Golfinho morre com tira de chinelo presa ao focinho no litoral de São Paulo

Necrópsia apontou que objeto ficou no local por meses e causou uma grave infecção, impedindo que o animal se alimentasse.

Golfinho é encontrado morto com chinelo de borracha preso à boca (Foto: Divulgação/Instituto Argonauta)

Um golfinho foi encontrado morto com um chinelo preso no seu focinho em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo.

O animal foi achado há duas semanas, após uma equipe do Projeto de Monitoramento da Bacia de Santos ser acionada por moradores da região. Ao chegar ao local, os veterinários encontraram o golfinho já morto na areia da praia do Sapê.

Uma necropsia feita pelos veterinários do Instituto Argonauta, que atua na preservação ambiental da região, apontou que a morte do golfinho ocorreu porque a tira do calçado ficou presa na sua mandíbula durante meses. O objeto causou uma grave infecção, levando à morte.

De acordo com o laudo, o chinelo de borracha “gerou uma lesão muito grave no maxilar superior, impedindo o animal de se alimentar. Consequentemente, causando uma desnutrição severa e consequentemente a morte”.

Necrópsia apontou que a morte do golfinho ocorreu porque o chinelo infeccionou no focinho do animal (Foto: Divulgação/Instituto Argonauta)

A principal suspeita dos veterinários é de que o golfinho tenha enroscado seu focinho na tira do chinelo ao confundi-lo com um alimento boiando no mar.

Segundo o instituto, a poluição está entre as principais causas da mortalidade da fauna local. Ela perde apenas para a pesca predatória – os animais morrem ao ficarem presos nas redes.

Segundo o oceanógrafo Hugo Gallo, casos como esse ocorrem com frequência – é necessário um cuidado especial da população para que evitar acidentes semelhantes.

“Um simples chinelo esquecido na beira do mar pode levar à morte um animal marinho.”

Golfinho com chinelo presoDireito de imagemDIVULGAÇÃO/INSTITUTO ARGONAUTA Image caption Biólogo diz que não é incomum animais morrerem por ingerir ou se enroscar em lixo (Foto: Divulgação/Instituto Argonauta)

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA