Fique conectado

*

Associação e sindicato de delegados questionam ação da PM na morte de suspeito de roubo e estupro

Em ofício enviado ao secretário de Segurança Pública, representantes das instituições pedem rigor na investigação do caso. Suspeito de invadir casa e estuprar moradora em Tarumã foi morto em troca de tiros, segundo a PM, mas o documento alega que vídeos obtidos pela Polícia Civil negam essa versão.

Publicado em

82

Associação dos Delegados da Polícia Civil de São Paulo e sindicato que também representa a categoria questionaram, em ofício enviado ao secretário de Segurança Pública de São Paulo, a atuação dos policiais militares envolvidos na morte de um suspeito de roubo e estupro em Tarumã (SP).

No dia 24 de junho, Ednilson de Oliveira Camargo, de 29 anos, foi morto após ser localizado pelos policiais militares no acostamento da SP-333 e tentar fugir por um córrego. A Polícia Militar informou na época que o suspeito teria atirado contra os policiais que revidaram e ele acabou atingido.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública iformou que o atendimento de casos em que há Morte Decorrente de Intervenção Policial (MDIP) deve seguir rigorosamente o disposto na Resolução SSP 40/15, que determina o comparecimento das Corregedorias e dos Comandantes da região, além de equipe específica do IML e IC.

Ofício pede rigor nas investigações e ressalta que houve descumprimento das medidas estabelecidas para estes casos (Foto: Divulgação )

Ainda segundo informações da PM, Ednilson era suspeito de invadir uma casa, roubar R$ 200 de um casal que mora no imóvel e ainda estuprar a moradora, de 23 anos, após trancar o marido dela no banheiro. As vítimas teriam reconhecido o suspeito por meio de fotos e com base nessas informações os policiais localizaram o suspeito.

Na época, a Polícia Civil já havia informado que não houve registro do boletim de ocorrência dos fatos pelos policiais, mas mesmo assim foi aberto dois inquéritos – um para investigar a ação dos policiais e outro os crimes que teriam sido cometidos pelo suspeito.

Na nota envida pela SSP, a secretaria ainda ressalta que não compactua com desvios de conduta por parte de seus integrantes e que abriu um processo para investigar a conduta dos policiais e os afastou das funções.

Documento destaca que a Polícia Civil não foi informada em nenhum momento da ocorrência e isso atrapalhou as investigações (Foto: Divulgação )

Questionamentos

No entanto, as instituições que representam os delegados pedem na carta que sejam tomadas “providências necessárias cabíveis nas esferas criminal, administrativa e de improbidade em desfavor de membros da Polícia Militar de São Paulo, em face do deliberado descumprimento de Resolução SSP nº 40, de 24 de março de 2015.”

A SSP informou que o ofício já foi encaminhado para a corregedoria da Polícia Militar que vai prestar os esclarecimentos aos solicitantes.

A resolução de 2015 destacada pelas instituições determina que investigação de mortes decorrentes da ação de policiais militares deve ser atribuição da Polícia Civil, sem qualquer exceção, como também está ressaltado na nota da SSP.

O texto também reforça o papel da Polícia Civil na investigação de casos onde há morte de civis em ações policiais (Foto: Divulgação )

De acordo com o documento, os PMs envolvidos na ocorrência descumpriram uma série de determinações nesses casos. Eles teriam tirado o corpo do local dos fatos, alterando a cena do crime, e levado diretamente para o IML em Assis. Além disso, teria sido o próprio médico legista que acionou a Polícia Civil, que não tinha conhecimento dos fatos por não ter sido informada pela PM.

A norma de 2015 também restringe a remoção de vítimas de morte ou ferimentos causados por intervenção da Polícia Militar pelos próprios policiais. Deve ser sempre priorizado o atendimento pelo Samu e a remoção só pode ser feita no caso demora no atendimento e após a autorização do comando.

A carta questiona ainda a justificativa dos policiais de que houve resistência do suspeito e cita provas que fazem parte do inquérito policial que investiga a conduta deles:

“Situação em que, muito embora os investigados alegassem ter agido em legítima defesa, as imagens de vídeo coletadas pela Polícia Civil demonstram a deliberada intenção do policial de derrubar o civil da motocicleta, de chutá-lo quando deitado no solo e de desferir um tiro mortal, sem que o civil esboce qualquer reação nesse ínterim. Reforçam essa conclusão a necropsia que detectou tiro “de diante para trás e de cima para baixo” e a constatação, pela perícia, de que não havia arma diversa da dos policiais no local dos fatos.”

Arma usada pelo suspeito foi apreendida pelos policiais em Tarumã (Foto: Polícia Militar / Divulgação )

Diante disso, a carta reforça que há indícios de um caso de homicídio cometido com dolo e que, portanto, é de “ competência da Justiça Comum estadual para o processamento e julgamento tanto do Inquérito Policial quanto da eventual ação penal dele originada.”

Ainda de acordo com as instituições que representam os delegados a conduta dos policiais criou um conflito entre o que é de competência da Polícia Civil e da Militar em casos de investigações de mortes de civis em decorrência de intervenções policiais.

Ofício das entidades que representam os delegados foi encaminhado para a Corregedoria da Polícia Militar (Foto: Divulgação )

Publicidade

*

Caminhão carregado com cerveja tomba e carga fica espalhada em rodovia

Carreta que tinha saído de Maringá (PR) e seguia no sentido de Agudos tombou no trevo para Lutécia. Motorista não se feriu e passageira foi socorrida com ferimentos leves.

Publicado em

Uma carreta que transportava cerveja tombou na manhã deste sábado (14) na rodovia José Bassil Dower (SP-421), em Paraguaçu Paulista (SP). As latas ficaram espalhadas pelo acostamento da rodovia.

Segundo o Corpo de Bombeiros, uma das vias está interditada para a retirada do veículo e da carga.

Ainda de acordo com os bombeiros, a carreta, que tinha saído de Maringá (PR) e seguia no sentido de Agudos, tombou no trevo de acesso para a cidade de Lutécia.

O motorista não se feriu e a passageira foi socorrida com ferimentos leves para o pronto-socorro de Paraguaçu Paulista. Moradores da região estiveram no local e levaram parte da mercadoria espalhada. A empresa responsável pelos produtos não foi localizada.

Fardos de cerveja transportados pela carreta (Foto: Manoel Moreno)

Caminhão ficou tombado e via precisou ser interditada (Foto: Manoel Moreno)

Moradores levaram parte da carga de cervejas (Foto: Manoel Moreno)

Continue lendo

*

Casal cai em golpe e perde mais de R$ 40 mil ao tentar comprar carro

Vítimas de Cândido Mota trocaram mensagens com um homem que se dizia sócio do dono do veículo. Depois de depositarem o valor combinado, o estelionatário sumiu com o carro e com o dinheiro.

Publicado em

Um casal de Cândido Mota (SP) caiu em um golpe e perdeu mais de R$ 40 mil ao tentar comprar um carro pela internet.

A compra do veículo pela professora Priscila Oliveira e o marido foi planejada durante anos. Até que em um aplicativo de compra e venda os dois encontraram o carro com um preço que, segundo eles, seria a “oferta perfeita”.

Pelo celular, o casal trocou mensagens com o homem que se dizia sócio do dono do veículo. Depois de negociarem e combinarem uma data para que pudessem ver o carro, Priscila e o marido saíram de Cândido Mota e foram até Lins para se encontrarem com o rapaz.

Mensagens trocadas pelo casal com o suposto vendedor (Foto: Arquivo Pessoal)

Eles já tinham feito o depósito na quantia pedida pelo vendedor, cerca de R$ 42 mil. No entanto, chegando lá, ele não apareceu.

“Quando percebemos o que tinha acontecido, fomos direto para o banco. Chegando lá, nos orientaram a ir direto para a delegacia, pois o dinheiro já havia sido movimentado”, conta Priscila Oliveira.

No plantão, o casal tentou novamente entrar em contato com o suposto vendedor.

“Dissemos que estávamos na delegacia. Logo ele disse que iria devolver o dinheiro e, um tempo depois, nos mandou a foto de um comprovante de transferência. Mas meu nome estava escrito errado e foi aí que percebemos que aquilo também era falso”, relata a professora.

Depois disso, de acordo com o casal, o homem deletou o número e não foi mais possível entrar em contato com ele.

De acordo com Priscila, o estelionatário teria enganado ela, o marido e também o dono do veículo.

“A gente trabalha tanto. Tiramos dinheiro da nossa poupança, vendemos nosso próprio carro. Aí para chegar alguém e fazer uma coisa dessas? É muito cruel”, lamenta.

De acordo com o delegado da Polícia Civil de Lins, o caso está sendo investigado e procedimentos estão sendo realizados para que o dinheiro depositado pelo casal seja recuperado.

Casal de Cândido Mota viu fotos do carro pelo anúncio feito na internet (Foto: Reprodução/TV TEM)

Continue lendo

*

Coruja presa em buraco é resgatada pelos bombeiros em Ourinhos

Ave foi encontrada por trabalhadores de uma construção. Ela foi encaminhada para a base da Polícia Ambiental e será solta em seu habitat natural.

Publicado em

OCorpo de Bombeiros de Ourinhos (SP) resgatou, na manhã deste sábado (14), uma coruja que estava presa dentro de um buraco na Vila Santo Antônio.

De acordo com a corporação, a ave estava no fundo do buraco, que tem aproximadamente oito metros de profundidade.

Ela foi encontrada por trabalhadores de uma construção que acionaram os bombeiros.

De acordo com a equipe de resgate, a coruja não estava machucada. Ela foi encaminhada para a base da Polícia Ambiental e depois será solta em seu habitat natural.

Continue lendo
WhatsAssp AssisNews
Solutudo 300
Publicidade

FaceNews

Mais lidas