Como identificar um político…

Por Carlos R. Ticiano.

Diante de tantas interrogações, sobre a origem dos políticos, resolvi enfronhar-me sobre o assunto e constatei que os políticos pertencem a uma raça diferenciada. Descobri como nascem e como vivem. Suas atividades e projetos. O que comem e o que bebem. Como se relacionam e se reproduzem. Como envelhecem…

Os políticos nascem com o bumbum virado para lua, trazem uma auréola sobre a cabeça e ostentam em seu DNA o privilégio de terem sete vidas. Seu carrinho de bebê é todo blindado com películas escuras. Desfrutam de uma babá eletrônica digital, que proporcionam tranqüilidade, segurança e conforto para o bebê político. O leite que bebem, vem dos Alpes Suíços, ordenhados por vacas alimentadas por ervas nativas.

Ainda sem os dentinhos, alimentam se de suculentas papinhas à base de propinas. Sua primeira fala surpreende a todos ao dizer a palavra mesada. Não costumam perder tempo engatinhando, seus primeiros passinhos, são em direção aos cofres públicos. Na escola, aprendem rapidinhos a conjugar o verbo subtrair: Eu subtraio, Tu subtrais, Ele subtrai, Nós subtraímos, Vós subtraís, Eles subtraem.

Quando adultos, continuam mamando, só que agora, nas tetas do governo. Residem em apartamentos luxuosos e usam carros importados. De paladar apurado, alimentam se do bom e do melhor. Vivem rodeados de regalias, levam uma vida desregrada de ostentação. Relacionam se apenas com pessoas influentes, fazem conchavos, praticam a política da boa vizinhança e vivem socialmente num eterno toma lá, dá cá.

Costumam se procriarem na calada da noite em becos e ruelas escuras e mal freqüentadas, dando origem a relacionamentos obscuros. Quando se casam, diante do sermão do padre que pergunta: Se ficarão unidos, todos os dias de suas vidas; na alegria e na tristeza; na saúde e na doença; na riqueza e na pobreza? Respondem com convicção: Sim! Até que a propina nos separe!

Em suas orações noturnas, prometem fidelidade ao conjunto das dez leis ou princípios filosóficos, políticos e morais prescritos no Decálogo. Mas, por mais boa vontade que tenham, não conseguem colocar em prática o sétimo mandamento. Que diz exatamente não reter os bens do próximo.

Envelhecidos precocemente, costumam aposentar se cedo. Mas continuam ativos, isolados em suas propriedades, administrando discretamente as riquezas depositadas nos paraísos fiscais. Diante de qualquer ameaça por parte de alguma investigação, se apresentam para depor em uma cadeira de rodas, acompanhados por seu advogado.

Quando fazem a passagem, seu corpo normalmente é cremado. Os telejornais exibem uma reportagem completa, fazendo uma retrospectiva de sua carreira política. Se alguém perguntar-me se existe a possibilidade de um político ir para o céu, responderia: Para o céu da boca da onça, com certeza!…

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA