Fique conectado

Artigos

Olá Robô! Tudo Bem?…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

379

Tudo o que se tem falado sobre os robôs, com relação ao que já fazem ou virá a fazer no futuro, não é nenhuma utopia. Com o avanço das pesquisas, realizadas e desenvolvidas pela tecnologia robótica, cada vez mais, uma quantidade de atividades, serão incorporadas a esta máquina robotizada.

O que vai mudar na vida das pessoas? Só o tempo poderá dizer. Vamos ter que nos adaptar ao convívio diário com o robô no trabalho, no trânsito, no restaurante, no supermercado, no shopping center e em tantos outros segmentos da sociedade. A sua presença no nosso dia a dia, será inevitável. Queira ou não queira, não temos como fugir desta realidade.

Os robôs são programados para executarem movimentos rápidos, padronizados e eficazes em uma linha de produção industrial. O trabalho executado até então pelo ser humano, sem dúvidas, sofrerá um impacto muito grande. A robotização também irá assumir outras funções. Vejamos algumas tarefas que os robôs desenvolverão no dia a dia…

01 – Fazer pequenos reparos domésticos.

02 – Anotar pedidos de clientes em uma pizzaria.

03 – Preparar as principais refeições.

04 – Servir as pessoas em uma cafeteria, lanchonete e sorveteria.

05 – Varrer o quintal e a calçada em frente da casa.

06 – Colocar o saco de lixo na lixeira, para ser retirado pelo lixeiro.

07 – Levar o cachorro para passear.

08 – Organizar e controlar o estoque das empresas.

09 – Fazer a faxina pesada da casa.

10 – Orientar o trânsito caótico nos horários de pico.

11 – Repor e organizar os produtos nas prateleiras dos supermercados.

12 – Ajudar os estudantes nas tarefas escolares.

Você deve ter achado graça nesta relação de tarefas. E ficado visualizando essas cenas de forma descrente e preocupado. Imaginando que vamos ser substituídos pelos robôs no trabalho que executamos no escritório, no comércio, no banco, na fábrica e nas tarefas domésticas. Calma! Isto não vai acontecer. Não entre em pânico, o robô vai apenas agregar e não substituir as pessoas. A nossa geração, é que talvez não vá presenciar tudo isso. Afinal, para chegar à era dos “Os Jetsons”, vai demorar um pouco ainda.

Não é possível programar um robô para agir exatamente como um humanóide. Apenas o ser humano tem sentimentos e consegue situar-se no lugar do outro, para sentir e compreender as suas necessidades, compartilhando idéias e conseqüentemente uma cooperação mútua. O robô, não tem senso crítico e vai apenas executar com precisão uma série de tarefas. Não tem capacidade de avaliar e por em prática, se for preciso, as mudanças necessárias. Não vai tomar iniciativas em fazer algo inovador, pelo qual não foi programado.

O robô, não sabe como agir diante de um obstáculo. Não tem capacidade de liderança, não são criativos e não conseguem visualizar o futuro. Não são inovadores a ponto de assumirem riscos em novas empreitadas. Não são visionários, com habilidade e competência de criarem caminhos alternativos. Não são emotivos, não tem sensibilidade e não sabem se expressar e dialogar sobre qualquer que seja o assunto. Não vai se arriscar a fazer algo diferente.

A arte de criar, questionar e alterar a rotina na tentativa de mudar alguma coisa, tornando a tarefa mais produtiva e funcional, é uma habilidade exclusiva do ser humano.  Por mais que sejam eficazes, dinâmicos, práticos, perfeitos e produtivos as tarefas delegadas, não passam de uma máquina. Idealizada e controlada pelos seres humanos, no sentido de apenas ajudá-los na rotina diária.

O mundo não vai ser invadido pelos robôs, como aconteceu no filme “Planeta dos Macacos”, (Planet Of The Apes) onde o ser humano se tornou uma raça inferior e submissa aos macacos. Por isso, podem dormir sossegados. Ao amanhecer, não se esqueçam apenas de dizer: Good Morning, Robô!…

Artigos

Você é falsamente feliz?

Por Leonardo Torres.

Publicado em

Leonardo Torres, 29 anos, Pesquisador, Professor, Doutorando em Comunicação e Cultura e Pós-graduando em Psicologia Junguiana
Leonardo Torres, 29 anos, Pesquisador, Professor, Doutorando em Comunicação e Cultura e Pós-graduando em Psicologia Junguiana

As redes sociais digitais são cheias de mensagens positivas, fotos felizes, em lugares lindos, radiantes. Ostentação é uma palavra que é muito praticada diariamente. É foto com produtos, no espelho, nos restaurantes, bares, etc.. Grande parte dos coaches nos ajudam a ter maior autoestima e a traçar o nosso planejamento da carreira. E a beleza? Maquiagens para um lado, “corpo perfeito” para outro. Dicas, dicas e mais dicas. Como você deve fazer para isso e aquilo. No fim, é o que você deve fazer para não ser você e ser aquela imagem “photoshopada” da rede. Ainda tem aquele comediante que faz todos rirem.

Realmente, as redes sociais digitais tem muitas pessoas com vidas interessantíssimas. Se alienígenas nos observassem pelas redes sociais, com certeza eles concluiriam que a humanidade é muito feliz. Essa felicidade é falsa, na verdade. A única coisa que as redes sociais geram é inveja e infelicidade. Quanto mais alguém vê a vida falsamente perfeita de outros, mais esse ele questiona o porquê sua vida não é assim. Essa infelicidade leva para a ansiedade e depressão. Tudo isso é um grande teatro.

Parece que estamos com medo de mostrar que somos imperfeitos, que choramos, que somos mortais, que sofremos e, por vezes, a vida é um belo de um problema. À medida que escondemos nosso sofrimento, fingimos que eles não existem. O fato é que eles crescem e incomodam cada vez mais, até que você os perceba. Fingir que você não está sofrendo é sofrer duas vezes: sofre por fingir, e ainda sofre por não se permitir sofrer.

Sofrer faz parte da vida e não devemos negar tal emoção e sentimento. Vale, no entanto, parar de passar uma falsa felicidade quando não estamos bem. E, talvez, até nos recolher, para dentro, para as redes internas, para dar ouvidos à alma.

Leonardo Torres, 29 anos, Pesquisador, Professor, Doutorando em Comunicação e Cultura e Pós-graduando em Psicologia Junguiana

Continue lendo

Artigos

Reforma da Previdência: 5 motivos para poupar de forma independente

Por Reinaldo Domingos.

Publicado em

Na noite desta quarta-feira (10), foi aprovado em primeiro turno o texto-base da proposta de emenda à Constituição (PEC) de reforma da Previdência, que altera as regras de aposentadoria.

A votação ainda deve ser concluída e os debates devem continuar nos próximos dias ou até meses, porém, independente da aprovação, é fundamental que o brasileiro poupe para garantir uma aposentadoria tranquila.

Veja abaixo 5 motivos para poupar segundo Reinaldo Domingos, do canal Dinheiro à Vista:

1- O salário do INSS é muito importante para os brasileiros e um direito do trabalhador. Entretanto, o valor não é suficiente para manter o padrão e a qualidade de vida. Em consequência, 21% dos idosos que já se aposentaram continuam trabalhando para complementar a renda, segundo pesquisa do SPC Brasil e da CNDL.

2- Será que para viver dignamente você precisará da ajuda de parentes ou de outras pessoas? Infelizmente, isso acontece com milhões de brasileiros. É importante ter consciência que mesmo tendo trabalhado a vida toda com carteira assinada, contribuindo para o INSS, a quantia recebida dificilmente será suficiente.

3- Ao que tudo indica, os trabalhadores se aposentarão cada vez mais tarde, por conta do crescimento da expectativa de vida do brasileiro. Para deixar de trabalhar no momento que quiser – ou passar a trabalhar apenas por prazer – é preciso poupar parte da renda durante o período produtivo.

4- Quanto antes começar a pensar em seu futuro, poderá poupar quantias menores e se beneficiar dos rendimentos ao longo dos anos. Há diversos investimentos adequados para a aposentadoria, como Previdência Privada e Tesouro Direto. Vale a pena conhecer um pouco mais a respeito.

5- Poucas pessoas têm o hábito de pensar no longo prazo (acima de dez anos), com receio de que o objetivo não seja atingido. Mas é possível conquistar a renda que garanta o padrão de vida desejado. Há uma planilha automatizada que indica o quanto se deve poupar mensalmente para conseguir, baixe gratuitamente aqui: www.dsop.com.br/downloads-arquivos/ (Cálculo de Aplicação para Independência Financeira).

O Autor

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD em educação financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira e autor do best-seller Terapia Financeira, do lançamento Empreender Vitorioso e da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil.

Continue lendo

Artigos

Programa de índio…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

O jovem casal, Sônia e Felipe vivem viajando. Basta surgir uma oportunidade, lá estão eles pegando a estrada rumo a algum lugar, onde possam desfrutar da natureza e se divertirem conhecendo novos lugares. Ávidos por uma aventura resolveram conhecer uma cidadezinha do interior, que outrora, fora terra de indígenas.

Tudo programado saíram num sábado à tarde. Depois de andarem por algumas horas, avistaram uma placa indicando a cidade. Típica do interior, apenas uma rua principal, onde se concentravam um mercadinho, um bazar, uma padaria, uma sorveteria, uma pensãozinha e uma bela praça arborizada com uma igreja dedicada a São José.

Instalados na pensão de Dona Anna, procuraram obter junto a ela, todas as informações sobre a tal trilha que os levaria ao local onde existiu, uma extinta tribo indígena. Depois de uma conversa agradável e de um cafezinho com bolinhos de chuva, foram descansar. Cansados pegaram no sono e acordaram no dia seguinte, com um galo cantando às seis horas da manhã.

O cheirinho do café se encarregou de levá-los até a cozinha. Uma mesa com um café da manhã repleto de delicias. Entre as iguarias; pão caseiro, pãozinho doce, jarra de leite com nata por cima, bule com café torrado em casa, manteiga artesanal em lata, ricota caseira fresquinha e diversas canecas esmaltadas coloridas.

Abastecidos, saíram em busca da tal trilha ecológica e logo avistaram uma placa indicando o inicio da trilha. Estacionado o carro, iniciaram a caminhada e não demorou muito para avistarem uma cachoeira, com um belo e convidativo lago para um mergulho. Como a água estava fria, resolveram apenas ficar andando descalços na areia branca.

Arrebatado por um vento, o boné de Felipe caiu no lago e levado pelas ondas. Aflito exclamou: Querida, perdi meu boné! Sônia não resistiu e soltou uma risada. Neste momento, ao ver do outro lado do lago um garoto gritou: Hei menino, pega este boné para mim! O guri se atirou na água, agarrou o boné e veio em sua direção. Quando chegou perto, constatou que se tratava de uma indiazinha. Obrigada curumim, exclamou! Fico lhe devendo um sorvete!

Satisfeitos pela aventura, resolveram deixar o local, mesmo porque, havia indícios que ainda existiam índios morando naquela região. À tardezinha passeando pela praça, avistaram uma feira de artesanato indígena, com suas artes em cestarias, cerâmicas, adornos e artes plumárias. Sônia se sentiu em um Shopping Center.

Ao passarem por uma banca, Felipe reconheceu a garota que tinha salvado seu boné e se lembrou da promessa. Deixando Sônia escolhendo seus colares, pulseiras e anéis, correu até a sorveteria e voltou com um copo de casquinha, com varias bolas de sorvete. Veja garota! O sorvete que lhe prometi!

No dia seguinte de volta a estrada, Sônia desabafou: Depois de terem cedido o Brasil para nós, “caras-pálidas”, os índios deveriam ser mais respeitados. Refletindo sobre o que acabara de ouvir Felipe exclamou: Que Tupã, Jaci e Guaraci os protejam…

Continue lendo

Mais lidas