Um amor à portuguesa…

Por Carlos R. Ticiano.

Marcela é uma jovem portuguesa recentemente chegada ao Brasil, para fazer um curso de confeitaria, voltado exclusivamente para doces brasileiros. Com o propósito de incorporá-los no cardápio das confeitarias de seus pais, na cidade de Lisboa.

O curso iniciado por Marcela tinha por finalidade, não só expandir a rede de confeitarias, mas também, deixá-las com um cardápio vaiado, com doces de diversos países. Uma garota arrojada e determinada, que chamava atenção por sua beleza, simpatia e carisma.

No decorrer das aulas práticas, Marcela procurava estar sempre próximo de Gabriel. Era notório e recíproco, aquela troca de olhares entre eles, a ponto de Gabriel ficar imaginando uma forma de aproximar-se, daquela atraente portuguesinha.

Um dia, quando chegava para a aula, ofereceu-lhe um singelo “chocolate branco”. No final da aula, Marcela interceptou Gabriel dizendo: Como você adivinhou que eu gosto de chocolate branco? Ora, pois! Seria Impossível, uma garota bonita e elegante como você, não gostar de um chocolate branco, recheado de amor.

Marcela não se conteve e deu-lhe um selinho, saindo ligeiramente corada. Gabriel sentiu-se nas nuvens, com o coração transbordando de esperança. A tarde enviou-lhe um buquê de rosas com um cartão dizendo: Rosas formosas e belas, para uma doce e bela Marcela!

Não demorou em chegar, uma mensagem de agradecimento pelo celular. E deste então, o casalzinho passou a ser visto sempre juntos. A semana passou rápida e um convite de Gabriel para irem a uma pizzaria no final de semana, para saborearem uma pizza à portuguesa e um chopinho gelado, foi o suficiente para que aquela paquera se tornasse um namoro.

O semestre voou e o curso de confeitaria terminou. Marcela começou a planejar sua volta, sonhando com a possibilidade de Gabriel acompanhá-la na viagem de volta a Portugal. Diante da possibilidade de tentar alguma coisa no Brasil e de se aventurar ao lado de Marcela, em terras de além-mar, não pairou nenhuma dúvida.

Em Portugal, os dois começaram a colocar em prática a expansão das confeitarias. Entre planos, projetos e receitas de vários países, incluindo o Brasil, iniciaram com os tradicionais, Pastel de Nata, Brisa do Liz, Tarte de Amêndoa, Queijada de Évora, Pudim da Batalha, Telha de Amêndoas, Travesseiro de Sintra e tantas outras iguarias. Nos finais de semana, sempre arrumavam um tempinho para namorarem e passearem de bonde.

E conhecer, é claro, ao lado de Marcela, lugares como a Ponte Vasco da Gama, Palácio Nacional de Sintra, Convento do Carmo, Oceanário (pavilhão dos oceanos), Elevador de Santa Justa, Castelo dos Mouros, Torre de Belém, Praça do Comércio, Castelo de São Jorge, Cabo da Roca, Mosteiro da Batalha e tantos outros lugares.

Diante do Padrão dos Descobrimentos (monumento dedicado aos exploradores marítimos), quem garante que Gabriel, realizado com a descoberta do amor, não pedirá Marcela em casamento, ao sabor de um “chocolate branco” tendo como testemunha o Rio Tejo?…

VEJA TAMBÉM

Nilson Lattari

Sobre desertos

Nilson Lattari

Escritores

#MAIS LIDAS DA SEMANA