Tribunal Interdiocesano localizado também recebeu queixa — Foto: Reprodução/Google Maps

A Diocese de Assis (SP) informou nesta terça-feira (31) que afastou os dois padres denunciados por cometerem abusos sexuais contra um seminarista. Os abusos teriam ocorridos entre anos de 2002 e 2003, quando o denunciante tinha 16 anos. A Polícia Civil investiga o caso.

O homem que se apresenta como vítima dos religiosos, hoje ex-seminarista e com 36 anos, registrou na último quinta-feira (26) um boletim de ocorrência para reforçar as denúncias feitas por ele no passado ao Tribunal Interdiocesano localizado na mesma cidade.

No documento divulgado pela Diocese, a instituição religiosa destaca que o afastamento das funções sacerdotais é uma medida cautelar enquanto a investigação das denúncias está em andamento e que, após as apurações, se não ficar comprovado a medida cautelar será revogada.

O g1 teve acesso ao documento que foi assinado pelos dois padres investigados, estando ambos, portanto, cientes do afastamento a partir do dia 30 de maio. A Diocese também foi questionada em relação ao andamento do processo interno, porém não se manifestou.

Investigação policial

A Delegacia de Defesa da Mulher confirmou que foi aberto um procedimento para apurar o caso, e que as primeiras diligências devem ser realizadas nos próximos dias. Detalhes não foram passados, já que a apuração corre em sigilo.

A vítima afirmou, inclusive, ter localizado outras vítimas dos supostos abusadores e garantiu que existe um parecer da Santa Sé, em Roma, sede da Igreja Católica, para prosseguimento da apuração interna devido à riqueza de detalhes de sua denúncia ao tribunal religioso.

A assessoria de imprensa do Vaticano também foi procurada pelo g1, mas não se manifestou até a última atualização.

Abusos

O ex-seminarista disse ao g1 que demorou tanto tempo, cerca de duas décadas, para denunciar o caso por conta dos traumas envolvidos, trabalhados ao longo de muitos anos de tratamento psicológico.

Segundo seu relato, ele foi estuprado por um padre em 2002 e depois manteve uma relação por dois anos com o segundo, que o teria “ludibriado” após obter sua confissão sobre a violência sexual sofrida anteriormente.

Deixe um comentário

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora gratuitamente sua conta e faça parte.

Assine nossa newsletter

Receba as notícias do AssisNews diretamente em seu email.

VOCÊ PODE GOSTAR

Filme gravado na periferia de Assis é selecionado para Festival Internacional de Curtas de SP

Em 2022, o festival recebeu um total de 2.745 inscrições, vindas de 96 países.

Curso de Modelagem de Camisetas, Polos e Agasalhos será realizado em Assis

Indicado para costureiras, estilistas, ou todos que possuem interesse em modelagem de roupas.

Homem que possui esquizofrenia mata mãe a facadas

Vítima foi encontrada deitada na cama, com duas perfurações no peito.