As quentinhas de Teresa…

Por Carlos R. Ticiano.

Teresa é uma mulher batalhadora, como professora do ensino primário, conseguiu criar seus dois filhos, após ficar viúva de forma precoce. Miguel, já casado, formado em advocacia, sempre liga para saber notícias da mãe. Fátima, sua filha, cursa a faculdade de nutrição e trabalha em uma indústria alimentícia.

Aposentada, não consegue ficar parada, levando uma vida ociosa. Com o incentivo da filha, resolveu iniciar a produção de “quentinhas”, considerando que ela adora cozinhar. Duas vezes por semana, Teresa vai até o supermercado mais próximo, distante umas seis quadras da sua casa, para fazer suas compras. Como ela mesma diz: uma pernada e tanto…

Para sua surpresa, ficou sabendo que iria abrir um mercadinho próximo de sua casa. Que beleza! Exclamou Teresa. No dia da inauguração, foi conhecer o estabelecimento. Desapontada, como as demais clientes, diante da escassez de produtos, exclamou: isto é um mercadinho ou um final de feira? Manoel passou a mão no bigode, ajeitou o suspensório e disse: Opa! O que procuras que não encontraste? Tudo! Respondeu Teresa. Vejo apenas batata, cenoura, cebola! Onde está o tomate, a alface, o almeirão?

São produtos muito “perecíveis”, argumentou Manoel. Para mim não serve! Respondeu Teresa. Vou ter que continuar a freqüentar o supermercado do bairro, pelo fato de fazer quentinhas diariamente. Diante de tal resposta, Manoel ficou pensando em como melhorar o estoque e servir à futura e distinta cliente. Volte amanhã! Retrucou o português.

Diante do impasse, na manhã seguinte, foi até o Ceasa e abasteceu seu mercadinho com tudo e mais alguma coisa que Teresa queria. Contratou um rapaz, que de posse de um alto-falante, passou a anunciar: Olá donas de casa! Em especial a senhora Teresa! Estamos esperando por suas visitas! Da sua casa, Teresa ouviu seu nome e saiu no portão para ver o que estava acontecendo.

Surpresa com o movimento foi até lá e surpreendeu-se ao ver a variedade e os preços dos produtos oferecidos. Pegou um cestinho e tratou de comprar tudo que estava precisando. Ao sair, foi agraciada por Manoel com uma caixa de morangos, em agradecimento pela incitação que lhe dera. E acrescentou: faço gosto de saborear qualquer dia desses, uma quentinha feita por você.

Diante de tal galanteio, Teresa mandou entregar-lhe uma quentinha na hora do almoço. Desse dia em diante, iniciou-se um discreto flerte, a ponto de Manoel enviar-lhe no dia do seu aniversário um buquê de rosas com um cartão: “Os sonhos não são “perecíveis”, mas sim belos e eternos”. Iniciou-se então, um recatado namoro entre eles, a ponto dos filhos começarem a acompanhar de perto aquele chamego, por acharem que Manoel está interessado em ampliar seu mercadinho, visando o legado de Teresa.

Indiferentes a tudo, eles estão felizes e o romance caminha para um final feliz. Com direito até a uma viagem a Portugal, para uma provável lua de mel, na romântica cidade do Porto; com um belo passeio pelo rio Douro. Ora, pois! Será que os filhos vão consentir?…

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA