Aconchego é chegar a algum lugar, seja na porta de casa, na presença da pessoa apaixonada, no coração querido. Aconchego é a reza escondida que conforta a alma, declamada baixinho no silêncio do quarto, são as palavras que jogamos no alto, na esperança de Alguém que desejamos que exista, que as receba em Seu colo e nos atenda, porque nos aconchegamos a Ele sempre nos momentos mais precisados e também naqueles preciosos quando conquistamos o nosso desejo guardado.

Aconchego está no aceno de longe, quando somos reconhecidos entre muitos, na multidão, quando aquele sorriso se expande à vista da nossa simples presença, descendo de um ônibus, de um avião, vindo de algum lugar distante. Está no correr para os abraços, nos risos, nos deboches engraçados que fazemos com aqueles que amamos.

É bom quando voltamos para o aconchego, porque é como se aquele lugar nunca nos abandonasse, seja uma paisagem, que guardamos desde criança, um simples cheiro de flor, em um jardim onde encontramos nosso amor de outros tempos, está na lembrança de um beijo, porque é no conforto de nossas coisas boas, acontecidas, que nos revigoramos de tempestades nos tempos presentes.

Todos nós temos nosso aconchego. É quando a noite desce, e nos enrolamos em nossos travesseiros, e imaginamos fantasias sobre o que poderíamos ter feito, é quando choramos sem motivo algum, porque esses momentos não são de fraquezas, é quando choramos por injustiças, e nosso aconchego não está em nada poder fazer, mas, o simples fato de querermos que o mundo seja melhor é a melhor maneira de demonstrar o quanto de bom temos dentro de nós.

São nesses momentos em que demonstramos para nós mesmos, que o mundo não deveria ser assim, que comparamos as vidas daqueles que sofrem às nossas vivências, com vidas vividas em um tempo anterior, imaginado, sem saber.

É quando nos aconchegamos perto Dele.
Porque se imaginamos que o mundo não pode ser assim como é, se existem injustiças, ódios e falta de amores, quando vivemos em um mundo impossível, de disputas desnecessárias, de ganâncias extremadas, pela razão de que as coisas são assim, geridas em nosso íntimo, quando entendemos que as coisas não podem ocorrer dessa maneira, e nos sentimos incomodados com isso, é que nossa alma, nossas lembranças mais guardadas nos lembram do aconchego de que já habitamos um outro lugar, mais justo, onde a irmandade realmente existe.

Porque o entendimento de que o mundo é injusto vem do fato de já termos vivido a justiça plena em algum lugar. A comparação é a consequência de que estaremos de volta para o nosso aconchego algum dia, e a certeza de que Ele existe, com certeza.

Nilson Lattari

Nilson Lattari é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br e facebook/blogdonilsonlattari. Vencedor duas vezes no Prêmio UFF de Literatura 2011 e 2014, e Prêmio Darcy Ribeiro – Ribeirão Preto 2014 em crônicas e terceiro colocado em contos no Prêmio UFF em 2009. Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romances no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em contos, crônicas e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.