Fique conectado

Saúde

Secretaria da Saúde de Assis orienta população sobre cuidados com caramujo africano

Molusco pode transmitir doenças aos seres humanos.

Publicado em

122

Em Assis, Secretaria da Saúde orienta cuidados com caramujo africano

A Prefeitura de Assis através da Secretaria Municipal da Saúde orienta à população quanto aos cuidados com o caramujo africano, os quais são comuns aparecerem devido às chuvas e ao calor intenso nessa época do ano.

De acordo com o coordenador do departamento de Controle de Endemias, Cícero Motta, os moluscos são resistentes ao frio e à seca, mas não são venenosos e não ataca as pessoas.

Segundo ele, em Assis não há registro de casos de pessoas que tenham desenvolvido doenças em razão do caramujo e orienta a recolha dos animais sempre com as mãos protegidas, com luvas ou sacolas plásticas e o descarte em lixo orgânico.

Estilo de vida

O que é tecido adiposo marrom?

Ciência avança nas descobertas sobre a modulação do tecido adiposo marrom como alternativa para o emagrecimento .

Publicado em

Do G1

Excesso de gordura na população: como a ciência avança nas estratégias de tratamento — Foto: Divulgação

A ciência vem comprovando, por meio de diferentes modelos de ensaios clínicos e metanálises, que a obesidade é uma doença de caráter inflamatório. O tecido adiposo já foi considerado um órgão endócrino, capaz de secretar substâncias pró-inflamatórias e alterar o perfil hormonal do organismo, gerando um impacto significativo no metabolismo.

Você já ouviu falar no tecido adiposo marrom?

O tecido adiposo marrom (TAM) é um tecido-órgão presente, especialmente, em todos os neonatos de espécies mamíferas. Anteriormente acreditava-se que esse tipo de tecido era encontrado apenas em recém-nascidos, contudo, estudos científicos vêm demonstrando sua presença em determinadas regiões do corpo de adultos e tem ganhado atenção em relação ao seu papel no metabolismo, termogênese e emagrecimento.

O tecido adiposo marrom é um tecido com grande vascularização e encontrado em diversas áreas do corpo, como nuca, ombros e coluna vertebral.

A capacidade protetora do TAM contra doenças metabólicas crônicas é atribuída pela utilização de glicose e lipídeos para a termogênese. No entanto, o TAM também apresenta um papel secretor, contribuindo para as consequências sistêmicas da atividade deste tecido. Moléculas derivadas do tecido adiposo marrom contribuem com esta ação, uma vez que é um tecido com alta concentração de mitocôndrias para geração de energia.

Fatores que ativam o tecido adiposo marrom

Estudos estimam que em torno de 50 gramas de TAM ativo sejam suficientes para aumentar 20% da taxa metabólica basal, ou seja, a quantidade de calorias que o corpo utiliza em repousa para os tecidos e órgãos funcionarem adequadamente. A atividade física é um dos principais fatores capazes de acelerar esse processo e ativar o TAM.

Outro fator discutido em relação a esse tecido é a influência do frio. As baixas temperaturas elevam a concentração de hormônio liberado pelo coração, capaz de ativar o tecido adiposo marrom. Mais estudos devem ser realizados para se comprovar outras formas de ativar o TAM e, consequentemente, contribuir com o tratamento da obesidade e emagrecimento saudável!

Exercício físico pode favorecer ativação do tecido adiposo marrom — Foto: Divulgação

Continue lendo

Saúde

Cândido Mota apresenta ‘risco alto’ para epidemia de dengue

O levantamento mostrou que esse índice está em 9,8, ou nove vezes acima do limite aceitável pelo Ministério da Saúde, que é 1,0.

Publicado em

De O Diário do Vale
Foto: Pixabay/Divulgação

A Secretaria de Saúde de Cândido Mota divulgou na tarde desta quarta-feira, o resultado da mais recente Avaliação de Densidade Larvária (ADL), que determina o grau de infestação do mosquito aedes aegypti nas residências.

Os números indicam que a situação no município está no nível de ‘risco’ para uma nova epidemia de dengue, com proporções ainda maiores que a de 2015. “O levantamento realizado pela Secretaria de Saúde mostrou que esse índice, denominado Índice de Breteau, está em 9,8, ou nove vezes acima do limite aceitável pelo Ministério da Saúde, que é 1,0”, explicou a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Talita Franciscani.

Ela salientou que o quadro é preocupante. “Os dados revelam que os moradores estão baixando a guarda num momento em que a atenção deveria ser total, já que o período é mais crítico, com as condições favoráveis para a proliferação do mosquito presentes, ou seja, muito calor e dias chuvosos”, frisou.

A secretária de Saúde Amanda Mailio Santana, destacou que ‘o grande número de recipientes passíveis de remoção ou alteração em condições favoráveis para o aedes aegypti acendeu a luz vermelha, já que grande número foi encontrado nos locais’. “São lugares em que o próprio morador poderia evitar, seja virando os recipientes de boca pra baixo, colocando em local coberto ou destinando a reciclagem/coleta. Dos recipientes encontrados, o campeão continua sendo latas e garrafas plásticas, seguido por pneus e, em terceiro lugar, os pratinhos de água para consumo animal”, frisou a secretária.

“Agora mais do que nunca precisamos nos unir e nos conscientizar sobre a eliminação de criadouros. O mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya, utiliza focos de água parada para se reproduzir. Portanto, é necessária a vistoria constante de quintais de casas, empresas e outros locais para eliminar qualquer acúmulo de água que possa facilitar o desenvolvimento do vetor”, falou Amanda Mailio.

O prefeito Roberto Bueno também falou sobre os cuidados necessários para evitar criadouros e destacou a importância da participação da população. “A população tem que ser consciente que a responsabilidade de prevenção não é só da gestão pública, precisa ser um trabalho em conjunto. Somente as ações desenvolvidas diariamente pelos agentes não garantem a total eliminação dos focos. É importante que a população não descuide. Os funcionários do departamento trabalharam intensamente durante o ano todo, seja com vistoria e orientação, mas para mantermos o índice de infestação baixo contamos com a população”, afirmou Roberto Bueno.

Continue lendo

Saúde

Prefeitura alerta moradores sobre os cuidados contra a Dengue

Em 2018 houve 9 casos positivos autóctones e 3 importados na cidade.

Publicado em

Assessoria
Prefeitura alerta moradores sobre os cuidados contra a Dengue

A Prefeitura de Assis através da Secretaria Municipal da Saúde por meio do Departamento de Controle de Endemias orienta os moradores assisenses quanto à importância de se manter quintais limpos para o combate ao mosquito Aedes aegypti na cidade.

De acordo com o coordenador do Departamento de Endemias, Cícero Motta, no ano de 2018 houve 150 pessoas suspeitas da doença, das quais apenas 9 casos positivos autóctones e 3 importados.

Nesta primeira quinzena de janeiro de 2019, o Município registrou 6 notificações, sendo apenas 1 caso confirmado importado, ou seja, contraída em região do litoral.

Segundo ele, a análise feita do ano passado comparada com os últimos anos foi considerada positiva, pois através de todo trabalho realizado pela Prefeitura, inclusive com o Programa Assis + Limpa e a Gincana contra o Aedes houve a retirada de toneladas de materiais inservíveis dos quintais de centenas de moradores de toda a cidade.

“É importante que os moradores se conscientizem em manter os quintais sempre limpos, eliminando todo e qualquer recipiente que possa acumular água parada, inclusive com a verificação de calhas, caixas d’água, vasos e pratos de plantas ”, orientou Cícero.

Para evitar a proliferação do mosquito, o coordenador ressalta ainda o trabalho ininterrupto dos agentes de Endemias, com a vistoria nas residências e a nebulização principalmente nos pontos considerados com foco do mosquito.

O coordenador explica ainda sobre a importância dos moradores utilizarem repelentes, principalmente quando viajarem para outras cidades.

“Alertamos ainda que mesmo aquelas pessoas que já contraíram a doença em outro momento, podem se contaminarem novamente com a Dengue tipo 2, já identificada em outras cidades do interior de São Paulo”, lembrou Cícero.

Segundo a Lei Federal 8080/90 que institui o Sistema Único de Saúde – SUS, a responsabilidade com a saúde é um dever do estado e também do cidadão.

Continue lendo
Aflumar Cursos
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Maiara e Maraisa
Publicidade

FaceNews

Mais lidas