Clientes da Energisa reclamam de elevação nos valores das contas em Assis

Um dos clientes teve um aumento de mais de 70% no valor da conta, que passou de 275,42, chegando a R$ 477,76.  

Nos últimos dias, centenas de clientes da Energisa, não apenas de Assis (SP), mas também de outras cidades da região, mantiveram contato com o site AssisNews para denunciar a suposta elevação nos valores das contas de energia elétrica que eles receberam em janeiro deste ano e que se referem ao consumo registrado no mês anterior, ou seja, em dezembro de 2018.

Segundo alguns consumidores, em alguns casos, a conta entregue nos últimos dias está praticamente o dobro mais cara do que fatura anterior. “Não recebi parentes em casa, não mudei em nada a minha rotina e, por este motivo, não entendo porque a conta veio mais cara. Não compreendo como poderia ter consumido mais energia do que no mês anterior”, disse um dos leitores ao AssisNews.

Um dos leitores enviou uma comparação das contas recebidas, uma de dezembro de 2018 e uma de janeiro de 2019. Na de dezembro, o valor da conta é de R$ 275,42, já na de janeiro o aumento no valor da conta é de mais de 70%, chegando a R$ 477,76.

Segundo o representante da Energisa, Carlos Eduardo Mariano, não houve reajuste no valor das contas nos últimos meses, o último reajuste registrado foi em julho de 2018.

“Não houve reajuste nos últimos meses, o último reajuste autorizado pela agência reguladora, a Aneel, foi em julho de 2018 e na ordem de 15,55% em média, dos quais 0,24% foi devido a distribuição de energia” explica.

Ainda segundo Carlos, é comum que nessa época do ano, de dezembro a fevereiro, quando as temperaturas aumentam o consumo de energia também aumentam significantemente. Além do fato citado anteriormente, o recesso escolar naturalmente já provoca aumento de consumo quando se refere a instalações residenciais.

As altas temperaturas exigem que equipamentos de refrigeração consumam mais energia para funcionar adequadamente. Unidades consumidoras com número elevado de equipamentos como ar condicionado, geladeiras, freezers, ventiladores e câmaras frias sofrem grandes variações de consumo nesse período. Residências e comércios como laticínios, frigoríficos e sorveterias são exemplos de unidades que se encaixam nesse perfil.

#MAIS LIDAS DA SEMANA