Jornalista tem carro, bolsa e objetos de trabalho roubados em Paraguaçu Paulista

Crime aconteceu na tarde de segunda-feira (02). No veículo estava a bolsa com de R$ 650 em dinheiro, cheques, um celular Samsung, cartões e documentos pessoais.

Jornalista Denise Moreira (Foto: Reprodução/i7Notícias)
Jornalista Denise Moreira (Foto: Reprodução/i7Notícias)

A jornalista Denise Moreira foi vítima de roubo na tarde desta segunda-feira, dia 02, no momento em que saia da sua casa, no centro de Paraguaçu Paulista. Ela teve o seu carro, bolsa e objetos de trabalho levados pelo assaltante.

A vítima, moradora da Rua Conselheiro Rodrigues Alves, relatou à nossa reportagem que estava retirando o seu carro da garagem e ao sair para fechar o portão foi abordada pelo bandido.

“Eu deixei o carro ligado para fechar o portão, aí um rapaz veio detrás do carro e falou assim para mim: ‘Você vai voltar para dentro’. Eu fui correndo para o lado dele para poder tirar a chave do carro para ele não sair, mas aí ele pegou e saiu”, relatou Denise.

Veículo roubado (Foto: Reprodução/i7Notícias)
Veículo roubado (Foto: Reprodução/i7Notícias)

Dentro do veículo, um Peugeot/207 HB, estava a bolsa da jornalista com cerca de R$ 650 em dinheiro, cheques, um aparelho celular Samsung Gran Duos de cor preta, cartão de crédito e documentos pessoais. Além disso, também estavam os seus equipamentos de trabalho, sendo uma câmera digital Canon T5i, um microfone sem fio, dois cartões de memória de 16gb, três pendrives e um gravador de áudio.

Após a realização do boletim de ocorrência, policiais iniciaram buscas pela cidade, mas o próprio irmão da vítima conseguiu encontrar o veículo, que estava abandonado na Rua Antonina Rosa Affini, na Vila Nova. O carro estava ‘depenado’ e a bolsa e objetos roubados não foram encontrados.

A jornalista pede para que todos fiquem atentos caso alguém lhes ofereça para comprar uma câmera digital Canon T5i e um aparelho celular Samsung Gran Duos de cor preta. Se isso ocorrer, entre em contato na Delegacia de Polícia Civil. Fica o alerta: crime de receptação, tipificado no código penal brasileiro no artigo 180 que reza: “Art. 180 – Adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar, em proveito próprio ou alheio, coisa que sabe ser produto de crime, ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira, receba ou oculte…”, podendo a pena para esse crime poder variar de um a quatro anos de cadeia ou nos casos mais graves pode chegar à condenação de três a oito anos de reclusão, sem prejuízo da multa.

#MAIS LIDAS DA SEMANA