As melhores coisas da vida

Foto: morguefile.com

Foto: morguefile.com

Muito se fala sobre as coisas da vida, as melhores coisas da vida. Enumeramos várias delas e damos, no final das contas, o nome de coisa. Que coisa é essa que chamamos de as melhores da vida. Quando, simplesmente, coisas da vida não sejam coisas, produtos comuns, acontecimentos comuns?

Banalizamos nossas situações bem vividas, ou mal vividas, como objetos comuns, quando deveríamos considerar em todos os sentidos que o que nos acontece na vida são construções bem-feitas, mesmo que elas aconteçam sob condições difíceis, ou sejam difíceis de conseguir.

As melhores coisas da vida não são simples. Se são melhores, a própria citação se contradiz. Bons acontecimentos, situações felizes existem para serem lembradas. As piores coisas da vida fariam mais sentido. Porque acontecimentos ruins são coisas, e  esquecidas para sempre.

Se nossas lembranças nos conduzem para o passado dos acontecimentos, aquelas coisas que lá ficaram guardadas não podem ser reduzidas a agrupamentos, ou objetos entulhados em uma prateleira escura, de uma sala escura, que o nosso olhar interno vai iluminar e reaparecer para nós.

Coisas são objetos que jogamos em qualquer canto, sem cuidado algum. As melhores coisas da vida, por serem boas, nunca devem ser ignoradas e colocadas na prateleira comum da coisificação.

Coisificar nossas lembranças, os bons acontecimentos é banalizar nossas aventuras terrenas. Os melhores acontecimentos em nossas vidas são aqueles que nos levam para o futuro, e mesmo os piores, verdadeiras coisas a nos assombrarem, nos traz algum conhecimento para sobreviver.

Deitar em uma cama para dormir, e chamar nossas melhores lembranças para embalar nossos sonhos mostra que aquilo tudo que nós vivemos, revivemos e recontamos sob novas perspectivas não são coisas, são verdadeiros tesouros que temos guardados para relembrar.

Ninguém relembra coisas que ficaram à solta. Coisas são os nomes que damos para qualquer …. coisa, mesmo. A palavra é errada, usada de forma errada, mas lugar comum em todos aqueles que têm lembranças guardadas.

Aquela coisa que me aconteceu, droga, nem quero lembrar dela, por muito tempo. Aí sim temos uma coisa real.

Mantenha os melhores acontecimentos na sua vida, aquela aventura que merece ser revivida, porque ela não é uma coisa, ou, pelo menos, qualquer coisa para ser tratada com desprezo.

O Autor

Nilson Lattari

Nilson Lattari é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br e facebook/blogdonilsonlattari. Vencedor duas vezes no Prêmio UFF de Literatura 2011 e 2014, e Prêmio Darcy Ribeiro – Ribeirão Preto 2014 em crônicas e terceiro colocado em contos no Prêmio UFF em 2009. Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romances no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em contos, crônicas e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. Ambos levam ao infinito, porém em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem

VEJA TAMBÉM

Nilson Lattari

Sobre desertos

Nilson Lattari

Escritores

#MAIS LIDAS DA SEMANA