Fique conectado

Brasil

Aos 46 anos, mulher descobre que ‘pai’ a sequestrou ainda bebê

‘Vivi, até agora, uma vida de mentira, uma vida que não era minha’, diz Simone Garcia.

Publicado em

643

Simone Garcia tenta encontrar sua verdadeira família (Foto: Reprodução/TV Gazeta)
Simone Garcia tenta encontrar sua verdadeira família (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

No dia 7 de abril de 1975, a lavradora Neide Aparecida Pereira, de 22 anos, saiu de casa para buscar lenha e, quando voltou, sua filha de dois anos havia desaparecido. Na queixa registrada na delegacia de polícia de Tanabi, interior de São Paulo, onde ela morava, Neide apontou como suspeito de ter sequestrado a menina um parente de seu marido, Pedro Antônio Garcia, na época com 34 anos. O caso foi arquivado sem que a criança e o suspeito fossem encontrados.

Após 44 anos, em agosto último, a cuidadora Simone Aparecida Lopes Garcia, de 46 anos, moradora de Cariacica, na Grande Vitória (ES), descobriu que era ela a menina sequestrada e que fora criada como filha pelo próprio sequestrador. O homem que chamava de pai a separou também de duas irmãs mais velhas que ficaram com sua verdadeira mãe. “Vivi, até agora, uma vida de mentira, uma vida que não era minha. Quero encontrar minha mãe e minhas irmãs para reescrever minha história”, disse, ao jornal O Estado de S. Paulo, por telefone, nesta quarta-feira, 6.

Simone conta que desde pequena seu “pai” dizia que a mãe dela, Iraildes da Cunha Lopes, era alcoólatra e havia morrido. Ela, no entanto, nunca tinha visto o atestado de óbito ou qualquer documento a respeito. “Quando eu queria saber mais, ele ficava bravo e, como era um homem violento, eu deixava para lá. Em maio de 2006, ele sofreu um derrame e ficou muito ruim. Fui a última pessoa a falar com ele, antes de morrer, e pedi que falasse se minha mãe estava viva. Ele negou. Preferiu que esse segredo terrível morresse com ele.”

A cuidadora conta que, após a morte do pai, aumentou o desejo de saber mais sobre a mãe. “Eu já tinha meus cinco filhos todos criados, o caçula tem hoje 24 anos, e eles também perguntavam da avó. Decidi então pesquisar sobre ela.” Em busca de informações sobre a mulher que acreditava ser sua mãe, Simone acabou chegando à verdadeira história do homem que se passou por seu pai. “Descobri que Iraildes tinha morrido em 1974, mas também que ela não era minha mãe. Foi quando soube que tinha um processo envolvendo quem se dizia meu pai na delegacia de Tanabi. Quando vi o que era, caiu meu mundo. Fiquei em choque, pois logo entendi que eu era a menina sequestrada e estava lá o nome dele como meu sequestrador.”

Lendo o processo, Simone soube que sua mãe verdadeira, Neide Pereira dos Santos, procurou por ela durante dois anos. “Foi uma busca difícil, pois ela morava na zona rural, era muito pobre. Mesmo assim, ela procurou em casa de familiares dele por toda a região. A família Garcia era bem sucedida, tinha até parente delegado. O processo foi arquivado sem muita investigação.” De acordo com a cuidadora, sua mãe havia sido abandonada pelo seu pai biológico e Pedro, que era casado com uma prima dele e tinha ficado viúvo, pediu abrigo na casa de Neide.

O homem mudou-se para lá com o adolescente Marcos Antonio Garcia, de 14 anos, que ele “pegara para criar” aos 7 anos. Após o sequestro, Pedro a levou para o Paraná e, depois, para o Espírito Santo, sem despertar suspeitas. “Ele dizia que eu era filha dele, que a mãe havia morrido, e mostrava uma foto da Iraildes, além de uma foto minha, criança, no colo dele.”

A própria Simone reconhece que sua vida parece um filme, “um drama daqueles de chorar”. Ela conta que, desde os quatro anos, foi abusada sexualmente por Marcos, que considerava meio irmão. “Isso (abuso) foi até quando eu tinha 9 anos e ele 21. Gostaria que ele fosse encontrado agora e fosse responsabilizado pelo que fez.” Para fugir dos abusos do rapaz e das agressões que sofria de Pedro, ela foi morar com a mãe dele, Jesuína, que considerava sua avó, mas Pedro entrou na Justiça para obter sua guarda de volta. Foi quando a registrou como “filha”.

Simone, que trabalha como cuidadora de deficientes mentais em uma clínica, diz que vive, agora, por dois objetivos. O primeiro é recuperar a identidade que lhe foi roubada. “Vou trocar toda a documentação em que estou registrada como Simone Aparecida Lopes Garcia, para meu nome verdadeiro: Simone Aparecida Pereira dos Santos.” O outro, é encontrar sua verdadeira família. “Neide, minha mãe, está hoje com 66 anos, se estiver viva. Também espero encontrar minhas irmãs.”

Ela está recebendo ajuda de uma organização especializada em buscas de pessoas desaparecidas. “Meus filhos estão me apoiando em tudo. Dois deles, a Camila e o Gabriel, moram comigo. Eles também estão na maior expectativa. Quando o telefone toca, eu tremo, de tanta ansiedade.” A filha Gabriela conta que a mãe recebe também apoio psicológico. “Foi muito horrível tudo isso que ela passou. Vamos fazer de tudo para que ela encontre a nossa avó verdadeira e também outros familiares”, disse.

Brasil

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

Secretaria de Educação informou que educador é temporário e foi devolvido preventivamente pela Coordenação Regional de Ensino da região.

Publicado em

Do Metrópoles
GOOGLE STREET VIEW
GOOGLE STREET VIEW

Um professor do 6º ano do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 104, da Asa Norte, foi desligado da unidade educacional após ensinar sobre sexo anal e oral durante aula de português, na última quarta-feira (13). Na ocasião, ele também pediu aos seus alunos que escrevessem uma redação improvisada sobre o tema.

Segundo denúncia recebida pelo Metrópoles, as crianças fotografaram o conteúdo escrito pelo docente na lousa e gravaram áudios durante a aula.

Nas imagens, é possível ver a data da ocorrência e o tema proposto pelo educador no quadro branco.

“Brasília, 13 de novembro de 2019. Objetivo: fazer o próprio currículo. Redação improvisada. Escrever sobre polidez e transformações afetivo-sexuais na adolescência (pós-infância). Sexo oral e penetração”, escreveu.

Ao lado das exemplificações, ele puxa setas e escreve as temáticas a serem abordadas sobre cada assunto formalmente e informalmente. Entre elas, usa palavras como: “boquete”, “69”, “fio terra”, “punheta”, “dar o cu” e outras.

Veja os registros obtidos pela reportagem:

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

DF: professor é afastado após pedir redação sobre “boquete e 69”

O outro lado
Após receber a denúncia, a reportagem esteve no colégio na manhã desta segunda-feira (18/11/2019). O diretor responsável pela unidade estava em reunião interna com outros professores e informou não ter sido autorizado a dar entrevistas sobre a polêmica.

Uma mãe que não quis se identificar relatou ter tomado conhecimento da ocorrência pelo seu filho de apenas 10 anos. “Ele comentou sobre o professor, que escreveu no quadro algumas palavras, e me disse que nem sabia o que significava. Vou procurar a direção e pedir um posicionamento sobre o que eles estavam aprendendo. Queremos saber qual era o assunto debatido em sala. Uma outra mãe comentou que vai ocorrer uma reunião de pais para falar sobre o assunto. Estou aguardando”, disse a mulher.

Outros pais abordados em frente à escola não quiseram se pronunciar e alguns relataram desconhecer o fato.

Em nota, a Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEE-DF) explicou que a direção da unidade, assim que soube do ocorrido, prontamente procurou pela pasta e pela regional de ensino a fim de oferecer a denúncia e, desde então, o caso está em averiguação.

“A Secretaria de Educação informa que o professor, que é temporário, foi devolvido preventivamente pela Coordenação Regional de Plano Piloto e Cruzeiro, enquanto está investigando a situação no CEF 104 Norte. Se comprovados os fatos, terá seu contrato cancelado”, diz trecho do texto.

Continue lendo

Brasil

Mulher morre após ter pescoço cortado por armadilha feita com arame em rua

Suspeita é que arame tenha sido colocado por criminosos que queria derrubar motociclistas e os roubar.

Publicado em

Do G1
Rosimeire Brito do Nascimento morreu após ter pescoço cortado em armadilha com arame — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Rosimeire Brito do Nascimento morreu após ter pescoço cortado em armadilha com arame — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Uma mulher de 36 anos morreu na madrugada deste sábado (16) após ter o pescoço cortado em uma armadilha feita com arame em uma rua de Formosa, no Entorno do Distrito Federal. A suspeita é que o arame tenha sido colocado para derrubar motociclistas e roubá-los.

Rosimeire Brito do Nascimento trabalhava em um bufê e voltava de um evento quando, ao passar pela Avenida Senador Coimbra, no Parque Vila Verde, foi atingida pela armadilha. O arame estava amarrado entre um poste e uma árvore.

Quando a vítima passou pelo local, o arame cortou o pescoço e ela morreu no local. De acordo com a polícia, criminosos levaram a bolsa e o celular dela. Equipes fazem buscas para tentar identificar e prender quem colocou o arame no local.

O enterro de Rosimeire aconteceu no domingo (17), no cemitério Cruz das Almas, em Formosa.

Armadilha de arame amarrada em poste de Formosa — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Armadilha de arame amarrada em poste de Formosa — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Continue lendo

Brasil

Em carta de suicídio, garota denuncia estupro dos pais

Érica tinha 19 anos e sofria os abusos desde os 15. Ela relata ter contado para a mãe, que não fez nada a respeito. Os pais foram presos.

Publicado em

Do Metrópoles
DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO

A Polícia Civil do Maranhão prendeu um casal na cidade de Governador Newton Bello, no interior do estado, após a filha deles cometer suicídio. Érica Neves, que tinha 19 anos, deixou uma carta, na qual ela diz que o motivo para tirar a própria vida foi o constante abuso sexual sofrido dentro de casa.

De acordo com reportagem do jornal O Dia, Érica afirmava que sofria abusos sexuais desde os 15 anos de idade. Ela disse, ainda, que tinha contado para a mãe sobre o crime, mas que a mulher não fez nada.

Após a denúncia, a polícia passou a investigar o caso e apreendeu os telefones de Érica, da mãe dela, Rosinete Lima Neves, de 40 anos, e do pai, Edmar Cavalcante Neves, de 46 anos.

A troca de mensagens foi comprovada por perícia e o mandado de prisão dos dois foi executado.

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas