Professores dão aulas do lado de fora por causa do tempo quente (Foto: reprodução/TV Tem)
Crianças sofrem com excesso de calor na casa
adaptada (Foto: reprodução/TV Tem)

Alunos e professores da Escola Municipal de Educação Infantil “Rubem Alves”, em Assis, estão enfrentando um imenso desafio: suportar as aulas num imóvel adaptado, pequeno e sob altas temperaturas. O prédio onde deveria funcionar a escola está em reforma.

A obra teve problemas, o projeto precisou ser refeito e faltou dinheiro durante a construção. Por causa disso, a estada na casa improvisada acabou se estendendo, para a preocupação dos pais. Algumas salas de aulas ficam vazias por causa do calor. A situação indigna os pais.

Para Valdirene Alvez Zupa, mãe de aluna, os cômodos são pequenos e abafados. “A situação é lastimável e infelizmente, ao passo que anda a reforma da escola que começou há dois anos, tudo indica que vai continuar para o ano que vem, as crianças vão continuar assim, é desumano o que elas estão passando por esta escola, eu, como mãe, fico triste com o descaso”, afirma.

Nas salas de aula, os 120 alunos têm que driblar a entrada da luz do sol que vem das janelas. Atividades físicas praticamente não existem, primeiro porque não há espaço e muito menos uma área coberta. Na cozinha e no refeitório improvisado é praticamente impossível permanecer. As mães dos alunos têm medo de que isso possa atrapalhar o desenvolvimento dos filhos.

Para Tatiane Raimundo, mãe de aluno, o local é apertado e muitas crianças o dividem. “Seria um quarto onde elas ficam, é muito pequenininho, dá dor de cabeça nela, o ambiente é inadequado para as crianças. Se tem espaço, estuda melhor, aprende melhor, presta mais atenção”, preocupa-se.

 

Professores dão aulas do lado de fora por causa do tempo quente (Foto: reprodução/TV Tem)

Na tentativa de acabar com o problema, os pais levaram a reclamação ao Fórum da cidade, na vara da infância e juventude. Segundo a promotoria, a prefeitura já foi notificada e garantiu que aguarda o início das férias para resolver o problema, seja com obras na casa onde funciona a escola ou o aluguel de outro imóvel.

Em relação às obras da escola, que começaram no ano passado e ficaram paradas por quase cinco meses neste ano, a prefeitura alega que houve falhas no projeto inicial e falta de dinheiro durante a construção. Vinícius Guilherme Similli, secretário da educação, afirma que a obra deve ser entregue no próximo ano.

“O primeiro problema foi em relação ao projeto, que teve que ser refeito, aconteceu algumas falhas, então isso atrasou o inicio das obras, que deveriam começar em 2011, mas só começou em 2012. E o segundo problema foi questão de financeira e orçamentária, durante julho e agosto, diminuímos o trabalho. Nós acreditamos que a obra deve ser entregue no ano que vem”, afirma o secretário de Educação.

Enquanto isso, professores irão ter que enfrentar o forte calor dos próximos meses, seja com bastante água ou uma sombrinha na frente da escola. A situação inclusive tem afastado alunos da unidade. “Eu fico preocupada com a situação, deixo de trazer ela da escola, muitos pais fugiram, eu não posso fazer isso, é a escola mais próxima, ela vai permanecer aqui. O caminho é buscar solução e não abandonar”, destaca Valdirene.

O período letivo termina na próxima sexta feira (14). E uma sugestão do secretário de educação de Assis para os pais que tiverem meios de ficar com as crianças é de buscá-las antes do horário para evitar tanto tempo nesse prédio apertado e com tanto calor.

Local onde deveria funcionar a escola está em obra há dois anos (Foto: reprodução/TV Tem)
Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

ESF Parque Universitário terá sede própria; local já foi definido

Unidade será construída entre as Ruas José Giorge Rodrigues e Amadeu Grotti.

Covid-19: Casos vão a 30.152.402 e mortes a 661.258

Desde o início da pandemia 96,3% dos infectados se recuperaram.

Aprovado piso de dois salários mínimos para agentes comunitários de saúde

Agentes comunitários de todo o país acompanharam as votações no Congresso.

Entidades médicas esperam decisão da Anvisa sobre cigarro eletrônico

Estudos comprovam que dispositivos causam danos à saúde.