Cão que matou idosa em Prudente está ‘saudável’ e deverá ser encaminhado para a adoção

Conforme o CCZ, animal não apresentou sintomas de raiva e pode ser direcionado à guarda de uma empresa ou propriedade rural.

Rottweiler ficou em observação no CCZ e não apresenta sinais de raiva (Foto: Reprodução/TV Fronteira)

Deverá ser colocado à disposição para a adoção, nesta quinta-feira (17), o cão da raça rottweiler que foi encaminhado ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) após atacar e matar uma idosa, de 86 anos, no Parque Castelo Branco, em Presidente Prudente. O animal esteve em observação no órgão municipal por dez dias.

De acordo com o CCZ, por enquanto, a família responsável pelo cão, por meio de um sobrinho da vítima, não demonstrou interesse em ficar com o animal. Haverá um último contato e, com a negativa, a partir desta quinta-feira (17), o cão será colocado para a adoção.

Devido à raça do animal, deverá ser uma adoção especial, ou seja, não deverá ir para uma família, inclusive por conta do incidente, e sim um ambiente diferente, como, por exemplo, um sítio ou para alguma empresa, na situação de guarda e com pouco contato pessoal, segundo o médico veterinário Célio Nereu Soares, diretor do CCZ.

Após a adoção, a responsabilidade passará a ser do dono do animal, ou seja, o CCZ não realiza um acompanhamento. “No caso, se houver maus-tratos, deve ser denunciado à Polícia Ambiental”, informou o órgão ao site G1.

Rottweiler ficou em observação no CCZ e não apresenta sinais de raiva (Foto: Reprodução/TV Fronteira)

Observação

O cão foi conduzido ao CCZ no dia 2 de agosto, após atacar uma idosa, de 86 anos, no quintal de casa. Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima sofreu “politraumas” pelo corpo provocados pelo animal, um macho, da própria residência, e morreu no local.

O animal, então, permaneceu por um período de dez dias em observação no Centro de Controle de Zoonoses, sob tratamento e exames. De acordo com o diretor do órgão, o cão não apresentou sintomas de raiva.
“O animal está saudável e não tem nada que impeça a sua adoção. Somente, em decorrência do fato, deve-se ter alguns cuidados”, salientou o diretor do CCZ ao G1.

De acordo com Soares, o interessado em adotar o cão deve ir até o Centro de Controle de Zoonoses, onde serão feitas verificações, inclusive de sua destinação/utilização, devido ao fato ocorrido.

Cachorro foi recolhido por homens do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar (Foto: Gelson Netto/G1)

VEJA TAMBÉM

#MAIS LIDAS DA SEMANA