Chegada do verão requer cuidados com o animal de estimação

Altas temperaturas também podem causar sofrimento aos bichinhos.
Nesta época do ano, alguns cuidados devem ser redobrados.

Passeios e viagens podem ser incluídos no dia a dia do animal, mas com restrições (Foto: Divulgação)

Com a chegada do verão geralmente aumenta a frequência dos passeios ao ar livre, viagens e diversão em família. Mas, ao mesmo tempo em que nos motivam a sair de casa, as altas temperaturas também podem causar sofrimento aos animais de estimação.

Os pets precisam de cuidados especiais, confira algumas dicas do médico veterinário da Total Alimentos, Wander Palomo.

No verão, o ideal é que o tutor dê banhos nos cães de 15 em 15 dias. Mesmo que seja refrescante, o excesso de banho retira a proteção natural da pele deles e os expõe à alergias, fungos e doenças dermatológicas, que são ainda mais frequentes nos períodos quentes. Se o animal estiver com mau odor, o banho até pode ser realizado semanalmente, mas é importante lembrar dos cuidados, como manter a água morna a fria.

Cães e gatos comem menos no verão?
No verão, ao contrário do que ocorre no inverno, o metabolismo dos pets fica mais lento e ele gasta menos energia para o funcionamento do organismo. Logo, cães e gatos tendem a comer menos no calor.

Mas não é só isso: os cães e gatos procuram as horas mais frescas do dia para se alimentar, por isso o ideal é que o tutor forneça o alimento pela manhã ou à noite. Algumas pessoas, principalmente as que têm gatos, acreditam que o pet não está se alimentando, mas na verdade o gatinho está comendo durante a madrugada, pois tem hábitos noturnos e também prefere a temperatura mais baixa da noite para comer.

É importante lembrar que, incentivar a alimentação não significa deixar a ração do pet disponível a todo o momento. O alimento exposto pode oxidar, por causa do calor e da umidade, e ficar rançoso.

Cães e gatos podem ter câncer de pele?
Infelizmente, sim. Geralmente as lesões de câncer de pele ocorrem nas áreas sem pelo, como barriga, ponta das orelhas, focinho, ao redor dos olhos,  e geralmente em cães e gatos de pele despigmentada (rosada), brancos, claros e albinos. Para prevenir a doença, evite a exposição solar prolongada do pet e use bloqueadores solares nas regiões de risco. No verão as tosas são mais frequentes, mas precisam ser cautelosas para não retirar todo o pelo do animal. Gatos sem pelo, como Sphynx, precisam de cuidados redobrados e proteção solar todos os dias. Evite sempre a exposição solar do seu pet entre as 10 e 16 horas.

Que outra doença pode acometer os pets?
No verão, a incidência de doenças dermatológicas aumenta consideravelmente.  As alergias podem ser causadas por vários motivos, principalmente por picada de pulgas e carrapatos e intolerância alimentar.  Coceira e lambidas excessivas são os sinais mais frequentes, ao percebê-los o tutor precisar levar o pet ao veterinário. No caso das alergias alimentares, os cães podem apresentar intolerância a algum tipo de proteína e precisar de alimentos específicos, coadjuvantes no tratamento de dermatopatias, mas só o médico veterinário poderá analisar o quadro para diagnosticar a causa da alergia.

#MAIS LIDAS DA SEMANA