Que atrai e suga tudo o que passa próximo dele, como se fosse um aspirador gigante. As matérias sugadas podem ser desde uma estrela, um cometa, um asteróide até um planeta, que desaparecem como mágica do universo. Internamente, giram a uma velocidade próxima da luz. Tecnicamente não é possível vê-los, apenas a sua sombra, numa espécie de ilusão óptica.

Os buracos negros têm sua origem, a partir da explosão de estrelas enfraquecidas, quando deixam de existir. Tudo que é sugado acabam torrificados e retorcidos, transformando-se em gás, em função do calor intenso. A questão é saber em que estado às matérias se encontram, e se ficam girando num movimento espiral. Uma das teorias é que as partículas se encontrem em estado de chamas.

Considerando que o buraco negro, se assemelha a um vulcão em erupção, lançando na natureza gases, cinzas e lavas, que em contato com a superfície da terra, devastam tudo o que encontram pela frente. Deveria ter uma placa de alerta nas imediações, como tem na região de vulcões, dizendo: Aviso aos navegantes! Buraco negro a 50 metros!

Brincadeiras a parte, seria interessante que existisse um buraco negro no céu de cada país, para sugar todo ser desprezível existente no solo terrestre. Tudo aquilo que achincalha, contamina, prejudica, enxovalha, corrói, empobrece, desonra, obstrui, deprecia e deteriora a moral e os bons costumes, que permeiam a humanidade, através das gerações.

Neste caso, fico imaginando a quantidade de mal feitores, entre eles pessoas desonestas, preconceituosas, perniciosas, ardilosas, perversas, maliciosas, pervertidas, indecorosas e mal intencionadas de um modo geral, sendo sugadas pelo buraco negro. Meu receio, é que diante de tanto lixo terrestre, que corrói a boa índole, o buraco negro acabe transbordando e devolvendo todo esse lixo terrestre em forma de chuva radioativa.

Resta a expectativa que dentro de desse buraco negro, exista um triturador capaz de reduzir a migalhas, todo este entulho de escarros que desonram a raça humana. E quem sabe, num futuro não muito distante, sejam reciclados e reutilizados na formação de novos e melhores seres humanos, em todos os sentidos.

Os cientistas, não descartam a possibilidade de que os buracos negros podem, em tese, engolirem um planeta como a Terra. Seria prudente ficarmos de quarentena, olhando para o céu, para não sermos sugados de surpresa por este ciclone misterioso. Você esta preparado? O físico alemão Albert Einstein que desenvolveu a Teoria da Relatividade Geral, com certeza não só estaria preparado, como diria: Eu estava no caminho certo!…

Continue lendo

Artigos

Maio é mês das noivas – Veja orientações para economizar no casamento

Por Reinaldo Domingos.

Publicado em

Maio é considerado o mês das noivas e de acordo com o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, para quem sonha em casar é muito importante ter orientações de educação financeira.

“Quando falamos de casamento, falamos de sonhos. São muitos os detalhes e os desejos dos noivos para que este dia seja perfeito, não à toa há uma imensa variação de preços de produtos e serviços. Por isso, as palavras de ordem são planejamento e orçamento, evitando começar a vida a dois com preocupações e até mesmo brigas por causa de dinheiro”, orienta Domingos.

Para o presidente da Abefin, o diálogo também é imprescindível para que os noivos conheçam as expectativas um do outro e estabeleçam as suas prioridades, frente as diversas opções disponíveis para cerimônia, celebração e lua-de-mel.

Confira 6 orientações para poupar para o casamento:

1- Façam pesquisas

Tendo estabelecidas as prioridades, é preciso fazer diversas pesquisas, já que os preços variam muito – seja de acordo com a data, localização da cerimônia e da recepção, etc. Peça indicações de conhecidos que casaram recentemente e pesquise a idoneidade das empresas, para evitar sofrer golpes e/ou pagar muito caro;

2- Planejem e orcem

Listem todas as despesas em um orçamento total e definam o quanto precisam guardar mensalmente para se casarem na data desejada. Caso o valor fique muito alto, pode ser necessário fazer cortes ou adiar. O ideal é que não contraiam dívidas e acabem tendo um complicado início da vida a dois do ponto de vista financeiro;

3- Reduzam gastos

Para poupar para o casamento, façam individualmente um diagnóstico financeiro anotando todas as despesas durante 30 dias, separado por categoria. Eliminem os gastos supérfluos, comprem com consciência e peçam descontos. Quando o sonho vem primeiro, o consumo desenfreado perde a força;

4- Busquem renda extra

Caso deseje levantar uma renda extra, o casal pode usar suas habilidades ou hobbies, como cozinhar, fotografar ou traduzir. Se preferirem seguir em sua área de atuação, os noivos podem oferecer serviços de consultoria, aulas ou freelances, por exemplo – sempre destinando os valores obtidos para a poupança do casamento;

5- Façam um orçamento diferente

A forma como a grande maioria das pessoas faz o orçamento mensal, Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo, não encoraja a poupança para os sonhos. O ideal é priorizar o casamento e os demais objetivos do casal, fazendo Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos, e readequar o padrão de vida para que, após colocar os gastos, o resultado final dessa conta seja positivo ou zero, nunca negativo;

6- Invistam adequadamente

O melhor investimento para o casamento é o mais adequado ao prazo em que se deseja realizar. Se for no curto prazo (em até um ano), o dinheiro pode ser aplicado em caderneta de poupança, pois ela é isenta de impostos. Se for no médio prazo (18 meses ou mais), CDBs e fundos de investimentos de baixo risco são os mais indicados.

Fonte: DSOP Educação Financeira

O Autor

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor do livro Mesada não é só dinheiro (Editora DSOP), além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.

Continue lendo

Mais lidas