Fique conectado

Artigos

A virtude está no meio e não nos extremos

Por Caio Augusto Silva dos Santos.

Publicado em

485

Caio Augusto Silva dos Santos
Caio Augusto Silva dos Santos

Enuncia o artigo 225 da Constituição Federal que “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”.

Do quanto acima enunciado, vê-se para logo que a obrigação de preservação do meio ambiente é ampla, geral e irrestrita, ou seja, é compromisso atribuído pela Constituição Federal não só ao Poder Público, mas igualmente à coletividade em decorrência da assertiva de que esta é a verdadeira destinatária da proteção em estudo.

Ora, não é possível falar-se em vida digna às presentes e futuras gerações se não houver equilíbrio entre o desenvolvimento e a preservação do meio ambiente, principalmente porque não se pode negar que a qualidade de vida pressupõe minimamente o cuidado com a busca de um desenvolvimento sustentável.

É que, não obstante o lucro encontre legitimação na lei e mesmo no ordenamento constitucional, jamais se poderá perder de vista que o seu campo de beneficiados sempre é infinitamente menor do que aquele alcançado quando da adoção de expedientes protetivos ao meio ambiente.

Na linha do sábio adágio de que a virtude está no meio e não nos extremos, também é preciso sopesar a necessidade de contemplação de um padrão de proteção à flora, à fauna e à biodiversidade que não emperre o desenvolvimento indispensável ao asseguramento de uma vida digna às pessoas.

Por assim ser, somente mediante o fomento de um círculo virtuoso que permita uma interação adequada entre as pessoas e a Natureza, é que se permitirá àquelas o acesso a bens que supram seus anseios dentre de uma razoabilidade coerente sem retirar desta o equilíbrio mantenedor das regras universais que garantiram até agora a sobrevivência humana.

Quer-se com isso dizer que, embora seja compreensível a lógica que deu ensejo ao surgimento do princípio do acesso equitativo aos recursos naturais a fazer-nos reconhecer que tais bens constituem-se em patrimônios da humanidade com simples regra de prioridade a quem está mais próximo na medida das suas necessidades – e, portanto, suscetível às pressões e defesas externas das nações e povos que já não mais têm o que preservar –, nunca se poderá descurar da premissa de que a soberania é conceito que há de ser defendido e exercido com robustez para o asseguramento do direito que cada nação e povo têm de usufruir com inteligência, razoabilidade e equilíbrio dos recursos naturais que lhes pertencem.

Não se tem dúvida de que jamais se poderá trilhar o equivocado caminho dos erros históricos cometidos por aqueles que relegaram a proteção ao meio ambiente a plano secundário quando do estabelecimento de políticas sem freios para a busca da impiedosa sanha desenvolvimentista de acesso ao lucro a todo custo.

Afinal de contas, o que verdadeiramente deve ser defendido em um Estado Democrático de Direito não é o fomento de abismos entre as pessoas que nele vivem mediante a concentração de renda nas mãos de uns poucos abastados que podem e querem valer-se da exploração desmesurada do “bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida” sem preocupação com a coletividade, mas sim e unicamente a estruturação de um sistema de desenvolvimento ecologicamente equilibrado que permita a todos, bem aventurados ou não do ponto de vista econômico, o acesso a uma vida digna.

O momento, portanto, é de colocarmo-nos todos como responsáveis pela equalização desse quebra-cabeça cuja peça principal nessa quadra nacional talvez seja vivenciar e cobrar cumprimento aos regramentos estabelecidos no vigente Código Florestal (Lei nº 12.651/12) cuja constitucionalidade restou atestada em quase sua inteireza pelo Supremo Tribunal Federal, não sem antes compreender que a mesma legitimidade que lhe deu surgimento será pedra de toque para a defesa hercúlea do evitamento, daqui por diante, de quaisquer retrocessos ambientais que certamente implicarão na perda de biodiversidade, no comprometimento dos mananciais, no agravamento do efeito estufa e na desertificação dos territórios onde vivemos.

Muitos anos se passaram entre o Código Florestal pretérito (Lei nº 4.771/65) e o atualmente vigente, a demandar a reflexão de que muito cuidado há de se ter com as eventuais tentativas de mudanças açodadas da novel legislação.

Caio Augusto Silva dos Santos, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção de São Paulo

Artigos

Aumento do dólar: veja como minimizar os impactos

Por Reinaldo Domingos.

Publicado em

Aumento do dólar: veja como minimizar os impactos (Foto: Sergio Moraes / Reuters)

Mesmo com uma leve queda na última sexta-feira, o preço do dólar acumulou uma alta de 8,45% no mês de agosto. Essa é a maior valorização mensal desde setembro de 2015 e todo esse aumento impacta diretamente no bolso do brasileiro.

Para o educador financeiro, Reinaldo Domingos, do canal Dinheiro à Vista, é o momento de ter cautela e principalmente paciência para não ficar no prejuízo. “É claro que os preços assustam, mas é preciso pesquisar em diversos locais para conseguir um bom negócio. Algumas empresas já oferecem o parcelamento da compra de dólar em espécie no cartão de crédito com IOF mais barato. Essa pode ser uma estratégia interessante”, afirma.

Além disso, o educador lembra que ainda existe a possibilidade de negociar a compra de dólares com amigos ou parentes que tenham viajado para o exterior e ainda tenham o dinheiro. “Nesse caso é possível achar um meio termo no valor para que fique vantajoso para ambas as partes, por isso sempre busque pessoas da sua confiança”, alerta.

Veja abaixo os quatro principais impactos da alta do dólar para as finanças:

Competitividade entre as empresas

Os impactos tendem a ser positivos para empresas e indústrias nacionais, já que com a alta do dólar a competitividade das vendas é estimulada.

Já para as empresas importadoras, que compram seus produtos do exterior em dólar, há um encarecimento em todo o processo, o que, irremediavelmente, acaba sendo repassado para o consumidor final.

Aumento dos preços em geral

O aumento do dólar gera um aumento na inflação de modo geral, já que matérias-primas de produtos consumidos largamente no Brasil – como o trigo para o pãozinho, por exemplo – passam a custar mais caro.

Logo, o encarecimento de produtos e serviços diminui o poder de compra do brasileiro. Não se trata de um momento para pânico, mas é preciso considerar que a inflação e o desemprego também batem à porta.

O melhor a fazer é reunir a família e rever as despesas diárias e mensais, para viver em seu real padrão de vida. Infelizmente, muitas gastam mais do que ganham e não têm estrutura financeira para suportar variações econômicas.

Rentabilidade dos investimentos

Para quem tem investimentos atrelados ao dólar ou compra a moeda americana propriamente dita, a alta possibilita um aumento de ganhos. O mesmo vale para quem tem ações em grandes exportadoras.

Contudo, a instabilidade econômica entre China e Estados Unidos é um importante fator a ser considerado. Antes de tomar qualquer decisão, é válido buscar a assessoria de um especialista, evitando agir por impulso.

Encarecimento de viagens internacionais

Para quem está pensando em viajar para o exterior, o momento é de cautela e de conscientização. Afinal, o aumento nos preços se dá já das despesas básicas, como com passagens, hospedagens e uso de cartões de créditos internacionais.

Com o dólar turismo nas alturas, os valores podem aumentar muito: entram na conta passeios não comprados com antecedência, além é claro do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) do cartão de crédito internacional, que atualmente passa de 6%, sendo essa uma das piores opções para quem quer fazer compras no exterior.

Caso a pessoa ou família não tenha feito um planejamento prévio, orçando todos os custos e poupando mês a mês para realizar este sonho com tranquilidade financeira, o ideal é deixar a viagem para um outro momento.

O Autor

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é PhD em educação financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira e autor do best-seller Terapia Financeira, do lançamento Empreender Vitorioso e da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil.

Continue lendo

Artigos

As quentinhas de Teresa…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

As quentinhas de Teresa...

Teresa é uma mulher batalhadora, como professora do ensino primário, conseguiu criar seus dois filhos, após ficar viúva de forma precoce. Miguel, já casado, formado em advocacia, sempre liga para saber notícias da mãe. Fátima, sua filha, cursa a faculdade de nutrição e trabalha em uma indústria alimentícia.

Aposentada, não consegue ficar parada, levando uma vida ociosa. Com o incentivo da filha, resolveu iniciar a produção de “quentinhas”, considerando que ela adora cozinhar. Duas vezes por semana, Teresa vai até o supermercado mais próximo, distante umas seis quadras da sua casa, para fazer suas compras. Como ela mesma diz: uma pernada e tanto…

Para sua surpresa, ficou sabendo que iria abrir um mercadinho próximo de sua casa. Que beleza! Exclamou Teresa. No dia da inauguração, foi conhecer o estabelecimento. Desapontada, como as demais clientes, diante da escassez de produtos, exclamou: isto é um mercadinho ou um final de feira? Manoel passou a mão no bigode, ajeitou o suspensório e disse: Opa! O que procuras que não encontraste? Tudo! Respondeu Teresa. Vejo apenas batata, cenoura, cebola! Onde está o tomate, a alface, o almeirão?

São produtos muito “perecíveis”, argumentou Manoel. Para mim não serve! Respondeu Teresa. Vou ter que continuar a freqüentar o supermercado do bairro, pelo fato de fazer quentinhas diariamente. Diante de tal resposta, Manoel ficou pensando em como melhorar o estoque e servir à futura e distinta cliente. Volte amanhã! Retrucou o português.

Diante do impasse, na manhã seguinte, foi até o Ceasa e abasteceu seu mercadinho com tudo e mais alguma coisa que Teresa queria. Contratou um rapaz, que de posse de um alto-falante, passou a anunciar: Olá donas de casa! Em especial a senhora Teresa! Estamos esperando por suas visitas! Da sua casa, Teresa ouviu seu nome e saiu no portão para ver o que estava acontecendo.

Surpresa com o movimento foi até lá e surpreendeu-se ao ver a variedade e os preços dos produtos oferecidos. Pegou um cestinho e tratou de comprar tudo que estava precisando. Ao sair, foi agraciada por Manoel com uma caixa de morangos, em agradecimento pela incitação que lhe dera. E acrescentou: faço gosto de saborear qualquer dia desses, uma quentinha feita por você.

Diante de tal galanteio, Teresa mandou entregar-lhe uma quentinha na hora do almoço. Desse dia em diante, iniciou-se um discreto flerte, a ponto de Manoel enviar-lhe no dia do seu aniversário um buquê de rosas com um cartão: “Os sonhos não são “perecíveis”, mas sim belos e eternos”. Iniciou-se então, um recatado namoro entre eles, a ponto dos filhos começarem a acompanhar de perto aquele chamego, por acharem que Manoel está interessado em ampliar seu mercadinho, visando o legado de Teresa.

Indiferentes a tudo, eles estão felizes e o romance caminha para um final feliz. Com direito até a uma viagem a Portugal, para uma provável lua de mel, na romântica cidade do Porto; com um belo passeio pelo rio Douro. Ora, pois! Será que os filhos vão consentir?…

Continue lendo

Artigos

O bebê que gostava de sorvete…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

O bebê que gostava de sorvete...

Era para ser mais um dia tranqüilo, como os demais na rotina de um shopping. Mas não seria. Quando Adriana, uma jovem grávida, já no nono mês de gravidez, saiu de casa com o desejo de tomar um sorvete, mal sabia ela, o que a esperava. Chegando ao shopping, foi em busca de uma sorveteria self-service. Diante de tantos sabores, Adriana de posse de uma taça e uma colher de sorvete, foi em busca do sabor de chocolate.

Antes mesmo que pudesse pegar a primeira bola de sorvete, sentiu uma fisgada: Aí meu Deus! A atendente da sorveteria indagou: Tudo bem mamãe? Não! A bolsa estourou! Diante da resposta, Raquel não teve dúvidas de que a criança provavelmente nasceria dentro da sorveteria. Rapidamente chamou por Bruna, sua colega de trabalho e juntas levou Adriana, para o reservado no fundo da sorveteria.

Acomoda em um colchonete, Adriana ficou aos cuidados de Bruna; enquanto Raquel saiu em busca de toalhas e de um segurança do shopping. Batista! Tem uma jovem em trabalho de parto na sorveteria. Sem perda de tempo, pelo walkie-talkie, Batista informou o gerente do shopping, que rapidamente acionou o SAMU. Enquanto isso Bruna acalentava a futura mamãe, dizendo: vai dar tudo certo!

O SAMU chegou rapidinho e Fábio com seu colega de atendimento, acalmou Adriana, uma jovem bonita e atraente que o fizera lembrar-se de alguém. Com a prática de quem já fizera outros partos, procedeu de forma tranqüila, sereno e emocionado com a chegada de uma linda menininha. Com a ajuda de seu colega, acomodou Adriana na maca, agradeceu as funcionárias da sorveteria e saiu em direção da ambulância para levá-la a um hospital.

No dia seguinte, Fábio não resistiu e foi até o hospital para saber noticias de Adriana. Na recepção, informado de que estava tudo bem, exclamou: Posso vê-la? Vem comigo, respondeu a atendente! Diante do quarto, Fábio foi abrindo a porta devagar e entrando. Adriana ao vê-lo sorriu: vem conhecer Fabiana, a garotinha que você ajudou trazer ao mundo.

Fabiana? Sim respondeu Adriana. Uma simples homenagem a você, afinal diante do fato dela não ter um pai, resolvi eternizar o momento do seu nascimento com este nome. Fábio, emocionado sentiu os olhos marejados e sentindo algo diferente por aquela garota, agora uma mamãe, perguntou se poderia revê-la novamente. Adriana respondeu: Claro! Passa na recepção e pede meu endereço! Fábio saiu eufórico e acalentando sonhos de ser um futuro papai.

Fábio passou a visitar Adriana com freqüência na casa de seus pais. Os encontros até então, uma simples amizade, acabou se transformando em uma paquera e posteriormente em um namoro; até o dia em que Fábio a pediu em casamento. Dia desses, de volta ao shopping, Fábio, Adriana e Bia (como era chamada) retornaram a sorveteria. Enquanto Bia dormia no carrinho de bebê, o casalzinho aproveitava para namorar e saborear o tão e esperado sorvete de chocolate.

Continue lendo

Mais lidas