Fique conectado

Crônicas

Um amor à portuguesa…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

576

Um amor à portuguesa...

Marcela é uma jovem portuguesa recentemente chegada ao Brasil, para fazer um curso de confeitaria, voltado exclusivamente para doces brasileiros. Com o propósito de incorporá-los no cardápio das confeitarias de seus pais, na cidade de Lisboa.

O curso iniciado por Marcela tinha por finalidade, não só expandir a rede de confeitarias, mas também, deixá-las com um cardápio vaiado, com doces de diversos países. Uma garota arrojada e determinada, que chamava atenção por sua beleza, simpatia e carisma.

No decorrer das aulas práticas, Marcela procurava estar sempre próximo de Gabriel. Era notório e recíproco, aquela troca de olhares entre eles, a ponto de Gabriel ficar imaginando uma forma de aproximar-se, daquela atraente portuguesinha.

Um dia, quando chegava para a aula, ofereceu-lhe um singelo “chocolate branco”. No final da aula, Marcela interceptou Gabriel dizendo: Como você adivinhou que eu gosto de chocolate branco? Ora, pois! Seria Impossível, uma garota bonita e elegante como você, não gostar de um chocolate branco, recheado de amor.

Marcela não se conteve e deu-lhe um selinho, saindo ligeiramente corada. Gabriel sentiu-se nas nuvens, com o coração transbordando de esperança. A tarde enviou-lhe um buquê de rosas com um cartão dizendo: Rosas formosas e belas, para uma doce e bela Marcela!

Não demorou em chegar, uma mensagem de agradecimento pelo celular. E deste então, o casalzinho passou a ser visto sempre juntos. A semana passou rápida e um convite de Gabriel para irem a uma pizzaria no final de semana, para saborearem uma pizza à portuguesa e um chopinho gelado, foi o suficiente para que aquela paquera se tornasse um namoro.

O semestre voou e o curso de confeitaria terminou. Marcela começou a planejar sua volta, sonhando com a possibilidade de Gabriel acompanhá-la na viagem de volta a Portugal. Diante da possibilidade de tentar alguma coisa no Brasil e de se aventurar ao lado de Marcela, em terras de além-mar, não pairou nenhuma dúvida.

Em Portugal, os dois começaram a colocar em prática a expansão das confeitarias. Entre planos, projetos e receitas de vários países, incluindo o Brasil, iniciaram com os tradicionais, Pastel de Nata, Brisa do Liz, Tarte de Amêndoa, Queijada de Évora, Pudim da Batalha, Telha de Amêndoas, Travesseiro de Sintra e tantas outras iguarias. Nos finais de semana, sempre arrumavam um tempinho para namorarem e passearem de bonde.

E conhecer, é claro, ao lado de Marcela, lugares como a Ponte Vasco da Gama, Palácio Nacional de Sintra, Convento do Carmo, Oceanário (pavilhão dos oceanos), Elevador de Santa Justa, Castelo dos Mouros, Torre de Belém, Praça do Comércio, Castelo de São Jorge, Cabo da Roca, Mosteiro da Batalha e tantos outros lugares.

Diante do Padrão dos Descobrimentos (monumento dedicado aos exploradores marítimos), quem garante que Gabriel, realizado com a descoberta do amor, não pedirá Marcela em casamento, ao sabor de um “chocolate branco” tendo como testemunha o Rio Tejo?…

Crônicas

O que desejo

Por Nilson Lattari.

Publicado em

Não seja temperamental, detesto esses chiliques fora de hora, coisa de rompantes desnecessários. Não pague minhas contas, rachar as despesas, como se o dinheiro, a posição, o cargo fossem definidores de limites entre dois seres; até porque brincar de limites ainda é muito cedo, eles se cercam de responsabilidades, de rotinas, vêm recheados de dia a dia, lembram um quartel, com continências e roupas lavadas, passadas, perfeitas.

Talvez eu queira ser o homem da casa, mesmo que o seu salário e o seu cargo sejam maiores; pura fantasia, ninguém desconhece a verdade.

Não me perturbe quando estiver sozinho, pensando, não me pergunte o que eu penso: tenho direito a meus segredos, reviver lembranças, de relembrar descaminhos, de alterar o passado, como todo mundo faz. Faça também, em respeito a você mesma.

Talvez eu esteja sentindo a sua falta e tenha vergonha de dizer que gostaria de fazer mil coisas com você, enquanto você esmerilha a unha, pinta com cores que não me fazem sentido, e eu não esteja com vontade de saber o que a sua mãe, nosso filho, seu irmão fizeram com você no dia anterior.

Não me traga um chá toda vez que estiver doente, nem faça brincadeiras para me alegrar, não gosto disso. Não quero me sentir criança de novo, gosto de palavras de incentivo, mas não de voz alta, chamar a atenção, lições de moral, exemplos de outros que você conheceu. Não quero mais minha mãe, ela me esgotou com seu estilo de vida e eu a respeitei por isso, mas dois respeitos não cabem na mesma panela.

Talvez eu quisesse que você me abraçasse e ficasse calada sendo apenas uma mulher.

E, por falar em panela, ignore que eu esqueci de colocar sal na comida, que o bife ficou tempo demais na frigideira, que o tomate no tempero está muito grande, ou então estão cortados de vários formatos. Acredite quando eu digo que vi aquilo em algum programa de televisão, ou na internet. Que era um Chef, mas não precisa dizer que era, no mínimo, um maluco com panelas nas mãos, a bater com a frigideira molhada na cabeça enquanto tentava lembrar a receita.

Talvez eu tenha tentado uma vez, ter feito a coisa certa, meio de surpresa, sem nada a combinar.

Me deixe sem seguir receitas, lembrar a cada instante, a cada segundo, marcado no calendário que a roupa tem de ser retirada da lavandeira às quintas, que o futebol deveria ser às segundas-feiras e não aos domingos, dia de descanso. Me deixe seguir aquela bola mágica rolando no gramado verde, não pergunte por que o juiz marcou aquilo e não aquela outra coisa, não tente entender, apenas assista; mesmo que seja a roupa ridícula daquela fulana que não tem o que fazer, que fica com as pernas de fora, em pé em uma cadeira a chorar pelo gol perdido, perdida nos olhares masculinos em volta.

Talvez você nunca vá descobrir que eu gostaria de estar lá, dando um beijo em você, só para aparecer na TV.

Entenda o que é companheirismo, não os membros de uma passeata meio sem sentido, uma juntada de colegas a festejar uma data qualquer, um grupo de pessoas para assistir uma peça, uma sessão de cinema.

Talvez você nunca tenha percebido que companheirismo é aquele que acompanha o outro, colocando coisas na casa que eu nunca colocaria, um quadro, um tapete novo, podendo ser caro e longe de aparecer no cartão de crédito, tenha um escondido, com pagamento no banco, sem avisos de cobrança.

Talvez você nunca tenha percebido que companheirismo é acompanhar um sonho idiota, comemorar uma promoção, torcer por ela, e não fabricar obstáculos, como se os seus braços fossem suficientemente longos para amparar a minha queda.

Acompanhe simplesmente.

Não me obrigue a dançar, caso não queira, e acuse uma dor no pé quando alguém quiser tirar você. Se você me acompanha, qual motivo encontrarei para não acompanhar você, se depois de tudo a gente vai poder dormir abraçados como duas crianças?

O Autor

Nilson Lattari

Nilson Lattari é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br e facebook/blogdonilsonlattari. Vencedor duas vezes no Prêmio UFF de Literatura 2011 e 2014, e Prêmio Darcy Ribeiro – Ribeirão Preto 2014 em crônicas e terceiro colocado em contos no Prêmio UFF em 2009. Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romances no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em contos, crônicas e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem

Continue lendo

Artigos

Uma japonesinha cativante…

Por Carlos R. Ticiano.

Publicado em

Uma japonesinha cativante...
Uma japonesinha cativante...

Depois de prestar o vestibular e ver seu nome na relação dos aprovados, Paulo efetivou a matrícula. Primeira semana de aula e a surpresa do “trote” no sábado. Entre ovos e farinha de trigo, da turma do segundo ano, que aplicavam o trote nos calouros; uma japonesinha até que tentava aliviar as coisas. Mas, o estrago nos cabelos encaracolados de Paulo, não teve como atenuar, nem tão pouco evitar.

Na semana seguinte, Akemi foi procurar por Paulo na sala de aula, para ver como estava de visual novo. Ao vê-lo, exclamou: você fica bem de careca e o boné lhe dá um charme todo especial. Diante do elogio e da forma como ela o olhava, percebeu uma envolvente e discreta paquera.

Na realidade, até Paulo não conseguia ficar indiferente, diante daquela japonesinha de olhos puxados, cabelos lisos e pretos, com um leve sotaque oriental. Apenas uma simples amizade, pensava Paulo. O que não se poderia afirmar por parte de Akemi. Que vivia sonhando com o dia em que pudesse revelar seu amor.

Akemi, sempre estava por perto. Na porta da sala de aula, nas rodinhas de bate-papo, na cantina tomando café, enfim, havia um mistério a ser desvendado. A única forma que Paulo encontrou, foi convidá-la para sair. De pronto ela aceitou, abriu um sorriso nipônico e disse: vamos a um restaurante de culinária japonesa?

No restaurante, Paulo achou melhor deixá-la fazer o pedido. Assim, sem correr riscos, degustaram yakisoba, sushi e yakitori, acompanhado de saquê. Mesmo com a explicação de Akemi, de como pegar no hashi (palitinhos), Paulo achou melhor não se aventurar.

De volta, no portão de sua casa, falando de músicas, poesias e de filmes românticos, Paulo diante de um olhar mais carinhoso, um afago nos cabelos, um toque nas mãos, se rendeu a um inevitável beijo, transformando finalmente aquela paquera em um namoro.

O ano letivo passou rápido, as férias chegaram e um convite da irmã de Akemi, levou o casalzinho para a terra do sol nascente. Admirado com a hospitalidade dos japoneses, Paulo na companhia de Akemi, que já conhecera o Japão de outras viagens, passou a desfrutar da tradição, da cultura, da culinária e da educação do povo japonês.

Numa tarde, saíram para conhecer alguns pontos turísticos, entre eles, o Palácio Imperial, a Torre Skytree, O Templo Senso-Ji e o Templo Meiji. Alugaram bicicletas e saíram pedalando pelas ruas de Tóquio, até o Parque Ueno. Um parque público, com lago, pedalinhos e repleto de flores de lótus (símbolo do budismo). Diante daquela paisagem romântica, Paulo confidenciou: assim que terminarmos a faculdade, vamos nos casar e viver uma eterna lua de mel no Japão?

Deixando rolar duas lágrimas de felicidade pelo rosto, Akemi exclamou: Watashi wa anata o aishite iru! (Eu te amo!)…

Continue lendo

Crônicas

Crônica do amor profano

Por Nilson Lattari.

Publicado em

Meu nome consta na sua agenda como um nome a mais, mas não existe a coragem de colocar prazer ao seu lado. Para mim você não necessita de palavras, nem mesmo versos bem colocados, não precisa de um jantar à luz de velas, e nem é preciso criar um clima romântico. Sou leviano, sou leve, sou fugaz, sou a vela acesa que ilumina a sua solidão.

Minhas roupas são uma embalagem que se desembrulha como um presente, como caixas de sapatos, de roupas que, alegremente, são compradas em uma butique, em um supermercado, colocadas no chão da sala, do quarto, em cima da cama.

Posso rir se me for pedido, posso colocar as roupas que as fantasias que abundam sua imaginação quiserem, posso chegar chorando, pedindo para que você me proteja, ou posso me deixar espancar, se esse for o desejo.

Sou inerte, sou frio e o meu exterior abunda o falso que você acredita em ser verdadeiro. Não me importa sua cor, sua condição, e me porto da maneira possível, dando a você a impressão de que é dono de alguma coisa.

Rio, no entanto, por dentro. Se você pudesse imaginar o que eu penso, que o meu corpo está ali, mas a minha alma não é possível. Sou leviano, ou leviana, sou o objeto de uso e abuso, sou o objeto de um contrato.

Sou capaz de dizer as palavras que você quiser ouvir, e escutar as suas como se fossem as mais importantes.

Sou um amor comprado, me vendo, e o tato de sua mão que me causa asco, voa áspera pelo corpo trabalhado para que você possa ter.

Estou ao alcance de um telefonema, de um pedido, de um acordo financeiro, para alguém que não é capaz de pedir a outro alguém que simplesmente o ame, e o leviano é a imagem do casal apaixonado que nós inventamos e que se enrola na cama.

Quando vou embora, você não pode perceber o alívio que vai dentro de mim. Não vou perder tempo em velar o seu sono, nem mesmo te acariciar o rosto agradecendo um prazer que você me deu.

O único momento em que elevo as mãos é pegar o dinheiro do pagamento pelo prazer que você sentiu. Ao bater a porta te deixo solitário, quem sabe chorando pela incapacidade de saber viver e sofrer na conquista de um amor legítimo, que te enriqueça nas brigas, nos sorrisos espontâneos, no passeio pela casa, leve e sem ser profano.

Continue lendo

Mais lidas