Peripécias de um garoto…

Por Carlos R. Ticiano.

Quem nunca aprontou das suas quando garoto, deixando os pais perplexos, sem saber o que dizer ou fazer, diante das brincadeiras ou das artes propriamente ditas. Não faltava imaginação e criatividade, para a garotada colocar em prática a balbúrdia do dia a dia. Algumas inocentes, outras nem tanto. A turma era terrível!…

Como o dia em que prenderam um gato dentro de uma gaiola. Depois de andarem com o bichano preso na gaiola por algum tempo, resolveram soltá-lo. O gato, como um leão selvagem quando escapa de uma jaula, saiu enfurecido e disposto atacar o primeiro que encontrasse pela frente. Nunca mais se teve notícias do gato…  

Jogar bola no fundo do quintal era uma algazarra. Mas sempre tinha um que exagerava no chute, e mandava a bola no quintal do vizinho. Para recuperá-la, era preciso que alguns subissem no muro para distrair o cachorro, enquanto o mais corajoso pulava o muro em busca da bola. Era preciso ser rápido, pois o cachorro não estava para brincadeiras, e o pior às vezes acontecia… 

Sair na captura de um sorveteiro era um alvoroço e uma diversão, com a certeza de alguma trapalhada. Quando avistavam o sorveteiro, saiam em disparada para cercá-lo e pedirem o sabor preferido do sorvete. O mais engraçadinho da turma, na pressa em pedir o sorvete exclamou: o meu é de “abaixa aqui”! Foi uma gargalhada geral…

Era freqüente, brincar de esconde-esconde dentro da igreja, enquanto a aula de catecismo não começava. Qualquer lugar servia para se esconder: atrás do altar, na sacristia, debaixo do banco, dentro do confessionário. Até o dia em que um desatento, não percebendo uma pessoa se confessando, entrou no confessionário e deu de cara com o padre. Neste dia, sobrou até para a catequista…

Descer a calçada da rua em um carrinho de rolimã, era uma aventura digna de uma corrida de Fórmula 1. Talvez nem Max Verstappen, teria a coragem de encarar os buracos e as pedras soltas da calçada. Quando alguém surgia no portão da casa e avistava o carrinho de rolimã, voltava correndo pra dentro de casa. Era mais seguro aguardar a entrada do safety car ou esperar o fim da corrida…

Uma vez por mês, Dona Maria (italiana) aparecia pedindo para que alguém escrevesse uma carta, para ela enviar para a sua filha que morava em São Paulo. Carta escrita e envelopada, lá ia a turma deliciar-se das frutas, que ela cultiva na chácara em que morava. A goiabeira era a preferida por suas goiabas brancas e vermelhas e seus bichinhos de estimação. Certo dia, um caiu da goiabeira e quebrou o braço. Foi um Deus nos acuda…

Quando o dentista aparecia na sala de aula e com a autorização da professora, convocava alguns alunos para acompanhá-lo até o consultório dentário, era um desespero geral. Certa vez, dos quatro alunos convocados, um conseguiu desvencilhar-se da turma a caminho do consultório, só voltando na escola no dia seguinte. Incrédulo, o dentista se perguntou: Não eram quatro alunos?…

VEJA TAMBÉM

Carlos R. Ticiano

Guerras & Epidemias…

Carlos R. Ticiano

A triste realidade…

#MAIS LIDAS DA SEMANA