Não precisamos de mais tragédias em cima das tragédias

Por Marcos Diniz.

Não precisamos de mais tragédias em cima da tragédia.
Observamos que esse início de ano foi bastante trágico, porém mais trágico é o comportamento de algumas pessoas pelas redes sociais, sou extremamente contra a publicação, divulgação, compartilhamento de imagens e vídeos de violência, mutilação, acidentes e outras coisas mais.​

Além de ser algo inapropriado, esse tipo de postagem serve de inspiração para outros retardados praticarem algo ainda pior, oras o cabeça fraca fica olhando o tamanho da repercussão que tal fato teve, ele vai querer fazer pior, observo isso em algumas postagens que as pessoas fazem apenas para chamar a atenção e ganhar “likes”.​

O que me interessa ver o vídeo de um assassinato ? o que me interessa ver as vítimas mortas de um acidente? qual a somatória de coisas boas que isso vai trazer pra minha vida? Nenhuma, nada, então meu caro abutre que não pode ver uma tragédia e ja vai esparramando um caminhão de imagens e vídeos de violência e morte, não precisamos de mais tragédias em cima da tragédia, chega !​

Não ligo mais a TV para assistir jornal, é uma ruminação em cima das catástrofes e um sensacionalismo barato que enoja, Brasil Urgente na Band e Cidade Alerta na Record, são ótimos exemplos de coisa para não assistir, você dar a notícia ,narrar os fatos é uma coisa, agora responda para mim, o que interessa saber se o criminoso era crente, macumbeiro, rico, pobre, preto, branco, não interessa, o que eu quero saber é, foi preso ?, o crime foi solucionado ? A justiça funcionou ? as vítimas serão amparadas ? Tudo feito de forma simples e objetiva, de intuito de levar a informação dentro do “o que?, Quando ?, Onde e Por que ?, ouvir os dois lados da história de forma imparcial e sem julgamentos.​

Teve um site de notícias que fez de tudo para vincular o assassinato da Vereadora Marielle ao Presidente Jair Bolsonaro ou a família dele, o ato de terrorismo na Escola, á liberação da posse de armas, como se bandido ligasse para a procedência das armas, que absurdo, os redatores de notícias estão mais preocupados com a lacração do que com a ortografia e a concordância, um monte de bobagens escritas de forma mentirosa e ainda por cima errada, olha precisamos rever urgentemente a formação dos profissionais da imprensa.​

Estamos focados em proibições, manifestações e esquecendo da saúde mental de nossos jovens, estão a mercê de um calhamaço de informações inúteis, da alienação paterna, vivendo depressivamente embaixo do nosso NARIZ e não estamos vendo porque o celular está na frente de tudo até mesmo da nossa compaixão.​

VEJA TAMBÉM

PENSO, LOGO ESCREVO

Não Rumine problemas

#MAIS LIDAS DA SEMANA