Ações de indenização por mortes em hospital de Assis passam de R$ 2 mi

Famílias de três pacientes que morreram entraram na Justiça.
Advogado diz que médicos não estão preparados.

Pacientes morrem no pronto-socorro de Assis (Foto: Reprodução / AssisNews)

Famílias de pacientes que morreram no Pronto-Socorro de Assis (SP) cobram na Justiça indenizações por danos morais que passam de R$ 2 milhões. Nas ações elas afirmam que houve negligência no atendimento e erro médico.

Irene e Roque da Silva perderam o filho Ricardo, de 37 anos, em outubro de 2013. Além da dor, o casal também passa pela revolta do filho não ter sido bem atendido no pronto-socorro. “Teve muita falha, passou por três médicos. Chegou no quarto e não tinham descoberto uma doença”, reclama o pai.

Os pais afirmam que Ricardo foi duas vezes ao pronto-socorro municipal, onde foi tratado como se estivesse com uma virose. Depois disso ele juntou dinheiro e procurou um médico particular, que constatou que o caso era grave. O radialista voltou ao pronto-socorro, onde morreu.

Quinze dias depois, o laudo do Instituto Adolfo Lutz atestou que Ricardo Alexandre da Silva estava com leptospirose, uma bactéria transmitida principalmente pela urina do rato. A família do radialista entrou com uma ação na Justiça contra a prefeitura de Assis por danos morais e pede uma indenização no valor de R$ 1 milhão.

Mais duas mortes que aconteceram dentro do pronto-socorro em julho de 2012 e setembro de 2013 também foram parar na Justiça. As famílias alegam erro médico e negligência no atendimento. Elas pedem indenizações nos valores de R$ 500 mil e R$ 700 mil.

Segundo o advogado Ernesto Nóbile, que representa as famílias, há erros nos diagnósticos e descaso com a população dentro do pronto-socorro. “O tratamento é péssimo, o volume de funcionários é pequeno para o volume de atendimento. Os médicos vêm de Marília, pessoas que estão iniciando na profissão e não tem a experiência necessária para ficar no pronto-socorro. E outro problema grave é que não tem mais no pronto-socorro equipamento de ultrassonografia.”

Em nota, a prefeitura de Assis informou que só vai se pronunciar sobre os casos depois que for notificada de alguma decisão da Justiça.

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA