La belle Catherine…

Tarde de sábado, andando pelos corredores do shopping, Thiago resolveu sentar-se em um banco. Do seu lado, sentou-se uma jovem muito bonita, saboreando um sorvete de pistache. Não resistindo à exuberante beleza feminina, que envolviam e hipnotizavam seus olhos, não se conteve, e olhando a novamente, perguntou: Oi! Tudo bem?

Para sua surpresa, com um belo sorriso no rosto e um atraente sotaque francês respondeu: Ça va, et toi? (Tudo bem, e você?) Diante de tal reação, mesmo não entendendo fluentemente francês, não se conteve e respondeu: Ça va! (Tudo bem!). Continuando o diálogo indagou: Qual o seu nome? Je m’appelle Catherine! (Meu nome é Catherine!) Você fala francês?…

Sorrindo ela respondeu: Je suis française (Eu sou francesa) e estou no Brasil fazendo um estágio pela Aliança Francesa (Fondation Alliance Française), na Embaixada Francesa no Brasil. Thiago, admirado não só com sua beleza, mas também pela oportunidade de redescobrir-se no amor, sentiu algo diferente por aquela francesinha.

Conversa vai, conversa vem, surgiu de forma inesperada o assunto sobre jogo de boliche. Catherine confidenciou que não sabia jogar, mas tinha vontade de aprender. Thiago respondeu que também não sabia, mas tinha curiosidade de saber como eram suas regras. No segundo andar do shopping tem um Clube de Boliche! Catherine não pensou duas vezes: Jouons au bowling? (Vamos jogar boliche?)

Como se fossem um casal de jovens enamorados, lá foram eles. Na recepção, receberam toda informação necessária a respeito do jogo. Só que para quem nunca jogou boliche, apenas a teoria não foi suficiente. Pegar na bola com os dedos polegar, médio e anelar em seus três furos foi uma dificuldade. Atirar a bola em direção dos pinos uma aventura. Fazer um strike então uma missão impossível.

De certo mesmo, apenas a descontração, as risadas e as brincadeiras durante todo tempo em que jogaram. Saindo do boliche, Thiago a convidou para tomar um café, em uma Bombonière que tinha na praça de alimentação. Trocando olhares apaixonados e com medo de nunca mais se encontrarem e não ficarem juntos ao final do estágio, Catherine perguntou: Tu ne veux pas voyager avec moi? (Você não quer viajar comigo?) Num francês abrasileirado, Thiago respondeu: Conhecer Paris, o Arco do Triunfo, o Rio Sena e a Torre Eiffel com você?… Paris! C’est parti! (Paris! Aí vamos nós!)

Assim, uma paquera “à la française”, que teve início de forma despretensiosa, tendo apenas como testemunha um delicioso sorvete, um inesquecível jogo de boliche e um adorável café, provavelmente se transformará em um poético romance. Com a possibilidade de um pedido de casamento no alto da Torre Eiffel, saboreando desta vez a dois, um gostoso sorvete de pistache…

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.