Polícia Militar de Assis orienta população contra golpe por telefone

Muitos já caíram nesse golpe e continuam caindo, depositando aos bandidos montantes em dinheiro ou mesmo créditos de celular.

Na dúvida, ligue para a Polícia Militar pelo telefone 190 e peça auxílio.

O Comando do 32º BPM/I, visando evitar que novos golpes ocorram, orienta a população sobre ligações telefônicas simulando sequestro de familiares e outros golpes, em que indivíduos de dentro de cadeias e penitenciárias, ligam cobrando resgate ou solicitando recargas de celular. É importante que você reúna seus filhos, pais, avós e funcionários e dê as seguintes orientações:

– não se identifique imediatamente quando alguém liga e perguntar com quem fala. Repita a pergunta para ele: “quem é você?”, “com quem quer falar?”.

– procure manter a calma para ter condições de identificar a veracidade dos fatos.

– as ligações normalmente são a cobrar ou oriundas de outros Estados, como RJ, BA, MG, etc

– o suposto sequestrador ameaça a vítima e determina a todo momento que o telefone fixo ou celular não seja desligado em hipótese alguma;

– a pressa do criminoso é uma das principais características do falso sequestro por telefone, pois no sequestro “verdadeiro” as quadrilhas especializadas não têm pressa, sabem que os familiares do refém precisarão de tempo para levantar o dinheiro do resgate

– no sequestro verdadeiro, a primeira ligação geralmente é curta, oportunidade em que o sequestrador comunica à família “que o parente foi sequestrado”, comenta sobre o valor do resgate (sempre alto) e desliga o telefone, voltando a ligar depois;

– o valor solicitado para o resgate é pequeno, em torno de 1 a 10 mil reais ou créditos para telefones celulares pré-pagos; o negociador aceita qualquer quantia e abaixa os valores rapidamente a pedido da vítima;

– o fato do bandido fornecer uma conta bancária para depósito do dinheiro é um forte indício de golpe e não de sequestro;

– o criminoso não permite que a vítima converse com o familiar sequestrado, não fornecendo assim a chamada “prova de vida”, comum em todo sequestro verdadeiro.

– geralmente faz uma encenação dramática como se o sequestrado estivesse desesperado, chorando e pedindo socorro. Indague ao suposto sequestrador qual foi à hora e local exato que seu parente foi capturado e as vestimentas do refém. Faça uma pergunta que somente o parente sequestrado saiba.

– o criminoso ficará nervoso e alegará que matará a vítima se o valor não for pago, e não responderá a pergunta;

– anote em um papel o número do telefone, horário da ligação e registre boletim de ocorrência.

Infelizmente, muitos já caíram nesse golpe e continuam caindo, depositando aos bandidos montantes em dinheiro ou mesmo créditos de celular.

Na dúvida, ligue para a Polícia Militar pelo telefone 190 e peça auxílio. Muitos prejuízos foram evitados e vidas salvas graças a uma rápida ligação!

#MAIS LIDAS DA SEMANA