Fique conectado

Artigos

Ricardo Boechat…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

218

Ricardo Boechat...

E numa manhã ensolarada, no auge de sua carreira jornalística, Ricardo Eugênio Boechat foi embora de forma trágica e triste. Um jornalista nato, dono de um estilo inconfundível, capaz de arrematar uma legião de seguidores, seja no jornal, na revista, no rádio ou na televisão. Vai ser difícil definir com palavras quem era Ricardo Boechat, que fornecia no ar o número do seu celular, para se interagir com os ouvintes.

Ninguém poderá substituí-lo, pois ele era único, capaz de levar o telespectador a refletir através de seus comentários, o que estava realmente acontecendo no país. Sagaz e de forma sutil, sabia acertar o alvo pretendido com precisão. Carismático e irreverente tinha a liberdade de fazer críticas a quem merecesse ser criticado. Não fazia conchavos em beneficio desta ou daquela pessoa, para poupá-la de uma crítica.

Ao contrário de tantos apresentadores engessados de telejornais, que se limita a ler as notícias e em seguida dizer: Boa Noite! O jornalista Ricardo Boechat tinha o dom da palavra. Sabia falar sério, fazer piadas e fazer brincadeiras, sem ser uma pessoa caricata, incoerente e vulgar. Sabia impor-se com maestria, sendo um modelo de jornalista a ser imitado.

O seu lado humorístico se destacava principalmente nos microfones da BandNews FM, como âncora do noticiário matinal, ao dialogar-se com o jornalista José Simão. Diante de frases prontas, ele mencionava: Buemba! Buemba! E dizia com ênfase: Breaking News!  Deste jargão, podia se esperar que viesse de tudo, a ponto de ninguém conseguir segurar os risos. Era uma parceria impecável, um cruzava a bola e o outro fazia o gol do humor.

Atento a tudo que acontecia nos bastidores dos noticiários, sempre enviava comentários criticando ou elogiando seus colegas de redação. Sempre de forma humorada com frases, desenhos e charges. Ninguém escapava de suas canetinhas e de seu olhar clínico. Também sabia fazer brincadeiras consigo mesmo, espalhando as pérolas pelas redes sociais.

Como no caso em que supostamente falou com sua mãe pelo celular perguntando se ela tinha recebido dinheiro das empreiteiras. Do improviso de um guarda-chuva com um plástico, revestindo sua cabeça. Andando descontraído de terno e gravata com chinelos nos pés, pelos corredores da redação. Da touca de lã que vestiu em um dia de frio para esquentar sua careca. Na praia, recolhendo o lixo deixado pelos banhistas exibindo seu corpinho escultural.

No improviso com um clipe, concertando a haste dos óculos, diante de um incidente. Com um sutiã por debaixo da camisa, em um posto de vacinação, mencionava a importância de se proteger, mesmo diante de uma picada de agulha. Com seu amigo Boris Casoy, fazendo gestos de metaleiro, ao estilo tiozinho. Sem falar naquele dia em que apresentou o telejornal de peruca, com a finalidade de insinuar que calvície tinha cura.

Costumava deixar seus convidados sem ação, diante de suas perguntas pertinentes, diretas e objetivas. Muitas vezes na apresentação do telejornal, deixava seus colegas de bancada, muitas vezes sem ação diante de suas tiradas de humor. Quando fazia um determinado comentário em cima de uma notícia séria, ao final virava-se para o lado e chamava pelo nome quem estivesse com ele na bancada.

Jornalista competente sabia o que estava dizendo e se expunha sem medo.  Não tinha papas na língua, ou seja, falava sem rodeios, dizendo tudo que sabia de forma coerente e honesta. Nestas quatro décadas de jornalismo, passou pelo Jornal do Brasil, O Estado de São Paulo, O Dia e atualmente pela revista Isto É. Foi repórter no Diário de Notícias para o colunista social Ibrahim Sued, foi colunista no Jornal O Globo, assinando a coluna Do Swann, foi âncora no noticiário matinal da BandNews FM e também âncora do Jornal da Band.

Se Ricardo Boechat pudesse dizer uma frase derradeira, com certeza diria a sua esposa Veruska: Querida! Desculpa-me, não vou poder almoçar com você hoje…

Artigos

Tempo quaresmal…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

Estamos vivendo o tempo quaresmal, que começou na quarta-feira de cinzas e vai até a quinta-feira santa. A cor predominante nestes quarenta dias, segundo a igreja católica é a cor roxa. Este é um tempo propício ao jejum, conversão, oração, caridade, penitência, perdão, partilha, reconciliação e esmola.

Vovó Luzia, diante de sua experiência de vida, fazia questão de seguir a risca todos os preceitos religiosos que a época da quaresma prescrevia. Segundo ela, neste período Jesus, jejuou por quarenta dias e noites no deserto da Judéia. E que durante este tempo, o anjo do mau (diabo) apareceu para tentá-lo várias vezes.

Recordo-me que nesta época, ela ia toda quarta e sexta-feira à noite na igreja para participar da via sacra. Com seu véu preto e seu livrinho de orações, ela perguntava para os netos se queriam acompanhá-la. Eu e minha prima, não pensávamos duas vezes e com segundas intenções, respondíamos: Queremos sim!…

Na igreja, durante a cerimônia religiosa, até que tentávamos nós comportar seguindo a pequena procissão de que ia da primeira até a décima quarta estação. Mas era inevitável, que uma ou outra brincadeira acontecesse. Como apagar a vela da pessoa do lado, dizendo que foi o vento. Atenta, vovó olhava séria e pedia silêncio.

Terminada a cerimônia, íamos para a pracinha ao lado da igreja, para passearmos e saborearmos, das deliciosas pipocas e sorvetes que a vovó comprava. Que saudades deste tempo! As pessoas adultas consideram o tempo quaresmal, como um momento propício para reflexão, ponderação, prudência, recolhimento, meditação, sensatez e circunspeção espiritual. Para mim e minha prima, apenas um momento de recreação.

As quartas e sextas-feiras, era evitado todo tipo de carne na alimentação. Na sexta-feira santa, era servido no café da manhã, apenas um cafezinho com uma fatia de pão sem manteiga, pois o leite também não podia. Era jejum absoluto até á hora do almoço, onde o prato principal seria peixe. Como éramos crianças, sempre dávamos um jeito de burlar as regras dos nossos pais, que acabavam fazendo vista grossa, mas com aquele olhar de reprovação.

O tempo passou, já não temos mais a vovó com sua sabedoria e paciência. Não sei se ainda fazem via sacra nas igrejas e nem se os netos acompanham as vovós. Hoje casados, cada um segue sua própria crença, da forma que acha mais conveniente. Quanto aos filhos, nem sempre tem a avó por perto, como antigamente. Sem falar que atualmente, a distração das crianças é o telefone celular, o tablet, o vídeogame e outros aparatos digitais.

Tantos ensinamentos que foram passados de geração em geração e que agora não se repassa mais para os filhos, talvez por achar desnecessário e sem nenhum valor didático. O que está acontecendo com os seres humanos?

Continue lendo

Artigos

Páscoa, aproveite com educação financeira!

Por Reinaldo Domingos.

Publicado em

Páscoa, aproveite com educação financeira!

O feriado de Páscoa já está chegando e a expectativa é muito positiva para o varejo, que já projeta alta nas vendas. Para a população em geral é uma data para presentear as crianças, familiares e amigos. Não vejo problema nenhum em comemorar a data e não quero e nem vou ser um estraga festa, pois, acredito ser importante essas comemorações, contudo, é primordial que se tenha educação financeira nesse momento.

Antes de sair gastando em ovos de chocolate e brinquedos, é importante saber se poderá arcar com mais este gasto. Aliás, nos últimos anos o preço do chocolate vem subindo muito acima da inflação o que traz uma grande preocupação. Por isso eu gostaria de perguntar para os leitores, você já comprou os ovos de Páscoa das crianças, amigos e parentes?

Caso sim, espero que tenha feito uma boa compra e que não tenha se endividado, é muito comum famílias investirem mais de mil reais em ovos de páscoa e utilizarem o limite do cheque especial ou parcelar no cartão de credito, é preciso ter muita cautela e respeitar o dinheiro que se tem.

Caso ainda não tenha comprado, segue algumas orientações:

  1. Procure saber quantas pessoas pretende presentear, faça uma lista e defina o tamanho dos ovos e a marca. Busque colocar na lista apenas quem tem real significado para você, evitando compras desnecessárias;
  2. Defina quanto de dinheiro tem destinado para esta compra e se este dinheiro não vai faltar nos meses seguintes;
  3. Caso não tenha dinheiro e queira parcelar, pense antes se vale a pena se endividar por causa de uma data comemorativa, se sim busque que os valores caibam no orçamento mensal e saiba que parcelas devem ser considerados nas contas dos próximos meses;
  4. Não se endivide no cheque especial e cartão de credito, pois, se não conseguir pagar, os juros serão extorsivos, ocasionado um efeito ‘bola de neve’ de endividamento;
  5. Pesquise antes de comprar, comece com internet, panfletos e publicidades, depois procure em pelo menos três lugares, também procure saber sobre vendas de ovos caseiros;
  6. A criança precisa estar consciente que não é o tamanho do ovo que é o importante e sim o que ele representa, lembre-se, o importante é o amor que tem pela criança. Vejo muitas crianças que tratam essa data como ostentação, querendo falar que ganhou mais que o amigo, isso é correto?
  7. Por mais que seja pressionado à comprar ovos com brinquedos, que são mais caros, se não tiver condições financeiras é importante conversar com as crianças que o presente é o próprio ovo de chocolate, sendo esses brinquedos reservados para outras datas;
  8. Converse com os parentes, avós, tios, madrinhas, irmãos; é importante que evitem o excesso de ovos, além de fazer mal, contribuirá para o desperdício, neste caso o melhor é comprar ovos simbólicos, tudo que é de mais faz mal;
  9. Viajar no feriado prolongado de Páscoasomente se tiver o dinheiro, caso contrário, ficar em casa e curtir a família é uma ótima opção, evitará transito e gastos que poderá levar ao desequilíbrio financeiro;
  10. Pensar em uma ceia especial de Páscoa não significa em gastar demais, é possível um almoço especial, saboroso e barato. Um exemplo é se o bacalhau está caro é só trocar por um peixe mais barato.

O Autor

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), autor do livro Mesada não é só dinheiro (Editora DSOP), além da coleção didática de educação financeira para o Ensino Básico, adotada em diversas escolas do país.

Continue lendo

Artigos

O túnel do tempo…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

O túnel do tempo...

Retornando no tempo, vamos recordar e reviver com saudades, aqueles tempos em que vivíamos com tranqüilidade o nosso dia a dia.

Época, em que o leiteiro deixava o litro de leite, que trazia em sua embalagem o desenho da vaquinha, em uma caixinha de madeira na porta da casa. E o padeiro, deixava o pão no mesmo local. Ninguém mexia e nem tão pouco alguém se atrevia a roubar. Hoje, somos roubados na rua, no portão de casa e até dentro da própria casa.

Época, em que brincávamos na calçada, subindo e descendo com o carrinho de rolimã. Empinávamos pipa, nos terrenos vazios do bairro. Jogávamos futebol no campinho improvisado, disputando quem sairia vencedor da pelada. Hoje, brincar na calçada é um perigo em todos os sentidos, considerando os buracos, as saliências, as pedras soltas e as lixeiras de lixo espalhadas ao longo das calçadas.

Época, em que ficávamos responsáveis pela lata de óleo vazia (18 litros) que servia para colocar o lixo caseiro e ser recolhida pelo lixeiro. Com um caminhão de carroceria, um lixeiro ia recolhendo as latas e atirando-as para o outro, que ficava dentro do caminhão. Despejado o lixo, era um corre-corre para resgatar a lata, que era deixada até três casas abaixo da sua. Hoje, com o lixo embalado em sacos plásticos, os cachorros fazem a festa deixando a calçada imunda, enquanto o lixeiro não passa.

Época, em que éramos escalados para cercar o padeiro, que passava no período da tarde, para comprarmos pão doce para o lanche da tarde. E do bucheiro, para comprarmos fígado de boi para ser feito no jantar. Para identificá-los, era preciso ficar atenta a sua buzina, que de longe era possível escutá-la. Hoje, não temos mais leiteiro, padeiro e nem tão pouco bucheiros circulando pelas ruas do bairro. Os supermercados se encarregaram de exterminá-los. Afinal eles vendem de tudo.

Época, em que freqüentávamos a escola de visual impecável, com a tarefa feita e a lição na ponta da língua. Os professores eram respeitados, pois sabíamos que eles representavam nossos pais no tocante à educação e no aprendizado. Hoje, com a calça rasgada no joelho, de boné e com o celular na mão, os alunos freqüentam a escola mais para namorar do que para estudar. O resultado são notas baixas, aluno batendo em professores e genéricos de terroristas, planejando e executando atentado às escolas.

Época, em que as famílias se reuniam na sala para assistirem televisão e juntas acompanharem as novelas, os noticiários, os programas humorísticos e o futebol.  A televisão era um momento de diversão coletiva. Hoje, as novelas são carregadas de erotismo, maus exemplos e perversidades. Os noticiários só sabem falar dos políticos e noticiarem tragédias. Os programas humorísticos, em função do politicamente correto, perderam a graça. O campo de futebol virou um palco de gladiadores.

Época, em que os pais levavam seus filhos todos os domingos na igreja, para participarem da missa das crianças. Era tradição sermos batizados, crismados e preparados para fazermos a primeira comunhão. Hoje, acredito que a apenas o batizado sobreviveu aos preceitos religiosos. Atualmente vai-se à igreja apenas para participar de cerimônias de casamento e missa de sétimo dia.

Época, da paquera e do namoro na praça da matriz, do pipoqueiro nas esquinas e do passeio de mãos dadas com a namorada, em torno da fonte luminosa com seus jatos d’água colorido. Hoje, não temos mais o pipoqueiro, a fonte luminosa foi desativada e a praça acabou abandonada e destruía pelos vândalos.

Vivemos em meio a uma guerra não declarada oficialmente. O mundo mudou, as pessoas mudaram, as tradições mudaram. Éramos felizes e não sabíamos!…

Continue lendo

Mais lidas