Uma jovem patinadora…

Por Carlos R. Ticiano.

Uma garota bonita, elegante e atraente

Que deslizando graciosamente em seus patins;

Nas imediações da república de estudantes, onde morava

Era de parar o trânsito…

Quando alguém a interpelava para elogiá-la,

Respondia em um francês abrasileirado: Merci! (obrigada)

Uma tarde, passando diante de um hipermercado recém inaugurado

Viu um anúncio inusitado;

De que estavam precisando de jovens patinadoras com prática.

O cartaz despertou nela,

Uma lembrança agradável de sua infância e adolescência;

Quando andava de patins com suas amigas pelas ruas,

De um pequeno e bonito vilarejo em Paris.

A jovem não pensou duas vezes;

Entrou e foi procurar pelo setor de recrutamento de pessoal,

Para obter mais informações.

Para sua sorte, o gerente de Recursos Humanos estava por perto

E ouviu toda a entrevista de Camille.

Uma estudante francesa,

Que veio ao Brasil para fazer um intercâmbio cultural;

Com o objetivo de aprender os costumes, as tradições e o idioma do país.

Impressionado com seu jeito, seu sorriso e seu sotaque,

Não resistiu e entrou na conversa;

Com o interesse de obter mais detalhes sobre sua origem.

Para sua surpresa,

Camille saiu contratada para exercer a atividade de “frente de caixa”

Uma função de apoio aos caixas, no tocante a problemas

De falta de troco, cancelamento de produtos, liberação de descontos…

Camille era um show a parte,

Quando passava deslizando graciosamente de patins.

Com freqüência, o gerente de (RH) vinha puxar conversa com ela

Para saber se estava gostando do serviço.

Sempre simpática, respondia com sotaque: J’apprécie oui! (estou gostando sim)

Talvez ela ainda não tenha percebido,

Mas ele fica discretamente observando-a de longe

Com a intenção de um dia tomar iniciativa;

E convidá-la para sair, e assim, conhecê-la melhor.

Sonhando com a possibilidade de um dia tê-la como namorada,

E passear de mãos dadas, sem patins, é claro…

Em num futuro não muito distante, quem sabe, convidar todos os amigos

Para estourar um champanhe;

E saborear do bolo e dos doces do casamento.

Romântico, já pensa até em passar a “lua de mel” em Paris,

E fazer um brinde no alto da Torre Eiffel.

VEJA TAMBÉM

Nilson Lattari

Sobre desertos

Nilson Lattari

Escritores

#MAIS LIDAS DA SEMANA