Médicos suspendem atendimento aos planos de saúde no dia 7

Para 7 de abril, dentre outras formas de manifestação, estão previstas a realização de atos público, assembleias, caminhadas e concentrações.

Está marcado para 7 de abril a primeira grande mobilização nacional de 2014 com o objetivo de reivindicar melhorias no âmbito da saúde suplementar. Profissionais da área em todo o país promoverão ações que visam dar um ultimato à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e às empresas que operam planos de saúde, além de sensibilizar a população sobre os problemas que se arrastam há anos e que interferem diretamente na qualidade do serviço prestado aos usuários.

Kazuto Sera, presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), regional de Assis (Foto: Arquivo)

De acordo com o presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), regional de Assis, Kazuto Sera, no Estado de São Paulo haverá suspensão do atendimento eletivo aos planos de saúde. “Os atendimentos de urgência e emergência serão mantidos e não haverá prejuízo aos pacientes. Desde já, as entidades solicitam aos médicos que deixem suas agendas em branco no dia 7 de abril. Se, porventura, alguma consulta já estiver marcada para tal data, a orientação é que seja remarcada para o mais breve possível”, disse.

A deliberação foi tomada no encontro da Comissão Nacional de Saúde Suplementar (Comsu), entidade que reúne lideranças médicas, realizado em 14 de fevereiro na sede da APM em São Paulo. Em ato simbólico, os participantes do evento deram cartão amarelo para as operadoras de planos de saúde e à Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Segundo Kazuto Sera, a saúde suplementar cresce cerca de 4% ao ano em quantidade de beneficiários e, por isso, deve ter sua rede credenciada ampliada e seus prestadores de serviço valorizados. “Temos um compromisso com a sociedade e o nosso papel é alertar e denunciar a insatisfação dos médicos e dos pacientes com esse setor que, hoje, é um dos líderes em reclamações nos órgãos de defesa do consumidor. Às vezes, pedimos um exame que demora meses para ser feito, o que pode comprometer nosso atendimento”, acentuou Sera.

De acordo com Sera, será o quarto ano consecutivo em que os médicos se mobilizam em prol de melhorias no setor. Desta vez, a categoria definiu quatro itens de reivindicação que exprimem o histórico de lutas das entidades médicas.

Para 7 de abril, dentre outras formas de manifestação, estão previstas a realização de atos público, assembleias, caminhadas e concentrações.

Reivindicações da saúde suplementar

 Reajuste das consultas e procedimentos tendo como referência a Classificação Brasileira Hierarquizada do Procedimentos Médicos (CBHPM) em vigor.
 Por uma nova contratualização e hierarquização dos procedimentos médicos baseadas nas propostas das entidades médicas nacionais já apresentadas à ANS.
 Pelo fim da intervenção antiética dos planos de saúde na autonomia da relação médico-paciente.
–  Pela readequação da rede credenciada de forma a garantir acesso pleno e digno aos pacientes.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA