Fique conectado

Mundo

A estranha doença conhecida como língua ‘peluda’

Apesar do nome, não nascem pelos na língua; patologia bucal deixa língua com coloração escura e textura peculiar.

Publicado em

609

Sintomas da doença são náusea, halitose, distúrbio degustativo e, obviamente, uma aparência pouco atraente da língua (Foto: The New England Journal of Medicine)

Imagine a cena: você acorda e, ao escovar os dentes olhando-se no espelho, descobre que sua língua está completamente negra.

O caso não é tão raro quanto se imagina e aconteceu com uma americana de 55 anos, segundo o que publicou a revista científica The New English Journal of Medicine nesta semana.

A mulher, que não teve seu nome divulgado, havia sofrido um acidente de trânsito e foi levada ao hospital para receber tratamento médico.

Ao tomar um antibiótico chamado monociclina, relatou ter tido náuseas e um sabor ruim na boca. Foi quando percebeu que sua língua estava negra e com uma textura desagradável.

O médico Yasir Hamad, responsável pelo caso, disse que a suspeita era de que se tratava de um transtorno conhecido como “língua negra pilosa”, conhecida popularmente como “língua peluda”.

A doença é reversível e não deixa sequelas, mas pode gerar traumas.

Mas em que consiste essa enfermidade e o que pode provocá-la?

Se um dia você tiver essa doença, não se preocupe: não nascerão pelos em sua língua.

Mas ela, muito provavelmente, ficará com uma coloração escura e uma textura peculiar, dando-lhe uma aparência ‘peluda’.

Cores diferentes

Hamad, que é professor-assistente da Escola de Medicina San Luis, da Universidade de Washington, explica que a “língua negra” pode ser um dos efeitos colaterais de alguns antibióticos, principalmente a tetraciclina.

Mas também pode ser resultado de má higiene bucal, ou provocada – e até mesmo acentuada – pelo uso de enxaguante bucal que irrita a mucosa da língua, tabagismo e algumas infecções.

Há médicos que descrevem a doença como “benigna e indolor”.

De qualquer maneira, essa enfermidade é considerada relativamente comum e atinge cerca de 13% da população, segundo a Academia de Medicina Bucal dos EUA.

A doença pode se manifestar em pessoas de qualquer idade, mas é mais comum em adultos, especialmente homens.

Segundo explica a entidade, “há um descolamento defeituoso do tecido que cobre a língua. Normalmente, a língua é coberta por estruturas cônicas chamadas papilas filiformes. Essas papilas geralmente têm aproximadamente um milímetro de comprimento.”

Em casos severos, a extensão de cor escura pode ser bastante acentuada, dando uma aparência similar a pelos na parte superior da língua.

Em 2006, publicação acadêmica publicou caso de fumante que viveu com doença por vários anos (Foto: The New England Journal of Medicine)

“Quando as papilas não se desprendem adequadamente, alimentos, bactérias e, às vezes, fungos podem se acumular na superfície da língua”, informa a Academia de Medicina Bucal americana.

Ao se acumularem, produzem várias cores: marrom, branco, verde ou rosa, dependendo da causa específica, segundo a entidade.

Certos tipos de bactérias ou fungos também são responsáveis pela cor preta.

Segundo os médicos, apesar da aparência desagradável, essa patologia pode ser revertida com o tratamento adequado. Eles garantem que não há sequelas.

Hamad explica ser necessário suspender o agente que está provocando ou acelerando a doença. Mas nada disso adianta se o paciente não melhorar sua boa higiene bucal.

No caso da mulher atendida por Hamar, a paciente interrompeu o uso do antibiótico e, quatro semanas depois, viu sua língua voltar ao normal.

Náusea, halitose e distúrbio degustativo

O New English Journal of Medicine também divulgou o caso de um homem, fumante, de 85 anos de idade, sem antecedentes médicos relevantes que sofria da mesma doença.

Os autores do relatório, médicos da Universidade de Medicina de Essen, na Alemanha, disseram que ele apresentava uma coloração negra e de ‘aparência peluda’ na língua. O homem viveu anos com a enfermidade.

Os médicos Andreas Korber e Joachim Dissemond disseram que os sintomas dessa doença podem ser “náusea, halitose, distúrbio degustativo e, obviamente, uma aparência pouco atraente da língua”.

Eles recomendam “aumentar a hidratação e a salivação” e “escovar a língua com uma escova macia”, usando retinóides tópicos ou ácido salicílico.

A Academia Americana de Medicina Bucal dos EUA recomenda que, se a pessoa tiver a doença da língua peluda uma vez, é preciso cuidado redobrado pois as chances de que ela se manifeste novamente são altas.

Mundo

Arqueólogos encontram tumbas com múmias de gato no Egito

Descoberta foi feita em Sacará, a 30km do Cairo. Também foram achadas estátuas de outros animais e múmias de escaravelhos dentro das tumbas, que são do Egito Antigo.

Publicado em

Do G1
Arqueologistas recuperam uma estátua dentro da tumba encontrada perto de Sacará — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Arqueólogos egípcios encontraram sete tumbas da Era dos Faraós com dúzias de múmias de gatos em Sacará — sítio arqueológico a cerca de 30km da capital do Egito, Cairo. A descoberta também inclui múmias de escaravelhos — as primeiras a serem encontradas no local, afirmou neste sábado (10) o Secretário-Geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Mostafa Waziri, à agência de notícias americana Associated Press (AP).

O Egito Antigo — época em que os faraós reinaram — reverenciava os felinos e fazia adoração à deusa Bastet, que tinha a cabeça de gato. Além das múmias, também foram encontradas estátuas de madeira retratando outros animais — como um falcão, um leão e uma vaca. Outras 100 estátuas de gato em madeira dourada e uma estátua de bronze, dedicada a dedicada a Bastet, estão entre as descobertas, afirma a Agência France Presse [(AFP).

Segundo a AFP, a descoberta ocorreu “em torno de uma área rochosa em torno do complexo funerário de Userkaf na necrópole (real) de Saqqara”, que era a capital do Reino Antigo, disse o ministro de Antiguidades, Khaled El Enany. Três dessas tumbas, afirma o ministro “datam do tempo do Novo Império e foram usadas como uma necrópole para gatos”.

As outras quatro tumbas remontam ao tempo do Antigo Império (4.300 anos aC), “das quais a mais importante é a de Jufu-Imhat, guardião dos edifícios pertencentes ao palácio real, datando do final da Quinta Dinastia e do início do VI “, segundo o ministro.

Saqqara é uma vasta necrópole da região da antiga Memphis, onde incontáveis tumbas e os primeiros faraós foram encontrados.

O Egito vem aumentando a publicidade em torno de descobertas históricas, destaca a AP, na esperança de recuperar o setor de turismo no país — devastado pela turbulência que se seguiu às revoltas de 2011 que levaram à queda de Hosni Mubarak.

Equipes retiram gatos mumificados encontrados em tumbas no Egito — Foto: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

Arqueologistas recuperam uma estátua dentro da tumba encontrada perto de Sacará — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Arqueologista recupera uma estátua dentro da tumba encontrada perto de Sacará — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Estátua de gato feita de bronze em exposição na necrópole. — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Artefatos em exposição na necrópole. — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Arqueologista recupera uma estátua dentro da tumba encontrada perto de Sacará — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Gatos mumificados dentro de uma tumba na necrópole perto das pirâmides egípcias, em Sacará. Arqueologistas locais descobriram sete tumbas da era farônica contendo dúzias de múmias de gato e estátuas de animais feitas de madeira. — Foto: Nariman El-Mofty/AP

Continue lendo

Mundo

Jovem morre na Austrália 8 anos depois de comer lesma e ter o corpo paralisado

Molusco é vetor de um verme que causa um tipo de meningite.

Publicado em

Do G1
O australiano Sam Ballard, ao centro, morreu após comer lesma em brincadeira — Foto: Reprodução/Facebook

O ex-jogador de rúgbi Sam Ballard, de 28 anos, morreu na sexta-feira (2) vítima de um verme que contraiu há oito anos após comer uma lesma durante uma aposta com amigos em Sidney, na Austrália. Uma doença causada pelo parasita deixou quase todo o corpo do jovem paralisado durante esse tempo.

De acordo com depoimentos dados à imprensa australiana, Ballard bebia vinho em um encontro com os amigos quando o grupo percebeu uma lesma passar pelo chão do terraço onde estavam. Provocado pelos companheiros, o jovem, à época com 19 anos, engoliu o animal vivo.

Somente dias depois, Ballard começou a se sentir mal. Primeiro, dores nas pernas. Ele e a família, então, procuraram um médico – suspeitava-se de esclerose múltipla, doença que acometeu o pai do rapaz.

Mas diagnóstico mostrou que Ballard contraiu meningite eosinofílica, uma das doenças causadas pelo verme Angiostrongylus cantonensis. Lesmas e caramujos são hospedeiros naturais desse parasita, que, muitas vezes, é contraído após esses moluscos consumirem fezes de rato.

A maioria dos casos não evolui para complicações. Em Ballard, porém, a doença o deixou em coma por 420 dias. Quando acordou, todo o corpo estava paralisado.

Comoção popular

A história ganhou páginas de jornais australianos e espaço em programas de TV do país, mostrando os cuidados da mãe, Katie, com o jovem paralisado. Ballard perdoou os amigos que o provocaram a engolir a lesma, e eles continuaram a fazer parte do dia-a-dia do ex-jorgador de rúgbi.

Segundo relato da jornalista Lisa Wilkinson, apresentadora de um programa de televisão que retratou a vida de Ballard, o rapaz passou os últimos dias de vida cercado pelos amigos e da mãe.

O funeral de Ballard está marcado para esta quinta-feira (8). Em postagem nas redes sociais, Jimmy Galvin, um dos amigos presentes na brincadeira em que Ballard comeu a lesma, convocou amigos cantores e músicos acústicos para participar da cerimônia.

Essa lesma existe no Brasil?

Infestação de caramujos em Colatina, no Espírito Santo, preocupa moradores — Foto: Wando Fagundes/ TV Gazeta

Não se sabe qual a espécie de lesma o jovem australiano engoliu. No entanto, casos recentes envolvendo caramujos que também podem transmitir o parasita foram registrados no Brasil.

Recentemente, caramujos africanos foram encontrados no Maranhão, no Espírito Santo, no Acre. em São Paulo , em Pernambuco e em Minas Gerais. Além da meningite, os moluscos podem transmitir esquistossomose, outra doença causada por verme.

Continue lendo

Mundo

Tigresa ‘assassina’ é morta na Índia

A tigresa foi considerada responsável pela morte de 13 pessoas desde junho de 2016.

Publicado em

Animal, chamado T1 por caçadores e Avni por defensores da fauna, foi morto a tiros na floresta do estado de Maharashtra — Foto: MAHARASHTRA FOREST DEPARTMENT/AFP

Uma tigresa, que já matou mais de uma dezenas de pessoas nos últimos dois anos, foi abatida com um disparo na Índia, para o alívio dos moradores, mas provocou uma controvérsia sobre as condições de sua morte.

Uma das mais impressionantes “caça ao tigre” em décadas terminou na sexta-feira (2) à noite quando o animal, chamado T1 por caçadores e Avni por defensores da fauna, foi morto a tiros na floresta do estado de Maharashtra (centro-oeste).

Mais de 150 pessoas foram mobilizadas durante meses para encontrá-la e foram disponibilizados recursos consideráveis para este fim.

Mas a polêmica se espalhou rapidamente. A mídia indicou que nenhum calmante foi usado para tentar anestesiar Avni-T1, mãe de dois filhotes de 10 meses.

A tigresa foi considerada responsável pela morte de 13 pessoas desde junho de 2016. Sua primeira vítima foi uma mulher cujo corpo foi encontrado em uma plantação de algodão. Desde então, a maioria era pastores homens.

A Suprema Corte autorizou a operação, embora o tigre seja uma espécie em perigo de extinção no país. Mas a instância especificou que o animal poderia ser morto se os calmantes não tivessem efeito.

As autoridades lançaram um programa para preservar a população de tigres na Índia. Seu número chega a mais de 2.200 exemplares, segundo um último censo de 2014, tendo registrado um mínimo de 1.500.

Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Publicidade

FaceNews

Mais lidas