Criança de oito anos morre após passar por três unidades de saúde

Kauã Francisco dos Santos passou por dois hospitais de Maracaí antes de morrer, seis dias depois, no Hospital Regional de Assis. Exames vão investigar causas da morte.

A família de um menino, de 8 anos, que morava em Maracaí (SP), protesta contra a morte da criança após ter passado por três unidades de saúde. A dona de casa Viviane Santos, mãe de Kauã Francisco dos Santos, cobra explicações em relação à demora no diagnóstico do filho.

A mulher conta que procurou atendimento duas vezes no hospital de Maracaí assim que o filho começou a reclamar de dores na cabeça.

Como a criança não melhorou, ela levou o filho até o Centro de Saúde da prefeitura. O estado de saúde do menino seguiu complicado e ele foi levado novamente para o hospital de Maracaí.

Seis dias depois da dona de casa ter procurado atendimento médico para o filho pela primeira vez, Kauã foi transferida para o Hospital Regional de Assis. Porém, o quadro clínico piorou e ele acabou morrendo.

Hospital de Maracaí recebeu a criança duas vezes antes da transferência para Assis (Foto: TV TEM/Reprodução)

“Em Maracaí, disseram que meu filho tinha de ir pra UTI, porque corria risco de vida e eu questionei porque já tinha levado o menino a semana inteira. Não é possível demorar tanto. Agora eu quero justiça para o meu filho”, disse Viviane Santos.

Segundo o atestado de óbito, a morte foi causada por parada cardiorrespiratória como consequência de insuficiência renal e infecção generalizada.

De acordo com a família, foram coletadas amostras de sangue de Kauã para investigar a possível morte por dengue hemorrágica. O resultado deve ficar pronto em 15 dias.

Em nota, a Prefeitura de Maracaí afirmou que o garoto foi atendido no Centro de Saúde na última sexta-feira (13) e transferido para Assis no mesmo dia. Questionada sobre o atendimento no Hospital Regional de Assis, a Secretaria Estadual de Saúde não enviou resposta.

Viviane Santos, mãe de Kauã, afirma que quer justiça pelo filho (Foto: TV TEM/Reprodução)

#MAIS LIDAS DA SEMANA