Foto: Nappy
Foto: Nappy

A escrita configura-se como arte milenar, possibilitadora de registros, ferramenta de tradução do consciente e inconsciente, do subjetivo e do concreto. No entanto, a escrita é acima de tudo o que o escritor a torna, por esse motivo sua aplicação é irrestrita e maleável.

Dessa forma, independente de ocupação, uma boa escrita torna-se um super poder. Uma vez que quando aplicado de maneira correta, o poder contido na linguagem e comunicação tem a capacidade de fazer mudanças e tornar ideias extraordinárias em um texto concreto.

O processo para que um escritor possa usufruir dos resultados de uma boa escrita é mais difícil do que aparenta, há habilidades e requerimentos nas entrelinhas dessa arte que não são óbvios para aqueles que estão começando. Por isso, separamos cinco dicas para você que quer começar a utilizar a escrita de maneira a aproveitar todo seu potencial.

Dica 1: Conheça o seu público

Não adianta ser conhecedor de diversas estratégias de storytelling e saber aplicar a linguagem e a gramática de maneira que seu texto não tenha lacunas linguísticas sem saber para quem você está escrevendo.

Leve esse exemplo em consideração: lhe é dado um tema que será apresentado e deve ser aprovado por uma banca de avaliadores. No entanto, não há nenhuma informação ou contexto que indique qual o perfil das pessoas que irão analisar o seu texto.

Levando o cenário em consideração, a conclusão óbvia em relação ao feedback do texto é que as chances da avaliação ser positiva são mínimas. Por isso, é fundamental que você entenda qual o perfil do seu público e escreva seu texto a partir do seu padrão de interpretação e impressão almejado pelo público alvo.

Dica 2: Domine a arte de criar loglines

A utilização de loglines é uma estratégia utilizada para driblar a desorganização textual e bloqueio mental em escritores. No roteiro, por exemplo, as loglines constam de um resumo de duas linhas, onde a primeira irá contextualizar a obra e seu conflito principal e a segunda apresentará uma particularidade do texto.

Além disso, a ordem “lógica e ideia principal para resultado” das loglines também contribuem com o processo de criação de um rascunho mais organizado. Deste modo, o processo de criação do texto final torna-se muito mais fácil e seu texto será muito mais conciso.

Dica 3: Domine a estrutura do gênero textual utilizado

Seja na escrita de um tweet ou de um trabalho de TCC, a aplicação da linguagem é um aspecto fundamental da comunicação escrita. Para melhor entendimento: imagine que você está abrindo o aplicativo Twitter e se depara com um tweet formatado como um email formal de maneira não irônica.

No princípio, este modelo de escrita iria chamar atenção, porém iria perder a relevância em pouco tempo, sendo caracterizado como ignorância em relação ao contexto em que o tetxo está sendo publicado.

Da mesma maneira, você não pode escrever um TCC completo com todos os aspectos estruturais perfeitamente aplicados, para depois utilizar a linguagem informal em seu texto.

Com a finalidade de dominar a estrutura de um gênero textual, é fundamental que você esteja acostumado com o conteúdo, para isso você pode utilizar exemplos pré existentes de textos complexos, como monografias, artigos e pesquisas científicas.

Porém, não adianta estar habituado com o gênero textual e não entender as nuances e regras do mesmo. Para isso, aproveite a vasta gama de guias gratuitos de escrita disponíveis na internet e comece a praticar a partir do conhecimento adquirido.

Dica 4: Mostre, não conte

Um erro comum dentre escritores é a omissão de detalhes fundamentais para a contextualização. Isso se deve ao fato de que o autor já tem uma perspectiva e narrativa definida em seu planejamento, porém, ao colocar suas ideias no papel esquece que a perspectiva do leitor é completamente diferente. Assim, a experiência do leitor e do autor tornam-se em completamente distintas.

Por exemplo: autores são mais sucetíveis a acabar esquecendo detalhes importantes para a contextualização de um texto em uma autobiografia. Isso acontece pelo fato de já estarem familiarizados com a história e considerarem pequenos aspectos importantes básicos, tornando sua relevância para o texto questionável de acordo com a sua opinião pessoal e subjetiva.

A técnica “mostre, não conte” pode ser aplicada em textos das mais variadas origens e finalidades. Diante disso, no contexto de um TCC, a contextualização do tema demonstra ser um elemento essencial. Para se acostumar com uma estrutura com boa contextualização, muitos autores utilizam de um modelo de TCC pronto, assim ganham familiaridade com o trabalho ideal.

Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Como falar bem sobre qualquer assunto

Tem uma palestra ou apresentação para fazer? Ou simplesmente quer saber se…