Pesquisa registra história de vida de cidadãos idosos na cidade (Foto: Arquivo)
Pesquisa registra história de vida de cidadãos idosos na cidade (Foto: Arquivo)

Um grupo de alunos do curso de História da Unesp de Assis está desenvolvendo um trabalho de recolhimento de depoimentos dos participantes do Núcleo Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), da Unesp. O objetivo é registrar as histórias de vida dos habitantes Assisenses.

De acordo com o coordenador do projeto Eduardo José Afonso, professor do Departamento de História, a história oral é importante, “não só como elemento primordial no trabalho do historiador, como também no resgate da auto-estima do depoente, que rememorando os acontecimentos de sua vida volta a sentir-se útil na sociedade”.

O professor enfatiza que se a sociedade industrial não tem memória é porque o idoso, depois de aposentado, não participa mais da cadeia produtiva e, por isto, é deixado de lado em todas as questões importantes como cidadão. “Este trabalho resgata o mecanismo triste de descaso pelo cidadão de terceira idade”, diz.

Participam do projeto seis alunos do curso de História. A previsão é que o trabalho – com pelo menos 300 depoimentos – termine no próximo ano. Em seguida será feito um tratamento dos dados tendo como fundamento as bases desenvolvidas por teóricos da História Oral, como: transcrição dos depoimentos; organização de um banco de dados; além do preparo do material como fonte de pesquisa para historiadores e interessados no tema.

“Depois de transcritos os depoimentos e registrados em mídias adequadas, doaremos o material ao Centro de Documentação e Apoio à Pesquisa (Cedap), em Assis, para que seja consultado por estudiosos, não só do campo da História, mas de outras áreas também”, finaliza Eduardo.

Envolvimento dos alunos
A aluna Luciana Francisco, do 3º ano do curso de História e uma das integrantes do grupo, conta que os idosos são esquecidos na sociedade capitalista. Para ela, uma questão essencial é como resgatar e valorizar o idoso numa sociedade excludente. “A sociedade afasta o idoso como produtor ou o transforma em consumista quando sua aposentadoria é atrativa”, diz.

Já para Augusto Martins Ramires, também do 3º ano do curso de História, este projeto viabiliza tratarmos da teoria e da prática, uma vez que estamos trabalhando com seres humanos. “Apreendemos o ser humano”, diz. Para ele, os depoimentos vêm buscar a memória viva de captação do passado, de pessoas que viveram os acontecimentos históricos. “É uma outra forma de perceber a história”, ressalta.

Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Prefeitura instala câmeras após aumento nos furtos no cemitério

No primeiro trimestre deste ano, já foram registrados dois furtos.

Servidores que atuam como vigilantes de plantio de palmeiras denunciam más condições de trabalho

Administração municipal negou acusações.

Santa Casa de Assis realiza 1ª cirurgia cardíaca aberta

A cirurgia foi a troca da válvula aórtica por uma moderna prótese.

Morador sofre queimaduras em 60% do corpo em explosão de gás encanado

O Corpo de Bombeiros foi acionado e auxiliou no resgate da vítima