Fique conectado

Brasil

Após 16 meses internado, tatuado na testa deixa tratamento contra uso de drogas

Rapaz que teve frase ‘Sou ladrão e vacilão’ tatuada na testa ficou 16 meses internado e teve recaídas. Clínica deu recomendações para ele controlar a dependência química e seguir procedimento para retirar tatuagem.

Publicado em

383

Rapaz tatuado na testa quando estava internado em clínica em Mairiporã — Foto: Glauco Araújo/G1

O jovem de 18 anos, que teve a frase com a frase “eu sou ladrão e vacilão”tatuada na testa por dois homens em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, deixou a clínica onde fez tratamento contra vício de crack e álcool nesta quarta-feira (10). Ele recebeu alta, mas deve seguir recomendações para controlar a dependência química.

Foram quase 16 meses de tratamento desde que ele ficou internado em 13 de junho de 2017 na Clínica Grand House, em Mairiporã, na Grande São Paulo. Recentemente ele foi transferido para outra unidade, em Extrema (MG), de onde saiu em alta do tratamento.

Apesar de ter recebido a alta, esta segunda etapa do tratamento do jovem ocorreu de maneira voluntária, diferente do período inicial do tratamento, que só foi possível por intermediação da Justiça e da mãe, Vânia Aparecida Rosa da Rocha.

O tratamento a que o jovem foi submetido incluiu sessões de terapia à laser para a retirada da tatuagem na testa, que deverá ser continuada por ele mesmo fora da internação. “Ele estava internado de forma voluntária, já tem mais de 18 anos e pode tomar as próprias decisões, ele não estava mais aderindo ao tratamento”, disse a psicóloga Marcela Abrahao da Silveira, que coordenadora da clínica Grand House, responsável pelo tratamento do jovem.

Jovem tatuado na testa ficou 16 meses em clínca fazendo tratamento de desintoxicação — Foto: Glauco Araújo/G1

“Ele novamente se evadiu da comunidade, ele tinha ganho um celular da equipe e teve uma recaída, ele vendeu o celular para usar droga. Conversamos com a família, chamamos a mãe para uma reunião nesta segunda-feira. Inicialmente ela solicitou a internação via promotoria. Esperamos que a família ofereça todo o apoio e respaldo para o jovem.”

“Ele pede, não quer mais fazer o tratamento, quer voltar à sociedade. Ele não quer se tratar mais, chega uma hora que o profissional fica impotente, temos limitações como profissionais. Passamos todas as instruções para ele. Esperamos que ele volte a trabalhar e a estudar. Ele tem o direito de escolha de sair.”

Em nota, a Clínica Grand House disse que “hoje é o dia da alta. Após aproximadamente 1 ano e meio de tratamento esperamos que ele fique bem e que consiga utilizar as ferramentas obtidas durante o tratamento para a dependência química. Seu processo de recuperação continua, a luta contra a dependência química é diária, pois é uma doença crônica – ele deve buscar grupos de apoio (12 passos) e demais recursos disponíveis.”

Os responsáveis pelo tratamento até então disseram no documento que “esperamos que ele ponha em prática as estratégias aprendidas para que consiga lidar com situações de alto risco e que inicie esta nova etapa de sua vida com fé e sucesso. O tratamento para a remoção da tatuagem continua mesmo sem estar mais internado.”

Mãe do adolescente tatuado na testa disse se agressão fosse feita na testa de um rico seria considerada tortura — Foto: Glauco Araújo/G1

O G1 procurou a mãe do jovem para falar sobre o atual momento do filho, mas ela não se pronunciou até a publicação desta reportagem. Segundo informações da clínica, o jovem optou por morar na casa de um tio, em Embu das Artes, na Grande São Paulo.

Durante todo o tempo em que o jovem ficou preso, Vânia revelou ao G1 que enfrentou dificuldades para conseguir emprego.

Durante a internação, o jovem chegou a receber treinamento para conseguir trabalhar assim que tivesse alta. Ele chegou a atuar como monitor dos demais internos na clínica de dependentes químicos em Mairiporã.

Recentemente, o jovem ganhou de presente um celular da equipe de terapeutas que cuidavam de seu tratamento. Apesar de ter gostado do equipamento, segundo os responsáveis pela clínica, ele acabou trocando o aparelho por drogas no dia 3 deste mês.

Segundo a psicóloga Marcela, a partir deste episódio o jovem passou a não responder mais ao tratamento e passou a pedir para deixar a clínica.

Em março deste ano, o jovem foi preso em flagrante por furtar desodorantes em um supermercado, em Mairiporã, na Grande São Paulo. A fiança de R$ 1 mil foi paga, e ele responde em liberdade.

O crime ocorreu por volta das 19h40, quando o jovem estava em um supermercado na Estrada Arão Sahm, no Jardim Nipon, em Mairiporã.

Segundo o boletim de ocorrência, o dono do estabelecimento informou que viu o rapaz colocando dois objetos dentro da calça. Ao sair do local, o comerciante abordou o jovem e descobriu que ele estava com cinco frascos de desodorante escondidos.

A Polícia Militar foi chamada e levou os envolvidos para a delegacia de Mairiporã, onde o caso foi registrado.

Em liberdade

O músico e tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 29 anos, conseguiu progressão da pena e está em regime aberto desde 25 de maio deste ano. Ele deixou a Penitenciária “Dr. José Augusto César Salgado” de Tremembé II, no interior de São Paulo, após a Justiça conceder alvará de soltura, segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP).

Maycon foi preso em 9 de junho de 2017 após tatuar a inscrição “ladrão e vacilão” na testa de um adolescente, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Ele e Ronildo Moreira de Araújo foram condenados pelo crime em 19 de fevereiro deste ano.

O advogado de Maycon, Marco Antônio dos Santos, disse ao G1 que “ele foi condenado pelo regime semiaberto e, como aguardou todo tempo encarcerado, ele já tinha atingido o limite do direito benefício de progressão de regime desde março deste ano. Agora, ele está em regime aberto.”

Segundo Santos, a liberdade de Maycon foi resultado da estratégia de não recorrer da recorrer da sentença, pois o andamento do processo seria mais rápido chegar à liberdade dele sem o recurso, mesmo que discordemos da decisão condenatória.”

No regime aberto, Maycon não pode se ausentar da cidade sem autorização judicial e tem horário para retornar para casa. “Ainda podemos progredir para o pedido de liberdade condicional. Ele está bem, está descansando a mente, por enquanto está trabalhando com a família. Ele é músico e pretende retomar o trabalho nessa área”, disse o advogado.

A decisão do juiz da 5ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo condenou Maycon a pena de três anos de reclusão em regime inicial semiaberto pelo crime de lesão corporal gravíssima e de quatro meses e 15 dias de detenção em regime inicial semiaberto pelo crime de constrangimento ilegal.

Ronildo Moreira de Araújo, 31 anos, foi condenado a três anos e seis meses de reclusão em regime inicial fechado pelo crime de lesão corporal gravíssima e de cinco meses e sete dias de detenção em regime inicial semiaberto pelo crime de constrangimento ilegal.

Brasil

Casal segura menino para que filho o agrida no DF; veja vídeo

Câmeras de condomínio registraram sequência da ação. ‘Agressão psicológica que ele sofreu é um trauma para a vida’, diz tia do garoto agredido.

Publicado em

Do G1
Casal segura menino para que filho o agrida no DF; veja vídeo

Uma partida de futsal entre crianças na quadra de um condomínio fechado, na Octogonal, em Brasília, acabou em cenas de violência no último domingo (9). Pais de um dos meninos que participavam da brincadeira foram flagrados pelas câmeras de segurança agredindo um garoto de 6 anos após um mal-entendido.

Nas imagens é possível ver que, às 17h25, as crianças estão na quadra e um menino cai ao tentar fazer um drible com a bola.

Dois minutos após a queda, um homem aparece ao lado do garoto machucado. É possível ver que ele segura uma outra criança, imobilizando seus braços. Nesse momento, o menino ferido bate no rosto do colega. Em seguida, uma mulher surge na imagem e empurra o garoto que já havia levado um soco.

Enquanto a agressão acontece, as outras crianças ficam acuadas próximo às grades da quadra. Algumas delas aparecem nas imagens chorando.

A tia da criança que sofreu as agressões, Jucinea das Mercês Nascimento, 43 anos, contou ao G1 que o homem e a mulher das gravações são os pais do menino que caiu no chão enquanto jogava bola.

À reportagem, ela informou que teve acesso aos vídeos na segunda-feira (10). Na terça (11), Jucinea registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), denunciando a agressão contra o sobrinho, que tem 6 anos e visitava parentes no prédio.

O G1 tenta contato com o casal suspeito. A tia do menino diz que, apesar das cenas fortes, a criança não ficou com marcas físicas, mas não vai esquecer o episódio.

“A agressão psicológica que ele sofreu é um trauma para a vida.”

‘Tropeçou sozinho’

A servidora pública acredita que os pais do menino que se machucou pensaram que o sobrinho dela havia batido na criança. Ela conta que, depois de levar o tombo, o garoto teria subido para o apartamento com a boca sangrando. O pai, então, desceu até a quadra de esportes para tirar satisfação.

“As gravações não mentem. A criança tropeçou sozinha. Mesmo assim, o pai desce transtornado.”
Uma outra câmera do condomínio mostra o momento em que o pai carrega o filho no colo em direção à quadra onde várias crianças brincavam.

“Ele prende os braços do meu sobrinho para trás. A esposa dele observa toda a cena, grita e ainda empurra o menino com as duas mãos”, descreve Jucinea.

Em entrevista ao G1, ela desabafou: “Isso não se faz nem com um animal. Imagina com uma criança?”. Jucinea disse que não presenciou as agressões, porque tinha ido buscar o filho adolescente em um dos locais de prova do Programa de Avaliação Seriada (PAS) da Universidade de Brasília (UnB). Quando retornou, um vizinho a informou sobre o ocorrido.

“Ele me falou que, quando percebeu a movimentação, até pulou a grade para ajudar o meu sobrinho.”
Depois de ouvir os relatos desse vizinho e de alguns adolescentes que presenciaram a agressão, Jucinea foi ao apartamento onde o casal suspeito estava – os dois não moram no local, mas o endereço pertence à família deles.

“Me apontaram o prédio. Fui até lá, mas a mulher, a agressora, ainda me destratou. Disse que eu não educava o meu sobrinho. Fiquei revoltada. Mesmo com tudo o que aconteceu, eles ficaram achando que a ação foi correta”.

Férias em Brasília

O garoto alvo das agressões mora com os pais na Bahia. Ele veio para Brasília passar uma semana de férias na casa de Jucinea. A servidora pública disse que só teve coragem de contar à irmã o que aconteceu na segunda-feira.

“Eu só podia falar para ela após tomar uma atitude em relação a essa história. Agora, ela não dorme e diz que ‘não estava aqui para proteger o filho ’”, apontou Jucineia.

Em um áudio enviado ao G1, a mãe da criança, Jucimara das Merces Nascimento, afirmou que levará o caso à Justiça. “É lamentável ver um pai junto com uma mãe ter uma atitude dessa. A ponto de segurá-lo para ele não ter o direito de se defender do murro que vai levar. No que depender de mim, isso vai para frente na Justiça.”

“Quando eu soube disso, chorei a noite toda. Sei essas imagens de cor e salteado do tanto que eu já vi. O que eu estou passando não queria que mãe nenhuma passasse. Ver seu filho sem ter o direito de se defender.”

Continue lendo

Brasil

Mulher comete suicídio após matar homem com barra de ferro no Paraná

Crime chocou cidade de Astorga (PR) na manhã desta quarta-feira (12).

Publicado em

Do 24h
Foto: Arquivo pessoal

Por causa do fim do relacionamento amoroso, uma mulher usou uma barra de ferro para espancar e matar um homem, e em seguida cometeu suicídio na manhã desta quarta-feira (12) em Astorga, na Região Metropolitana de Maringá, no norte do Paraná.

Dumira Rosa da Silva, 49, pulou em uma represa e morreu afogada depois de agredir o companheiro Sidney Cândido da Silva, 50. Eles mantinham o relacionamento amoroso há algum tempo, mas Dumira não se conformou com o término e resolveu se vingar da pior forma. Conforme informações de pessoas próximas da vítima, a mulher já vinha proferindo ameaças de morte contra ele, caso o homem não assumisse o relacionamento publicamente.

Os corpos foram encontrados por uma sobrinha da mulher, que caminhava próximo a um bosque em Astorga quando notou o corpo boiando em uma represa no local. Ela reconheceu que se tratava de sua tia quando viu um par de chinelos nas margens da represa.

A jovem foi até a casa da mulher, e chegando lá, encontrou o corpo de Sidney, além da barra de ferro. A Polícia Militar (PM) acredita que Dumira entrou na represa para cometer suicídio, uma vez que ela não sabia nadar. Os corpos foram recolhidos pelo Instituto Médico-Legal (IML) de Maringá.

O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil.

Continue lendo

Brasil

Veículos com placa final 0 devem ser licenciados em dezembro

Donos de caminhões com placas terminadas em 0 e 9 também devem obter o documento até o final do mês; o valor do licenciamento é de R$ 87,38.

Publicado em

O calendário de licenciamento do ano de 2018 chega ao último mês. Agora em dezembro, é a vez dos donos de veículos com placa terminada em 0 realizarem o licenciamento anual obrigatório. O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP) alerta que a partir de 1º de janeiro de 2019 nenhum veículo poderá circular se não tiver regularizado o documento. A taxa para licenciar é de R$ 87,38 para todo tipo de veículo.

Já a multa para quem continuar circulando sem o licenciamento de 2018 custa R$ 293,47. A atitude é considerada infração gravíssima e gera também a remoção do veículo ao pátio, implicando em mais gastos com guincho e diária para o proprietário, conforme prevê o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

O Detran.SP ressalta que não é bom deixar para regularizar a situação na última hora. Quem quiser ser lembrado do licenciamento pode cadastrar o número do celular no portal www.detran.sp.gov.br e aceitar receber mensagem com o alerta de vencimento do prazo pelo departamento de trânsito de forma gratuita. Todo veículo precisa ser licenciado anualmente para poder transitar, independentemente do ano de fabricação.

Calendário obrigatório de licenciamento 2018
Todos os veículos, exceto caminhões
Final de placa Mês obrigatório
1 Abril
2 Maio
3 Junho
4 Julho
5 e 6 Agosto
7 Setembro
8 Outubro
9 Novembro
0 Dezembro
Veículos registrados como caminhão
1 e 2 Setembro
3, 4 e 5 Outubro
6, 7 e 8 Novembro
9 e 0 Dezembro

Como licenciar

O valor do licenciamento em 2018 é de R$ 87,38 para todo tipo de veículo. Não precisa de boleto para pagar, é só informar o número do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) ao caixa bancário ou selecionar essa opção nos terminais eletrônicos das agências ou no internet banking. É preciso quitar possíveis débitos de IPVA, seguro obrigatório e multas, por exemplo.

Retirada do documento

Com o comprovante de pagamento e um documento de identificação em mãos, o condutor deve ir à unidade do Detran.SP onde o veículo está registrado ou em qualquer posto Poupatempo para solicitar a emissão do documento. Se preferir, pode receber o licenciamento em casa. Para isso, tem que pagar o custo de envio pelos Correios, de R$ 11, no momento em que pagar a taxa de licenciamento. O prazo de postagem é de até sete dias úteis após a emissão.

Continue lendo
Banner Star Som
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas