De um leitor aprendiz

Por Nilson Lattari.

Minha mãe foi a responsável: foi aquela que me alfabetizou. A primeira lembrança de contato com as letras, da qual me lembro, foi corrigir um feirante que escrevera xuxu, em vez de chuchu. A segunda, quando minha mãe cobria o chão da cozinha, que acabara de limpar, com os jornais velhos que guardava; eu me acocorava e lia as manchetes.

O leitor foi se formando assim, no mundo mágico das palavras, e a construção do discurso foi como uma marcenaria de grafismos, uma obra de arte de lápis, papel e letras, imagens construídas na imaginação.

Hoje, compreendo que ler vai além disso. Não basta o contato com as palavras. E somente uma delas, dentre tantas outras, pode funcionar, para o bem ou para o mal, e nos levar à emoção.

A emoção vem da simples coleta da informação, como a leitura para embasamento de uma argumentação futura, da busca pelas fontes que nos pareçam dignas, mais afeitas a embalar corações e mentes em um discurso único, uniforme, e nesse caso doutrinador, ou meramente para fornecer dados aos carentes de discursos que buscam armas de outros para argumentar, para aqueles preguiçosos na arte de ler e interpretar, até o sujeito que, a partir dela, se propõe a revolucionar a si mesmo e ao mundo.

Interpretar não é se emocionar, um gesto mecânico, mas se emocionar ou não com aquilo que interpretamos, imaginamos, é um gesto de envolvimento; mesmo que a falta de emoção também seja contagiante. Portanto, a função emocionar existe sempre. Ler e interpretar é colocar as nossas vivências, a nossa cultura, o nosso discurso familiar contra as palavras que aparecem no mundo a querer impor vontades.

A ordem das palavras altera o discurso, acreditem. Muitas vezes a arte da palavra é uma forma de condução. Ler o discurso habitual, familiar, de fontes amigas é confortante, mas, ler o não habitual, “inimigo”, é, antes de tudo, o confronto com nossos confortos.

Menino, lia de cócoras os discursos, as palavras, hoje, leio de pé, altivo, e preparado para desafiar minhas leituras. Muitas vezes, também como o combatente que precisa de conforto e procura fontes amigas, como o religioso que procura seus livros sagrados, como os desconfortados que procuram a ajuda, a autoajuda.

No entanto, o olhar que procura as palavras, também deve procurar o que se vê, o que se ouve, o silêncio e o barulho das ruas.

No mundo de hoje, conturbado, nossas leituras devem ir além do limite dos papéis, das postagens digestivas das redes sociais, como se compartilhar e curtir fossem leituras.

Afinal, o que está acontecendo, hoje, para você interpretar vai se limitar a consultar fontes amigas e confortantes, ou você deve se propor ao desconforto e abandonar a segurança do barco e aprender a nadar?

O Autor

Nilson Lattari

Nilson Lattari é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br e facebook/blogdonilsonlattari. Vencedor duas vezes no Prêmio UFF de Literatura 2011 e 2014, e Prêmio Darcy Ribeiro – Ribeirão Preto 2014 em crônicas e terceiro colocado em contos no Prêmio UFF em 2009. Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romances no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em contos, crônicas e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem

VEJA TAMBÉM

Nilson Lattari

Sobre desertos

Nilson Lattari

Escritores

#MAIS LIDAS DA SEMANA