Fique conectado

Polícia

Polícia Civil ouvirá motoristas multados no período de abril a junho de 2017 em Assis

Inquérito policial deve continuar por pelo menos mais 30 dias. Chefe do Departamento de Trânsito da cidade continua afastado.

Publicado em

1.266

Delegado Marcel Ito Okuma (Foto: Divulgação)

No dia 25 de junho deste ano, o Ministério Público (MP) de Assis (SP) instaurou um inquérito policial para apurar possíveis irregularidades praticadas pelo Departamento Municipal de Trânsito de Assis (DMTA) e por um despachante da cidade.

Um pouco mais de 1 mês após o início das investigações, por solicitação do delegado Marcel Ito Okuma, da Central de Polícia Judiciária, o inquérito deve ser prorrogado por pelo menos mais 30 dias.

Novo prazo esse que deverá ser utilizado para a polícia ouvir depoimentos de alguns dos motoristas que foram multados pelo DMTA no período de abril a junho de 2017, que ficou conhecido como a “Fábrica de Multas de Assis”.

“Vamos ouvir alguns motoristas nos próximos dias para saber se houve exagero dos agentes de trânsito, e por isso, aqueles que acreditam não ter cometido infração de trânsito e tenham alguma prova podem nos procurar, contudo, deixamos claro que a polícia não vai cancelar nenhuma multa” explica o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, aquele que foi multado corretamente por um agente e procurar a polícia alegando que não cometeu a infração poderá ser processado. “Enfatizo ainda que aqueles que comparecerem na delegacia e for comprovado, documentalmente, que cometerem a infração, poderão ser processados judicialmente”, alerta.

Apreensão

No dia 25 de junho, a Polícia cumpriu mandados de apreensão no DMTA e também na casa de suspeitos.

Dentre os objetos apreendidos na ação, que investiga irregularidades na aplicação de multas de trânsito na cidade, estão documentos, computadores e R$ 5 mil em dinheiro.

A operação foi deflagrada após várias reclamações que começaram a chegar no ano passado, de cidadãos que dizem ter recebido multas em excesso e até autuações de infrações que não teriam cometido.

O dinheiro apreendido, segundo a polícia, foi encontrado na gaveta do chefe do departamento. Ainda conforme a polícia, ele teria dito que o valor seria de um empréstimo pessoal.

Chefe do Departamento de Trânsito de Assis (SP) alegou que dinheiro encontrado era um empréstimo pessoal (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Afastamento

O diretor do departamento de trânsito da prefeitura de Assis (SP) foi afastado e a Câmara de Vereadores abriu uma CPI para avaliar as possíveis responsabilidades nas denúncias de irregularidades na aplicação de multas na cidade.

O caso é investigado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público que cumpriram na terça-feira (26) seis mandados de busca e apreensão no departamento. A operação conjunta recolheu computadores, documentos além de R$ 5 mil que estavam na gaveta do diretor do departamento.

A denúncia ao MP foi feita por uma ex-assessora de gabinete que trabalhou por um ano no departamento de trânsito. Ela definiu o setor como uma “fábrica de multas”.

Vereadores

Durante a sessão da Câmara de Assis (SP), realizada na segunda-feira, 2 de julho, a ex-funcionária pública que denunciou a suposta “Fábrica de Multas” prestou depoimento sobre o caso e deu detalhes de como o esquema funcionava.

Ex-funcionária, Alessandra da Silva, foi ouvida durante uma sessão na Câmara de Assis (Foto: Reprodução/TV TEM)

Segundo Alessandra da Silva, os vereadores da cidade faziam reuniões com o ex-diretor do Departamento de Trânsito, Leonardo de Godoy, e pediam para que multas fossem anuladas.

A ex-funcionária denunciou ao Ministério Público e à Polícia Civil que agentes de trânsito recebiam comissão de R$1,73 por multa aplicada, e que isso teria sido a causa do crescimento acentuado do número de infrações aplicadas na cidade.

Ainda no depoimento, Alessandra disse que havia favorecimento pra que fossem atendidos recursos de multas de apenas um despachante.

Em uma operação realizada pela Polícia Civil, juntamente com o Ministério Público no dia 25 de junho, após a denúncia, foram apreendidos documentos, computadores e R$ 5 mil em dinheiro encontrados na gaveta do chefe do departamento de trânsito.

Enquanto as investigações estão em andamento, a Prefeitura de Assis optou por afastar o chefe do Departamento de Trânsito da cidade, e quem assumiu o cargo interinamente foi o secretário municipal de Obras, Clóvis Marcelino da Silva.

Polícia

Menina morre eletrocutada enquanto brincava de esconde-esconde em São Pedro do Turvo

Segundo a Polícia Militar, fio de cerca elétrica de casa de vizinhos estaria em contato com contêiner que criança encostou.

Publicado em

Do G1
Menina morreu eletrocutada ao encostar em contêiner enquanto brincava de esconde-esconde em São Pedro do Turvo — Foto: Arquivo Pessoal

Uma menina de 7 anos morreu eletrocutada enquanto brincava durante a noite desta sexta-feira (18), em São Pedro do Turvo (SP).

De acordo com a Polícia Militar, a criança brincava de esconde-esconde em uma rua da Vila Bom Jesus, quando encostou em um contêiner que estava energizado por fio de uma cerca elétrica.

Ainda de acordo com os policiais, o fio teria escapado do muro da casa de um dos vizinhos e estava em contato com o contêiner de ferro, que a menina encostou.

A criança chegou a ser socorrida, mas não resistiu. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Ourinhos (SP).

Ana Beatriz Benvindo Ferreira será velada no Velório Municipal e enterrada às 17h deste sábado (19) no Cemitério Municipal de São Pedro do Turvo. A perícia foi acionada para investigar o caso.

Continue lendo

Polícia

Homem é morto por tribunal de facção criminosa após estuprar criança em Paraguaçu Paulista

O estuprador e a mãe da criança foram sequestradas e passaram pelo “tribunal”, que resultou na liberação da mulher e na execução do homem.

Publicado em

Do i7 Notícias
Cinco homens pertencentes ao tribunal do crime foram abordados por equipes policiais na Rodovia Manílio Gobbi (Foto: Manoel Moreno)

Um homem, identificado como Adenilson, foi morto após ser julgado pelo “tribunal” de uma facção criminosa, por ter estuprado a sua enteada, de 10 anos, em Paraguaçu Paulista (SP).

De acordo com o boletim de ocorrência, a equipe da Força Tática recebeu na última quinta-feira, dia 17, uma denúncia anônima sobre uma ocorrência que teria acontecido na cidade de Paraguaçu Paulista, no qual um indivíduo havia estuprado a enteada, de 10 anos. A denúncia também informava que o acusado pelo crime estaria sendo julgado pelo “tribunal” de uma facção criminosa. Os policiais receberam também a informação de que o padrasto e a mãe da criança haviam sido sequestrados.

Nesta sexta-feira, dia 18, uma nova denúncia anônima foi feita, informando que havia ocorrido o “tribunal”, que resultou na liberação da mãe da criança e na execução do padrasto. Foi informado também que os envolvidos estariam em fuga em um veículo GM/Astra, e que iriam passar pela rodovia que liga Assis/Paraguaçu, onde foi direcionado o patrulhamento com êxito na abordagem do veículo. Em seu interior estavam cinco homens, sendo que foram revistados bem como o veículo, porém nada de ilícito foi encontrado.

Os indivíduos foram separados para serem entrevistados individualmente. Um deles foi questionado sobre o tribunal do crime, onde admitiu que haviam julgado e sentenciado à morte e matado Adenilson, devido o mesmo ter estuprado a criança; já a mulher, sua amásia, teria sido perdoada e liberada.

O mesmo suspeito confessou que havia recebido uma ordem para acompanhar e confirmar se outros dois homens iriam de fato executar o estuprador.

O estuprador foi morto com diversos golpes de pá e o seu corpo foi enterrado em uma estrada de terra, após a cidade de Cândido Mota (SP). Todos se direcionaram até o local. Com a chegada da perícia, o local foi aberto e constatado que havia um corpo identificado como Adenilson. Em ato continuo, as equipes localizaram em Cândido Mota dois indivíduos que estavam envolvidos no crime.

Continue lendo

Polícia

Lavrador morre após ser atingido por um raio em Ocauçu

Homem conversava com um filho pelo celular quando foi atingido pelo raio.

Publicado em

Do Marília Notícia

O lavrador Renato Santiago, de 38 anos, morreu após ser atingido por um raio na tarde desta sexta-feira (18) na zona Rural de Ocauçu (cerca de 40 quilômetros de Marília).

A vítima morava em Lupércio, mas estava trabalhando no sítio São Carlos na cidade vizinha quando iniciou a tempestade.

Santiago estava conversando com um filho pelo celular quando foi atingido pelo raio e desmaiou por volta das 15h.

Ele foi socorrido com urgência até o Hospital das Clínicas (HC) de Marília, porém não resistiu e morreu em decorrência de uma hemorragia pulmonar.

Continue lendo
Solutudo 300
WhatsAssp AssisNews
Maiara e Maraisa
Aflumar Cursos
Publicidade

FaceNews

Mais lidas