Perito condena casa do Residencial Parque Colinas

Em 2011, após a CEI, houve inúmeras denúncias sobre a triagem e distribuição das casas,além de reclamações das situações dos imóveis.

O processo ainda esta em andamento, mas o perito designado pelo Juiz Federal, já fez o encerramento da pericia (Foto: Assessoria)

O vereador João da Silva Filho Timba DEM, presidiu no ano de 2011 a (CEI) comissão especial de inquérito aprovada na Câmara  municipal, para apurar possíveis irregularidades na construção, triagem, e distribuição das casas do projeto minha casa minha vida, construídas no residencial Colinas com recursos do Governo Federal.

Na época, houve inúmeras denúncias sobre a triagem e distribuição das casas, e logo após, os sorteados reclamavam da situação do imóvel, que não funcionava o aquecedor solar e durante de chuvas inundava inúmeros imóveis, sem contar as explosões de lâmpadas devido as goteira pelo forro, e as rachaduras era visível, e algumas casas apresentavam afundamentos na sala, cozinha e banheiros. Na época a CEI foi formada pelos vereadores  Timba presidente,  Kiko Binato relator e digitador, e José Fernandes membro.

A comissão  ouviu: moradores, as construtoras, funcionários municipal, secretário da promoção Social da época, e representantes da Caixa Econômica Federal .No final o processo contou com mais de 700 paginas e confirmou diversas  irregularidades ; Na triagem, na distribuição, e também na construção dos imóveis.

Logo após o encerramento dos trabalhos o presidente da CEI, vereador Timba encaminhou cópia do processo para  a prefeitura municipal, responsável pela triagem e distribuição dos  imóveis, para o ministério Publico Estadual, ministério Publico Federal, Policia Federal de Marília, e levou pessoalmente uma cópia, no Ministério das Cidades  em Brasília, para as providencias cabíveis.

Para fechar todas as brechas Timba solicitou ajuda de um advogado amigo que entrou com uma ação em favor de uma moradora que teve os bens domésticos perdidos pelas águas das chuvas, e problemas de saúde, tanto físicos como emocionais, causados pelos problemas encontrados no imóvel. O processo ainda esta em andamento, mas o perito designado pelo Juiz Federal, já fez o encerramento  da pericia, e constatou que o terreno da casa não foi compactado  adequadamente. Que na construção do imóvel se usou demasiadamente  areia, e cal  e insuficiência de cimento, que motiva o esfolhamento das paredes.

No telhado se constatou má qualidade de todo material, falta de cintamento de viga causando  embarrigamento ,  no madeiramento motivo das  goteiras e infiltrações. Relata o perito que da forma que se encontra não apresenta risco eminente de desmoronamento, todavia se a  situação  permanecer da forma que se encontra pode vir a representar RISCO à vida dos moradores. Varias outras irregularidades foram apontadas pelo perito e o mesmo orçou em 21 mil e trezentos reais, para a reforma do imóvel  e deixou claro que tudo aconteceu por falha de projeto ou execução. Timba lembra que a maioria das casas estão na mesma situação.

#MAIS LIDAS DA SEMANA