Associação de Assis reabilita animais vítimas de queimadas

Apass abriga mais de 700 bichos, parte deles ameaçada de extinção.
Segundo Inpe, mais de 40 mil queimadas já foram registradas neste ano.

Animais recebem tratamento especial que incluem até mamadeira (Foto: reprodução/TV Tem)

O tempo seco e a falta de chuva estão contribuindo para o crescimento do número de queimadas na região. E os animais silvestres são as principais vítimas dos incêndios. Em Assis (SP), graças ao trabalho de voluntários, alguns animais vítimas do fogo estão recebendo tratamento e sendo devolvidos à natureza.

São vários animais resgatados como quati, cachorro do mato, gato mourisco, araras, papagaios, tucano, macaco. No local, eles estão bem à vontade. Alguns recebem tratamento especial, com direito à mamadeira. Todos esses animais silvestres vivem na Associação Protetora de Animais de Assis (Apass).

O filhote de onça parda é o mais novo morador. Ele foi encontrado por um funcionário de uma usina de cana. A colheitadeira cortou parte do rabo do animal. O bicho foi resgatado pela Polícia Ambiental e deve passar por exames para confirmar se está bem de saúde. A Apass cuida de bichos apreendidos com traficantes e principalmente de animais vítimas de queimadas e de atropelamentos.

O guaxinim brasileiro, por exemplo, foi atropelado em uma estrada ao fugir do fogo que atingia a mata. O animal, que está ameaçado de extinção, quebrou a bacia e ficou cego de um olho. Agora , ele já está em recuperação. Nos últimos meses, 30animais chegaram à associação, vítimas dos incêndios.

Filhote foi resgatado em um canavial da região (Foto: Giliardy Freitas/ TV TEM)

“É muito triste ver o animal da forma que ele chega. Maltratado, queimado, atropelado, temos recebido muitos animais vítimas de atropelamento nas rodovias da região, chegam em situação precária e nem sempre conseguem sobreviver e quando conseguimos recuperá-lo e devolver na natureza , é muito gratificante para gente”, conta a bióloga Natália Godoy.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) conta com ajuda de satélites para monitorar, diariamente, as queimadas em todo país. Em 2013 até agora, mais de 43 mil queimadas foram registradas no Brasil. Cinco mil delas só nos primeiros dez dias de setembro.

Gaxinim brasileiro é um dos animais que vive na
ONG (Foto: reprodução/TV Tem)

Segundo o Ibama, muitos incêndios são criminosos. Os bombeiros têm dificuldade para conter o avanço das chamas em grandes áreas. O maior problema é quando o incêndio atinge áreas de preservação. No local a temperatura pode chegar a mil graus centígrados. Os prejuízos ao meio ambiente e aos animais são incalculáveis.

A associação de Assis abriga 700 animais e conta com a dedicação de voluntários e doações de colaboradores. Ela foi nomeada pelo Ibama e pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente de São Paulo, como Centro de Reabilitação de Animais Silvestres. Apenas cinco entidades no Brasil receberam esse título.

Apesar de todo esforço, são poucos os animais que retornam à natureza. “De todos os animais que recebemos a gente consegue, em média, com muito esforço, devolver cerca de 30% à Natureza”, explica o biólogo Aguinaldo Marinho, presidente da ONG.

Apass é um dos cinco centros de reabilitação de animais silvestres do país (Foto: Divulgação/ Apass)
Inpe já registrou mais de 40 mil queimadas neste ano no país (Foto: reprodução/TV Tem)

#MAIS LIDAS DA SEMANA