O bebê que gostava de sorvete…

Por Carlos R. Ticiano.

Era para ser mais um dia tranqüilo, como os demais na rotina de um shopping. Mas não seria. Quando Adriana, uma jovem grávida, já no nono mês de gravidez, saiu de casa com o desejo de tomar um sorvete, mal sabia ela, o que a esperava. Chegando ao shopping, foi em busca de uma sorveteria self-service. Diante de tantos sabores, Adriana de posse de uma taça e uma colher de sorvete, foi em busca do sabor de chocolate.

Antes mesmo que pudesse pegar a primeira bola de sorvete, sentiu uma fisgada: Aí meu Deus! A atendente da sorveteria indagou: Tudo bem mamãe? Não! A bolsa estourou! Diante da resposta, Raquel não teve dúvidas de que a criança provavelmente nasceria dentro da sorveteria. Rapidamente chamou por Bruna, sua colega de trabalho e juntas levou Adriana, para o reservado no fundo da sorveteria.

Acomoda em um colchonete, Adriana ficou aos cuidados de Bruna; enquanto Raquel saiu em busca de toalhas e de um segurança do shopping. Batista! Tem uma jovem em trabalho de parto na sorveteria. Sem perda de tempo, pelo walkie-talkie, Batista informou o gerente do shopping, que rapidamente acionou o SAMU. Enquanto isso Bruna acalentava a futura mamãe, dizendo: vai dar tudo certo!

O SAMU chegou rapidinho e Fábio com seu colega de atendimento, acalmou Adriana, uma jovem bonita e atraente que o fizera lembrar-se de alguém. Com a prática de quem já fizera outros partos, procedeu de forma tranqüila, sereno e emocionado com a chegada de uma linda menininha. Com a ajuda de seu colega, acomodou Adriana na maca, agradeceu as funcionárias da sorveteria e saiu em direção da ambulância para levá-la a um hospital.

No dia seguinte, Fábio não resistiu e foi até o hospital para saber noticias de Adriana. Na recepção, informado de que estava tudo bem, exclamou: Posso vê-la? Vem comigo, respondeu a atendente! Diante do quarto, Fábio foi abrindo a porta devagar e entrando. Adriana ao vê-lo sorriu: vem conhecer Fabiana, a garotinha que você ajudou trazer ao mundo.

Fabiana? Sim respondeu Adriana. Uma simples homenagem a você, afinal diante do fato dela não ter um pai, resolvi eternizar o momento do seu nascimento com este nome. Fábio, emocionado sentiu os olhos marejados e sentindo algo diferente por aquela garota, agora uma mamãe, perguntou se poderia revê-la novamente. Adriana respondeu: Claro! Passa na recepção e pede meu endereço! Fábio saiu eufórico e acalentando sonhos de ser um futuro papai.

Fábio passou a visitar Adriana com freqüência na casa de seus pais. Os encontros até então, uma simples amizade, acabou se transformando em uma paquera e posteriormente em um namoro; até o dia em que Fábio a pediu em casamento. Dia desses, de volta ao shopping, Fábio, Adriana e Bia (como era chamada) retornaram a sorveteria. Enquanto Bia dormia no carrinho de bebê, o casalzinho aproveitava para namorar e saborear o tão e esperado sorvete de chocolate.

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA