Perua carregada de ovos foi destruída por incêndio em rua de Garça — Foto: Arquivo pessoal
Medição feita com termômetro digital em carro parado no sol registrou temperatura interna acima dos 80ºC — Foto: TV TEM/Reprodução

As altas temperaturas registradas no Centro-Oeste Paulista, com os termômetros atingindo em alguns dias a casa dos 35ºC, despertaram a suspeita que a “onda” de incêndios em veículos na região pode ter como causa também o clima – e não apenas as famosas “panes elétricas”.

Apenas neste ano, o Corpo de Bombeiros registrou 48 casos de carros que pegaram fogo em 13 municípios da região de Bauru (SP).

Alguns especialistas, como o físico Demílson Quintão e os próprios bombeiros, alertam que objetos deixados nos interior dos veículos podem se tornar um problema para o donos do carros.

Com um termômetro digital, a reportagem da TV TEM mediu a temperatura interna de um veículo deixado no sol e o resultado é surpreendente. A temperatura no banco traseiro que ficou exposto à radiação solar registrou 82ºC.

Uma garrafa plástica que estava sobre o banco atingiu 55ºC. Para o tenente Vitor Tozzi, do Corpo de Bombeiros, esses números representam um alerta para os motoristas.

Para o tenente Vitor Tozzi, do Corpo de Bombeiros, concentração de calor pode gerar um incêndio — Foto: TV TEM/Reprodução

“Vidros e garrafas concentram calor. E, numa situação dessas, de calor intenso e num banco em que já está com uma temperatura alta acima de 80ºC, uma concentração de calor pode, sim, originar um incêndio”, explicou Tozzi.

O físico Demílson Quintão explica que no caso de garrafas de água o líquido dentro do vidro pode se transformar numa espécie de “lupa”, que concentra os raios solares e o fenômeno pode eventualmente provocar um foco de incêndio.

Perua carregada de ovos foi destruída por incêndio em rua de Garça — Foto: Arquivo pessoal

Além do forte calor, outra causa comum dos incêndios veículos pode ser a falha na manutenção elétrica. O mecânico Israel Trassi explica que é preciso checar a fiação, os cabos da bateria e verificar se nenhum acessório que consome energia foi instalado fora nas normas de segurança.

“A parte de fusível é muito importante. Além disso, a fiação do carro não pode ter nenhum contato com a parte metálica do veículo. A manutenção é essencial”, diz o mecânico.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Senado aprova ampliação de divulgação sobre jovens desaparecidos

Projeto volta para análise da Câmara.

Governo lança material para prevenção da peste suína africana

Brasil está livre da doença que não tem cura ou tratamento.

Regra que obriga telemarketing a se identificar ainda tem baixa adesão

Medida entrou em vigor há um mês.