Novo medicamento pode salvar gestantes com eclampsia

União Química e UFMG desenvolvem tratamento pra doença que atinge 5% das grávidas no Brasil e pode levar a morte

Doenças relacionadas à cerca de 40% das mortes ocorridas na gestação e no parto no Brasil, a pré-eclampsia e a eclampsia podem ser superadas em breve. Tratamento inédito desenvolvido por um grupo de pesquisadores brasileiros da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a União Química Indústria Farmacêutica, detentora da licença da patente do medicamento, já passou na primeira fase dos testes clínicos. Trata-se de um anti-hipertensivo para uso durante a gravidez.

Entre 2009 e 2011, a fórmula foi aplicada em 14 gestantes com pré-eclâmpsia grave, caso em que interrupção da gravidez era recomendada. “A medicação melhorou a função dos vasos sanguíneos sem ter sido tóxica para as mães ou para os fetos”, explica o médico Robson Augusto Souza dos Santos, responsável pela pesquisa e professor do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG.

Novo Tratamento
O medicamento é baseado em um fragmento de proteína produzido pelo próprio organismo humano, a angiotensina (1-7), que atua no controle cardiovascular, ajudando a dilatar as paredes das artérias. A substância, produzida em todas as células, integra o sistema renina-angiotensina, que atua na corrente sanguínea, nos rins e no coração. “Com função vasodilatora, a angiotensina(1-7) regula a pressão arterial e em grávidas que sofrem de pré-eclâmpsia, há redução dos níveis dessa substância no plasma sanguíneo”, relata o médico.

Ainda de acordo com o professor, uma das vantagens do uso da molécula no controle da doença é que ela não apresentaria toxicidade para a mulher e o embrião, em qualquer de suas fases, pois é uma substância produzida pelo organismo humano, que aumenta naturalmente na gravidez normal. “A maioria dos medicamentos anti-hipertensivos disponíveis são contraindicados para grávidas, pois desencadeiam malformação em órgãos dos fetos”, acrescenta.

A pré-eclampsia se manifesta mais frequentemente entre as mulheres grávidas pela primeira vez, no último trimestre de gestação. A enfermidade pode evoluir silenciosamente e os sinais mais comuns são a elevação da pressão arterial, dor de cabeça, presença de proteína na urina e deterioração das funções do fígado e dos rins. Em sua fase mais severa, a eclâmpsia pode gerar convulsões, distúrbios visuais, descolamento da placenta e acidente vascular cerebral.

Apesar da alta incidência a doença ainda é pouco compreendida no meio especializado. “Há diversas teorias, mas até hoje não se sabe exatamente como é o mecanismo da eclampsia e como se dá a interação de tantas variáveis, como as ambientais e genéticas, por exemplo, em seu desencadeamento”, destaca Santos.

Pesquisa
O próximo passo da pesquisa, previsto para o primeiro semestre deste ano, é ampliar os ensaios para uma amostragem maior, de 100 mulheres. Depois, envolver outros centros de pesquisa do país e, possivelmente, do exterior – o chamado estudo multicêntrico.

“Imaginamos que todos os testes clínicos sejam concluídos em dois anos e o medicamento poderá ser lançado comercialmente dentro de cinco anos. Esse prazo irá depender da parte regulatória dos órgãos competentes”, explica o diretor médico da União Química, Miguel Giudicissi.

Para esses testes, a União Química já aprovou investimento. A formulação oral, em comprimidos, já foi testada em camundongos e, este ano, será administrada em humanos saudáveis e pacientes hipertensos. “Essas etapas são necessárias para garantir a segurança no uso do medicamento. Se tudo der certo, essa rota poderá ser utilizada em mulheres com risco de desenvolver pré-eclampsia”, acredita o coordenador da pesquisa.

União Química
A União Química Farmacêutica Nacional S.A. está entre as dez maiores empresas da indústria farmacêutica brasileira. Com capital 100% nacional, a empresa busca constantemente levar à população medicamentos de qualidade a preços acessíveis.

Para isso, a União Química investe continuamente em Pesquisa & Desenvolvimento, área que conta com mais de 40 profissionais, focados em ações que envolvem geração de conhecimento e adaptação das tecnologias existentes.

Além das pesquisas internas, a União Química investe em parcerias com várias instituições públicas e privadas brasileiras, com o objetivo de identificar substâncias inovadoras para o tratamento de doenças.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA