Amar, múltiplo de x

Por Nilson Lattari.

Quantas vezes é possível amar? Digamos que uma vez amei Maria, e Maria me deixou, depois amei Joana, que, dessa vez, eu deixei, e por tantas vezes amei e fui amado e deixei e fui deixado. Então é possível que amando tantas vezes, também seja possível amar muitas vezes, e ao mesmo tempo, tantas Joanas e Marias que apareçam. E multiplicamos nossos amores e marcamos na memória, como o pistoleiro que marca sua arma, para cada presa abatida.

Certo. Digamos que uma amiga ou amigo é tão amigo e amiga que a amizade por tantas vezes multiplicada seja quase amor, confeitada com muita simpatia, com o devido espaço entre corpos. Podemos separar amor de amizade? Possivelmente, desde que não queiramos transformar amizade em amor, onde amor se transformar em amizade… aí, talvez, a coisa se complique e, em vez de multiplicar, divida.

Podemos estar com alguém e amar outras ou outros, pelos detalhes que nos falte ver na pessoa amada da vez. Uma forma de falar, compreender, ouvir, sorrir, acariciar e tantas qualidades faltam na pessoa que amamos e conseguimos ver, ou imaginar, que existam em outros ou outras tantas.

Ficamos com as nossas amadas e amados até que a morte ou um problema bem grave nos separe, e abrimos nosso coração de imediato para os outros amores para os quais lançamos pensamentos e olhares.

Depois da tempestade vem a bonança, ou depois de um fora bem-dado, nosso coração se abre para outros lados com esperança. Já disse Hegel que o segundo casamento, ou relacionamento, é a vitória da esperança sobre a realidade. Sempre acreditamos que o amor mora ao lado, ou na primeira troca de olhar no passear descontraído pelas calçadas. Uma troca de sutilezas, de convites para um café e novamente o amor se descabela, e se lança direto sobre o coração dele ou dela.

Podemos, sim, amar vários ou várias, de idades diferentes e variadas. Mas, o que nos leva a permanecer ao lado daquela que é bonita porque está em nossa companhia, disse Vinícius?

Amores são ganhos, imagina o conquistador barato, e como barato sai caro ele colhe muito mais perdas e danos. Amamos muitas vezes, e ficamos, com certeza, com aquele ou aquela que compreende nossas manias, defeitos e enganos.

O Autor

Nilson Lattari

Nilson Lattari é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br e facebook/blogdonilsonlattari. Vencedor duas vezes no Prêmio UFF de Literatura 2011 e 2014, e Prêmio Darcy Ribeiro – Ribeirão Preto 2014 em crônicas e terceiro colocado em contos no Prêmio UFF em 2009. Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romances no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em contos, crônicas e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem

VEJA TAMBÉM

Nilson Lattari

Sobre desertos

Nilson Lattari

Escritores

#MAIS LIDAS DA SEMANA