Fique conectado

Ciência

Equipe que inclui brasileiros cria ‘músculo artificial’

Material sintético se contrai e dilata como um músculo humano.
Produto tem grande potencial de uso na robótica, dizem pesquisadores.

Publicado em

100

Uma equipe internacional, com a participação efetiva de pesquisadores brasileiros, desenvolveu um novo tipo de material que possui características parecidas com as do músculo humano – o produto recebeu, inclusive, o nome de “músculo artificial”.

O objeto consiste de nanotubos de carbono, substâncias microscópicas que formam uma fibra bastante resistente. Dentro dos espaços vazios que restam nessa fibra, os cientistas colocam algum material que tenha grande potencial de expansão sob alterações de temperatura – no caso, uma parafina.

Nanotubos de carbono formam fibra resistente chamada de ‘músculo artificial’ (Foto: Science/Divulgação)

Dessa forma, a fibra passa a responder a estímulos térmicos se expandindo ou se contraindo. Grosso modo, é a mesma coisa que a fibra muscular humana faz quando recebe os impulsos neurais – que são sinais elétricos. Por isso, o material é conhecido como “músculo artificial”.

A pesquisa publicada pela revista “Science” desta quinta-feira (15) usou estímulos térmicos, mas, segundo os pesquisadores, isso pode ser feito também com estímulos elétricos, químicos ou apenas com a luz. Isso permitiria ao produto operar em condições extremas, desde temperaturas próximas dos -200º C até os 2.500º C.

Apesar do nome, a ideia não é usar o “músculo artificial” para substituir os músculos de verdade do corpo humano, pelo menos não por enquanto. “Essas fibras podem ser usadas para substituir várias peças de automóveis e aviões, que seriam muito mais leves”, apontou Márcio Lima, pesquisador brasileiro que conduziu o estudo na Universidade do Texas, em Dallas, nos Estados Unidos.

Como suportam condições extremas, esses produtos podem ser aplicados em vários campos da robótica, inclusive em sondas espaciais, apontou o autor. Para o uso no corpo humano, no entanto, ainda seria necessário um longo trabalho de adaptação, e o mais indicado seria seu uso em próteses externas, com uma bateria.

Os criadores destacaram a leveza do material porque ele é capaz de suportar um peso até 100 mil vezes maior do que o seu próprio. Segundo os pesquisadores, o material é mais potente do que os motores a combustão.

“Mesmo antes de ter saído o paper , já tínhamos registrado a patente, porque o potencial é muito grande”, destacou Mônica Jung de Andrade, brasileira que é colega de Márcio Lima em Dallas. O responsável pelo grupo é o americano Ray Baughman, da mesmo universidade.

Outros três pesquisadores brasileiros também participaram do trabalho: Douglas Galvão e Leonardo Machado, da Universidade Estadual de Campinas (SP) (Unicamp), e Alexandre Fonseca, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Bauru (SP).

Publicidade

Ciência

Besouro venenoso que pica é encontrado no interior de SP

Onychocerus albitarsis, conhecido como besouro-escorpião, é o único considerado venenoso e capaz de picar pelos ferrões que compõem as antenas. Segundo zoólogo da Unesp de Botucatu, ele foi achado pela primeira vez em Botucatu e Boituva.

Publicado em

Do G1
Besouro-escorpião tem ferrrões nas antenas e foi estudado pela comunidade acadêmica da Unesp de Botucatu (SP) — Foto: Antonio Sforcin Amaral/Arquivo Pessoal

Um simples besouro pode até parecer inofensivo, mas a comunidade acadêmica está pesquisando sobre um tipo que é venenoso e pica: o besouro-escorpião.

Capaz de picar pelos ferrões que compõem as antenas, o tipo “Onychocerus albitarsis” foi encontrado pela primeira vez no interior de São Paulo, nas cidades de Botucatu e Boituva, segundo o zoólogo Antonio Lucas Sforcin Amaral, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu (SP).

Ao G1, Antonio contou que nas duas cidades houve registro de picadas, o que até então havia ocorrido apenas no Peru. Com isso, ele passou a estudar o besouro-escorpião, já que as reações dos pacientes vítimas do besouro foram diferentes.

“Foram apenas três casos da picada do inseto que foram registrados no mundo todo, sendo que um foi no Peru e dois deles aqui no estado de São Paulo, e mesmo após a pesquisa eu tenho dificuldade para achar o besouro no ambiente natural porque não há informações sobre o comportamento dele”, afirma.

A pesquisa, que discute a questão médica em relação aos casos, começou em março de 2018 e foi encerrada em novembro. Ela apontou que provavelmente a composição da toxina do besouro age de forma diferente em cada pessoa, variando de acordo com a sensibilidade.

“É como o caso de uma picada de pernilongo, há pessoas mais suscetíveis que outras”, ressaltou.
Segundo Antonio, o trabalho feito é relevante pelo viés da curiosidade quanto da multidisciplinaridade, já que contou com o auxílio de outros profissionais, como médicos.

“Foi uma pesquisa difícil porque eu possuía apenas dados sobre a descrição do animal. Minha intenção inicial não era estudar sobre o besouro, mas com sorte ele apareceu no meu caminho”, finaliza.

Besouro-escorpião é venenoso e é capaz de picar — Foto: Antonio Sforcin Amaral/Arquivo Pessoal 

Besouro-escorpião é venenoso e é capaz de picar — Foto: Antonio Sforcin Amaral/Arquivo Pessoal

Características

O zoólogo afirma que o Onychocerus albitarsis está associado ao ambiente florestal, em fragmentos de vegetação, e é relativamente difícil de ser encontrado. Apesar de ser venenoso, a picada não oferece risco.

“A picada não é letal e ela oferece pouco risco ao ser humano. Mas o interessante é que os pacientes picados no interior de SP apresentaram sintomas diferentes. A mulher picada em Botucatu teve a reação alérgica que durou 24 horas, já o homem picado em Boituva apresentou apenas dor aguda e o sintoma acabou bem rápido”, explica Antonio ao G1.

Antonio conta que o besouro-escorpião tem cerca de dois centímetros, antenas longas, corpo com detalhes em preto, bege, cinza e uma faixa marrom.

“As colorações são pouco nítidas para ele poder se camuflar, então não há uma característica extremamente chamativa. Quando se sente ameaçado, ele direciona a antena com o objetivo de picar aquilo que o ameaça. Isso lembra o escorpião e por isso o nome: tanto pelo jeito que tenta inocular quanto pelo aspecto do órgão.”

Besouro-escorpião está associado ao ambiente florestal, segundo pesquisador — Foto: Antonio Sforcin Amaral/Arquivo Pessoal

Continue lendo

Ciência

Asteroide maior que pirâmide do Egito passará ‘pertinho’ da Terra

O objeto 2016 NF23 foi classificado como “potencialmente perigoso”, viaja a 32 mil km/h e deve se aproximar na próxima quarta (29).

Publicado em

Do R7
(Foto: Reprodução/Daily Mail)

Prepare-se para ficar chocado! Um asteroide gigante, maior que a Grande Pirâmide de Gizé, com seus 143,5 metros de altura, passará muito próximo da Terra na próxima semana. A velocidade é igualmente inacreditável: 32 mil km/h.

A passagem do Asteroide 2016 NF23 (nome oficial dele) é esperada para 29 de agosto e foi classificado como “potencialmente perigoso” por astrônomos.

Não por acaso: calcula-se que ele tenha cerca de 70 a 160 quilômetros de largura, maior que a Grande Pirâmide de Gizé (ou também Pirâmide de Queóps).

Objetos maiores que 0,05 o tamanho do planeta Terra geralmente recebem essa classificação. A classificação leva em conta seu tamanho e a distância próxima que ele passará da Terra.

Cientistas da Nasa calculam que ele passará a 4,8 milhões de quilômetros da Terra.

É cerca de 13 vezes a distância da Lua para a Terra. Pode parecer muito, mas para padrões espaciais, é quase como “um raspão” para padrões galácticos

A ideia da Nasa é identificar um número maior de objetos do tipo — menores e que passam próximo do planeta — uma vez que cerca de 90% dos asteroides com mais de um quilômetro já estão listados pela Nasa

Não é a primeira vez que tivemos medo do mundo acabar e por isso relembramos os outros “sustos” que a humanidade enfrentou!

Parece que chegamos ao fim do mundo de novo. Sempre parece que agora vai, que dessa vez os maias calcularam certo, que dessa vez o meteoro não vai se desintegrar antes de chegar… dessa vez talvez seja diferente, mas não é a primeira vez que a destruição de tudo que conhecemos nos dá um bolo.

Marshall Applewhite, do culto Heaven’s Gate, previu que a Terra seria reciclada em março de 1997, e que a única chance de salvação era através do suicídio. Ele e 38 outros seguidores se mataram e a Terra não foi reciclada.

O profeta Nostradamus previu muitas coisas. Com “previu muitas coisas”, quero dizer que ele escreveu textos obscuros que foram interpretados como previsões depois que as coisas haviam acontecido.

Ele “profetizou” um fim do mundo em julho de 1999, mas nada aconteceu.

O ano 2000 foi campeão das profecias de fim de mundo: Isaac Newton, Sun Myung Moon e Jonathan Edwards todos previram que o mundo acabaria nesse ano. O tal bug do milênio fez com que muita gente perdesse dinheiro e se desesperasse, e isso só alimentou o completo desespero da população.

Além disso, um culto em Uganda organizou um suicídio coletivo porque pensaram que o mundo de fato acabaria nesse ano.

Nancy Lieder disse que foi abduzida por alienígenas do sistema estelar Zeta Reticuli, e depois desse pequeno networking, fez uma delação premiada aos cientistas, afirmando que o mundo seria invadido em 27 de maio de 2003.

O culto japonês Aum Shinrikyo previu que o mundo seria destruído por uma guerra nuclear entre 30 de outubro e 29 de novembro de 2003.

A Ordem Hermética da Aurora Dourada, uma sociedade secreta inglesa, acreditava que o mundo acabaria em 2010. O mundo não acabou em 2010, mas a Ordem continua existindo (mais ou menos)

Entre agosto e outubro de 2011, muita gente espalhou a teoria que o Cometa Elenin causaria alguma perturbação na superfície do Sol e no nosso planeta. Literalmente nada aconteceu porque o cometa passou longe da Terra, e em pedaços

Uma antiga profecia maia que dizia que o mundo acabaria no exato dia 21 de dezembro de 2012 também foi em vão. A pior parte dessa profecia é que ela não previa o grande desastre que foi o filme 2012. Algumas pessoas acreditam que a humanidade teria tido mais sucesso se o mundo tivesse acabado antes do lançamento desse filme.

O monge maluco e figura histórica Grigori Rasputin previu que o mundo acabaria com uma tempestade no dia 23 de agosto de 2013. O cara era de fato muito preciso com datas.

Não, o mundo não acabou, mas o álbum Halcyon Days, da Elle Goulding, foi praticamente uma tempestade, e de fato foi lançado nesse dia.

Teorizada pela primeira vez em 2008, por Mark Blitz, e depois em 2014, por John Hagee, a Profecia da Lua de Sangue afirmava que o mundo acabaria entre abril de 2014 e setembro de 2015. Já faz dois anos e nada.

Tem mais um na lista agora que é o do planeta Nibiru. A teoria, que existe desde 1995, afirma que Nibiru vai colidir com a Terra. Aparentemente, a destruição da totalidade está programada para dia 23 de setembro de 2017, então é uma boa ideia já preparar os ventiladores para mandar o planeta embora.

 

 

Continue lendo

Ciência

Maior eclipse do século será visto no Brasil; saiba como e onde ver

Fenômeno poderá ser visto já no nascer da Lua em algumas cidades brasileiras – quanto mais perto da costa, mais ao leste, melhor será para prestigiar.

Publicado em

Do G1
'Superlua azul de sangue', que aconteceu em janeiro deste ano é vista parcialmente eclipsada sobre a balsa de Staten Island vista do Brooklyn, em Nova York, nos EUA (Foto: Eduardo Muñoz/Reuters)

Ainda não é o eclipse solar total brasileiro – isso, só em 2045. Por aqui, teremos um eclipse da Lua – quando a Terra, Sol e o satélite estão alinhados, mas com o planeta “no meio” criando uma sombra. Também não é a versão solar do fenômeno, com todo o glamour que foi a versão americana em 2017, mas teremos o eclipse mais longo do século.

Beabá do eclipse

  • Melhor capital para ver é Recife
  • Será mais visível no litoral do país
  • Será visto a olho nu, mas um binóculo pode ajudar
  • Lugares abertos – com horizonte livre e menos luz – são melhores para apreciar

Será na próxima sexta-feira (27), no final da tarde. É uma pena, mas ainda não poderemos chamar de “nosso” eclipse. Esse eclipse lunar total parece que foi feito para a África e Europa verem em sua plenitude, é só ver o mapa que a agência espacial americana (Nasa) fez com os melhores lugares para assistir. Por lá, eles vão acompanhar a melhor fase do fenômeno e serão quase 4 horas de período de umbra – por isso, é o mais longo do século.

Mas dá para ver no Brasil? Sim, quanto mais ao leste, melhor será melhor para assistir. A melhor capital para ver será Recife, de acordo com o astrofísico Gustavo Rojas. É fácil entender: a Lua nasce às 17h15 para a cidade pernambucana, sendo que a fase total do eclipse termina às 18h13 minutos (quando a lua está inteira dentro da sombra). A parcial termina às 19h19. O eclipse já vai estar rolando antes, mas a Lua não vai ter nascido na maior parte do Brasil.

Horário do nascer da Lua no dia 27 de julho

CIDADE HORÁRIO
BELO HORIZONTE 17h34
BRASÍLIA 17h57
CURITIBA 17h47
FLORIANÓPOLIS 17h40
FORTALEZA 17h36
NATAL 17h19
PORTO ALEGRE 17h46
RECIFE 17h15
RIO DE JANEIRO 17h26
SALVADOR 17h22
SÃO PAULO 17h39
VITÓRIA 17h18
Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas