Fique conectado

Estilo de vida

Gordura abdominal: o que consumir e o que evitar!

Dicas de alimentos que auxiliam na redução da gordura abdominal.

Publicado em

148

Uma alimentação colorida facilita a perda de gordura abdominal com equilíbrio — Foto: Divulgação

Considerada uma queixa frequente em consultório, a gordura abdominal pode ser combatida com ajustes na alimentação que merecem atenção. Além disso, é preciso ressaltar a importância da prática de atividades físicas, especialmente aeróbias a fim de aumentar o gasto energético e contribuir com a queima de gordura, inclusive na região abdominal.

Para isso, o ideal é incluir determinados alimentos que auxiliem na modulação de vias no organismo associadas à oxidação e gorduras e equilíbrio hormonal, e evitar aqueles que potencializem a retenção de líquidos e favoreçam o acúmulo de tecido adiposo. São eles:

Inclua na alimentação:

Frutas cítricas

As frutas cítricas, com destaque à laranja, abacaxi e laranja moro, possuem um papel fundamental no equilíbrio do organismo, especialmente por conta de sua carga de fitoquímicos com capacidade regulatória. Dos benefícios listados do consumo desses alimentos, destacam-se o auxílio na digestão (bromelina do abacaxi), o aumento da queima de gordura (antocianina da laranja moro) e a redução do estresse oxidativo (vitamina C da laranja), todos capazes de contribuir com a modelação corporal

Azeite de oliva

Fonte rica de hidroxitirosol e ômega-9, o azeite de oliva possui alta ação anti-inflamatório que favorece o equilíbrio do organismo quando há excesso de gordura, principalmente visceral.

Semente de chia

A semente de chia é a maior fonte vegetal de ômega-3 e, por isso, essencial no cardápio de quem busca o emagrecimento de forma saudável. O ômega-3 é responsável por minimizas processos inflamatórios envolvidos na adipogênese e auxiliar na regulação dos níveis de cortisol, o hormônio do estresse que é associado ao acúmulo de gordura abdominal.

Inclua o azeite de oliva em diferentes receitas no seu dia a dia — Foto: Divulgação

Evite exagerar nos alimentos que contém:

Açúcar farinhas refinados

O desequilíbrio glicêmico gerado pelo excesso na ingestão de açúcar e de produtos a base de farinha refinada pode resultar em alterações no tecido adiposo e favorecer o acúmulo de lipídeos, além de desequilibrar o metabolismo corporal. O mais adequado é substituir este ingrediente por adoçantes naturais mais seguros e benéficos ao organismo.

Glutamato monossódico

Composto utilizado como realçador de sabor em produtos ultraprocessados (molhos e temperos prontos), o glutamato monossódico é capaz de inibir a liberação de uma substância responsável pela promoção da saciedade, prejudicando a sinalização e contribuindo com o ganho de gordura abdominal.

Pode parecer difícil, mas pequenas mudanças na sua rotina alimentar são suficientes para auxiliar no gerenciamento do tecido adiposo, especialmente na região do abdômen!

As frutas cítricas possuem um papel fundamental no equilíbrio do organismo — Foto: Divulgação

Estilo de vida

Aprenda a fazer uma quiche com nome chique

Aprenda a fazer uma quiche Lorraine.

Publicado em

Do G1
Aprenda a fazer uma quiche com nome chique — Foto: Reprodução/TV TEM

O nome é de origem francesa e a receita é bem saborosa. Com poucos ingredientes, você prepara uma quiche para agradar toda a família. O modo de preparo é simples. Você não vai se arrepender.

Aprenda a fazer uma quiche com nome chique

Ingredientes para a massa:

  • 300 gramas de farinha de trigo (cerca de 2 ½ xícaras de chá);
  • 150 gramas de manteiga gelada;
  • 1 ovo;
  • 1 colher de chá de água gelada (pode variar conforme a qualidade da farinha);
  • 1 pitada de sal.
  • Ingredientes para o recheio:
  • 300 ml de creme de leite (fresco ou de caixinha);
  • 4 ovos;
  • 300 gramas de bacon (em cubinhos);
  • 150 gramas de queijo parmesão ralado grosso;
  • Pimenta-do-reino moída (a gosto).

Modo de preparo:

Coloque a farinha e uma pitada de sal em uma tigela. Acrescente a manteiga. Com as pontas dos dedos, misture até formar uma farofa. Acrescente o ovo e a água e continue misturando até desgrudar das mãos. Molde a massa em formato de bola, envolva em um saco plástico e deixe descansar por 10 minutos na geladeira.

Abra a massa com um rolo. Coloque em uma forma untada e enfarinhada. Cubra o interior do recipiente e fure a massa para evitar bolhas de ar.

Prepare o recheio. Frite o bacon. Escorra o óleo se tiver excesso de gordura. Em uma tigela, misture o creme de leite, o bacon, os ovos, o parmesão e a pimenta-do-reino. Despeje o recheio sobre a massa. Asse a 180°C por 30 minutos. Bom apetite!

Continue lendo

Estilo de vida

Como montar uma refeição com alimentos vegetais?

Veja quais alimentos incluir na sua refeição vegetariana.

Publicado em

Do G1
Não é necessário ser vegetariano para incluir mais fontes vegetais na dieta — Foto: Pixabay/Divulgação

O assunto esta semana é sobre proteínas vegetais e como aumentar seu consumo no dia a dia. Não é necessário você ser vegetariano para incluir mais fontes vegetais na sua dieta, até mesmo substituindo a carne em algumas situações. Afinal, diferentes grãos podem contribuir com a oferta de proteínas e quantidades suficientes de aminoácidos, desde que sejam balanceados nas refeições.

Diante disso, hoje eu trouxe uma combinação de preparações que podem compor o seu cardápio e ainda contribuir com escolhas saudáveis e vegetarianas. Veja:

1. Almôndegas de feijão com beterraba + creme de mandioquinha ou espinafre com ervas e azeite de oliva.

2. Arroz negro com feijão carioca + abóbora assada + cogumelos variados grelhados.

3. Enroladinho de berinjela com recheio de queijos e molho de tomate.

4. Macarrão de arroz com shimeji e legumes assados.

5. Bobó de banana da terra.

6. Espaguete de abobrinha com creme de cogumelos (shitake, shimeji).

Todas as combinações possuem alta densidade de micronutrientes, fiquímicos, fibras e muito sabor advindo da natureza! Os cogumelos, em especial, possuem beta-glucanas que são fibras atuantes na modulação do intestino, facilitando a absorção de nutrientes! Além disso, as beta-glucanas atuam:

  • Redução dos níveis de colesterol
  • Proteção antioxidante
  • Estímulo do sistema imunológico
  • Regulação do apetite

Vamos incluir esse alimento nutritivo na rotina com mais frequência! Aproveite as dicas de pratos que eu mencionei!

Continue lendo

Estilo de vida

Proteínas vegetais: Quais alimentos podem contribuir com seu aporte adequado?

Conheça as proteínas de origem vegetal mais utilizadas atualmente e como incluir na alimentação.

Publicado em

Do G1

Proteínas vegetais ganham espaço na rotina alimentar e apresentam alta qualidade nutritiva — Foto: Unsplash/Divulgação

As proteínas vegetais vêm ganhando espaço na dieta das pessoas, e não apenas aquelas adeptas ao vegetarianismo. O seu consumo aumentou, principalmente por meio de alimentos de origem vegetal que já faziam parte da rotina alimentar da maioria dos brasileiros.

Através de um plano alimentar adequado, é possível garantir todos os aminoácidos essenciais com a combinação de alimentos vegetais que contenham boa proporção de proteína. Os grãos, especificamente cereais e leguminosas, sãos as maiores fontes proteicas e que devem fazer parte do plano alimentar. Além do tradicional arroz com feijão, lentilha, grão de bico, conheça algumas opções para se atentar na hora de ir ao mercado e variar o cardápio vegetal:

Quinua

Considerada um pseudoceral, a quinua é rica em aminoácidos sulfurados e no aminoácido lisina, em uma concentração de aproximadamente 84 mg, sendo que, a necessidade dela diária é de 56 mg de lisina para cada grama de proteína. Além disso, devemos ressaltar sua qualidade de outros nutrientes e fitoquímicos, principalmente os fitoestrógenos, que atuam como análogos de hormônios no organismo, ajudando a prevenir a osteoporose, problemas cardíacos nas mulheres após a menopausa e reforço da imunidade.

Amaranto

O amaranto é outro pseudocereal rico em proteína, apresentando 5% de lisina, aminoácido limitante na maioria dos vegetais, e 4,4% de aminoácidos sulfurados. Apresenta um elevado teor nutritivo, sobretudo, de cálcio, sendo uma opção interessante para pessoas com intolerância à lactose e celíacos, por também não conter glúten em sua composição. Já em relação ao valor de fibras, o cereal apresenta cerca de 13% fibras solúvel, favorecendo a saúde intestinal.

Soja preta

Considera uma versão mais nutritiva do que a tradicional, a soja preta é uma grande fonte de proteínas. Em 100 gramas do grão é encontrado aproximadamente 40 gramas de proteínas, chegando a representar 57% das necessidades diárias. Seu consumo em forma de farinha pode ser eficiente por conta da alta densidade de fitoativos e nutrientes, com destaque as isoflavonas e antocianinas, componentes com alto poder antioxidante e benefícios que contribuem com a modulação do peso corporal e minimização de sintomas associados às fases da mulher, como tensão pré-menstrual e menopausa.

Pensando em suplementação, já encontramos no mercado esportivo diferentes tipos de suplementos à base de proteínas veganas, sendo as mais comuns: proteína de arroz, proteína de batata, proteína de soja, proteína de ervilha e, uma inovação em forte tendência, as proteínas de amêndoas e girassol!

Grãos como cereais e leguminosas são ótimas fontes proteicas vegetais — Foto: Unsplash/Divulgação

Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas